Abrir menu principal
Editora Monterrey Limitada
Editora
Fundação 1956
Fundador(es) Luis de Benito e Juan Fernandes Salmeron
Sede Rio de Janeiro
Produtos Livros, revistas


Editora Monterrey foi uma editora brasileira[1] criada em 1956 pelos espanhóis Luis de Benito e Juan Fernandes Salmeron. A editora ficou conhecida por publicar livros de bolso pulp.[2]

HistóricoEditar

Fundada em 1956 pelos espanhóis Luis de Benito e Juan Fernandes Salmeron, a editora começou publicando a série de faroeste O Coyote de José Mallorquí,[3] logo em seguida, em 1961, foi a vez de FBI, trazendo histórias de espionagem da coleção de mesmo nome da Editorial Rollán. A editora também publicou a revista em quadrinhos Nôvo FBI em Quadrinhos,[4] baseada na revista Aventuras del FBI, também publicada pela Editorial Rollán.[5] Embora O Coyote também tivesse histórias em quadrinhos,[6] não foram publicadas no país.

Em 1963, sob o comando do jornalista José Alberto Gueiros, a editora republica o romance Giselle, a espiã nua que abalou Paris na coleção ZZ7,[7] ambientado na França da Segunda Guerra Mundial. O romance foi escrito por David Nasser como um folhetim para o periódico Diário da Noite, jornal dos Diários Associados de Assis Chateaubriand, Gueiros rescreveu o romance ao lado do tio, o poeta Augusto Frederico Schmidt. Com o sucesso, a editora encomendou uma nova série protagonizada por uma espiã, Brigitte Montfort, ou Baby, a filha de Giselle, para isso, a editora encomenda os textos para o escritor espanhol Antonio Vera Ramírez, que assinava como Lou Carrigan. Ramírez já era conhecido pelos livros da coleção FBI,[8] a maioria das capas ficaram a cargo do brasileiro José Luiz Benício da Fonseca ou apenas Benício,[2] embora as primeiras tenham sido produzidas por um ilustrador holandês chamado Hack.[9]Outra série famosa da editora foi K. O. Durban do escritor brasileiro Hélio do Soveral, paródia aos espiões da cultura pop como James Bond de Ian Fleming, criada a pedido de Gueiros[10] e que também teve capas de Benício,[2] Também escreveu a série Spectre, com o pseudônimo Ell Sov.[10] Também passaram pela editora Ryoki Inoue, que iniciou a carreira de escritor com o livro de faroeste Os Colts de McLee[11] e Antonio Ribeiro, que usava o pseudônimo Tony Carson.[12]

A série Brigitte Montfort foi publicada até 1992, em 2000, Ramírez foi contactado por Juan Alberto Fernández Nunes, dono da editora, para criar romances de Giselle, o autor terminou quatro romances em 2001, que não chegaram a ser publicados devido ao falecimento do proprietário.[13] Em março de 2014, foi anunciado um projeto de uma série de televisão para o canal por assinatura GNT.[14]

PublicaçõesEditar

  • 77Z
  • Cinco Históricas Sangrentas de Lampião e Mais Cinco Histórias Sangrentas de Lampião de Nertan Macêdo - dois volumes
  • Chaparral
  • Chumbo Quente
  • O Coyote
  • FBI
  • FB7
  • Futurama
  • K. O. Durban
  • HH
  • Nôvo FBI em Quadrinhos
  • Oeste Brutal
  • Oeste Carga Dupla
  • Oeste Perigoso
  • Oeste Proibido
  • Spectre
  • Tiroteio
  • ZZ7
  • Oeste Sensual
  • Oeste Beijo e Bala

Referências

  1. «Novo livro de Benicio busca financiamento no Catarse». Universo HQ. 6 de novembro de 2013 
  2. a b c Roberto de Sousa Causo. «Resenha: O rei das pin-ups tupiniquins». Terra. Consultado em 20 de maio de 2013 
  3. Suplemento cultural: Coletânea. [S.l.]: Companhia Editora de Pernambuco. 2005. 99 páginas 
  4. «FBI». Gibi Raro 
  5. «Aventuras del FBI». Tebesosfera 
  6. CUADRADO, Jesús (2000). Atlas español de la cultura popular: De la historieta y su uso 1873-2000, Madrid: Ediciones Sinsentido/Fundación Germán Sánchez Ruipérez. 2 v.ISBN 84-89384-23-1.
  7. «Brigitte, o fenômeno esquecido e outras fotos das capas». O Estado do Paraná. 22 de dezembro de 2003 
  8. Luis Conde Martín (2012). ¡Bang, bang, estás muerto!, Volume 4. [S.l.]: Ediciones AKAL. 9788446036289 
  9. Gonçalo Junior (março de 2012). «A espiã que nós amavamos». Editora Abril. Revista Playboy 
  10. a b Dagomir Marquezi (1998). «O Ian Fleming de Copacabana». Editora Abril. VIP (157): 72 a80 
  11. Laís Coelho (Setembro de 2012). «Literatura fordista». Piauí 
  12. Ota (28/02/2011). Os quadrinhos nacionais da Vecchi. Bigorna.net.
  13. Antonio Vera Ramírez. «Brigitte Baby Montfort». loucarrigan.com. Consultado em 20 de maio de 2013 
  14. Patrícia Kogut (10 de março de 2014). «GNT terá série sobre agente da CIA, que foi sucesso nos anos 60». O Globo 

Ligações externasEditar