Abrir menu principal

A Economia digital refere-se a uma economia baseada em tecnologias de computação digital. A economia digital também é às vezes chamada de Economia da Internet, Nova Economia ou Economia da Web. Cada vez mais, a "economia digital" está entrelaçada com a economia tradicional, dificultando um delineamento claro.

DefiniçãoEditar

O termo "Economia Digital" foi mencionado pela primeira vez no Japão por um professor japonês e economista pesquisador no meio da recessão japonesa dos anos 90. No ocidente, o termo se seguiu e foi cunhado no livro de 1995 de Don Tapscott, The Digital Economy: Promise and Peril in the Age of Networked Intelligence (A Economia Digital: Promessa e Perigo na Era da Inteligência em Rede).[1] A economia digital estava entre os primeiros livros a considerar como a Internet mudaria a forma como fazíamos negócios.[2]

De acordo com Thomas Mesenbourg (2001),[3] três componentes principais do conceito de 'Economia Digital' podem ser identificados:

  • Infra-estrutura e-business (hardware, software, telecomunicações, redes, capital humano, etc.);
  • e-business (como os negócios são conduzidos, qualquer processo que uma organização realiza sobre redes mediadas por computador);
  • e-commerce (transferência de bens, por exemplo, quando um livro é vendido on-line).

Mas, como Bill Imlah[4] comenta, novos aplicativos estão desfocando esses limites e adicionando complexidade; por exemplo, considere a mídia social e a pesquisa na Internet.

Na última década do século XX. Nicholas Negroponte (1995) usou uma metáfora de mudança de processamento de átomos para processamento de bits. "O problema é simples. Quando a informação é incorporada nos átomos, há uma necessidade de todos os tipos de meios industriais e grandes corporações para a entrega. Mas, de repente, quando o foco muda para bits, os "grandes" caras tradicionais não são mais necessários. A publicação faça-você-mesmo na Internet faz todo sentido. Não é para uma cópia impressa" [5]

Nesta nova economia, as redes digitais e as infraestruturas de comunicação fornecem uma plataforma global sobre a qual pessoas e organizações desenvolvem estratégias, interagem, comunicam, colaboram e buscam informações. Mais recentemente, [6] a Economia Digital foi definida como o ramo da economia que estuda os bens intangíveis de custo marginal zero na rede.

ImpactoEditar

A Economia Digital vale três trilhões de dólares hoje. Isso é cerca de 30% do índice S&P500, seis vezes o déficit comercial anual dos EUA ou mais do que o PIB do Reino Unido ou mais do que o PIB do Brasil. O que impressiona é o fato de todo esse valor ter sido gerado nos últimos 20 anos desde o lançamento da Internet.

É amplamente aceito que o crescimento da economia digital tem um impacto generalizado em toda a economia. Várias tentativas de categorizar o tamanho do impacto nos setores tradicionais foram feitas.[7][8]

O Boston Consulting Group discutiu “quatro ondas de mudança varrendo os bens de consumo e o varejo”, por exemplo.[9]

Em 2012, a Deloitte classificou seis setores da indústria como tendo um “curto-circuito” e experimentando um “big bang” como resultado da economia digital.[10]

A Telstra, uma das principais provedoras australianas de telecomunicações, descreve como a concorrência se tornará mais global e mais intensa como resultado da economia digital.

RespostaEditar

Dado o seu amplo impacto esperado, as empresas tradicionais estão avaliando ativamente como responder às mudanças trazidas pela economia digital.[11][12][13] Para as corporações, o tempo de resposta (timming) é a essência.[14] Os bancos comerciais estão tentando inovar e usar ferramentas digitais para melhorar o seu negócio tradicional.[15] Os governos estão investindo em infraestrutura. Em 2013, a Rede Nacional de Banda Larga da Austrália, por exemplo, teve como objetivo fornecer uma banda larga de velocidade de download de 1 GB/s para 93% da população em dez anos.[16]

Sociedade sem dinheiroEditar

Uma sociedade sem dinheiro descreve um estado econômico em que as transações financeiras não são conduzidas com dinheiro na forma de notas ou moedas físicas, mas sim através da transferência de informações digitais (geralmente uma representação eletrônica do dinheiro) entre as partes envolvidas. Sociedades sem dinheiro existem, com base em escambo e outros métodos de troca, e transações sem dinheiro também se tornaram possíveis usando moedas digitais como o bitcoin. No entanto, este artigo discute e enfoca o termo "sociedade sem dinheiro" no sentido de um movimento para, e implicações de, uma sociedade onde o dinheiro é substituído pelo seu equivalente digital - em outras palavras, moeda legal (dinheiro) existe, é registrada, e é trocado apenas em formato digital eletrônico.

Tal conceito tem sido amplamente discutido, particularmente porque o mundo está experimentando um uso rápido e crescente de métodos digitais de gravação, gerenciamento e troca de dinheiro no comércio, investimento e vida diária em muitas partes do mundo, e transações que historicamente teriam foram realizadas com dinheiro são geralmente realizadas eletronicamente. Alguns países agora estabelecem limites para transações e valores de transação para os quais o pagamento não eletrônico pode ser legalmente usado.

Referências

  1. Tapscott, Don. The digital economy : promise and peril in the age of networked intelligence. [S.l.: s.n.] ISBN 0-07-063342-8 
  2. «Don Tapscott Biography» 
  3. Mesenbourg, T.L. Measuring the Digital Economy. [S.l.: s.n.] 
  4. «The Concept of a "Digital Economy"». Consultado em 27 de maio de 2018. Arquivado do original em 22 de outubro de 2013 
  5. «Bits and Atoms». Wired magazine. (MIT link) 
  6. arXiv:1405.2051   |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)|nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  7. The New Digital Economy - How it will transform business, Oxford Economics
  8. Taking leadership in a digital economy, Deloitte Digital & Telstra
  9. Digital’s Disruption of Consumer Goods and Retail. bcg.perspectives (2012-11-15). Retrieved on 2013-07-23.
  10. Deloitte Australia: Digital disruption - Short fuse, big bang?. Econsultancy (2012-10-22). Retrieved on 2013-07-23.
  11. Internet matters: Essays in digital transformation | McKinsey & Company. Mckinsey.com (2013-03-13). Retrieved on 2013-07-23.
  12. Welcome to Telefónica Digital. Blog.digital.telefonica.com (2013-07-15). Retrieved on 2013-07-23.
  13. Economy is better off with digital disruption. Smh.com.au (2012-07-23). Retrieved on 2013-07-23.
  14. Being too late in digital more costly than being too early: Deloitte Telstra joint report. Computerworld (2012-11-30). Retrieved on 2013-07-23.
  15. Retail banks to tackle “digital disruption” in 2013. CCR Magazine (2012-11-21). Retrieved on 2013-07-23.
  16. What is the NBN? | NBN - National Broadband Network - Australia Arquivado em 16 de janeiro de 2013, no Wayback Machine.. NBN. Retrieved on 2013-07-23.

Ver tambémEditar

Leitura complementarEditar