Abrir menu principal
Elaine Thompson
campeã olímpica
Thompson no Mundial de Pequim 2015
Atletismo
Modalidade 100 m, 200 m
Nascimento 28 de julho de 1992 (27 anos)
Manchester, Jamaica
Nacionalidade jamaicana
Compleição Peso: 57 kg Altura: 1,67 m
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Rio 2016 100 m
Ouro Rio 2016 200 m
Prata Rio 2016 4×100 m
Campeonatos Mundiais
Ouro Pequim 2015 4×100 m
Prata Pequim 2015 200 m
Campeonatos Mundiais – Indoor
Bronze Portland 2016 60 m
Jogos Pan-Americanos
Ouro Lima 2019 100 m
Jogos da Commonwealth
Prata Gold Coast 2018 4×100 m

Elaine Thompson (Manchester, 28 de junho de 1992) é uma velocista e campeã olímpica jamaicana, especialista nos 100 e 200 metros rasos.[1]

Velocista de sucesso apenas mediano e nacional até o início da casa dos vinte anos, surgiu no cenário internacional do atletismo apenas em 2015, ao vencer os 100 m rasos do Jamaica International Invitational, em Kingston, em 10s97, derrotando corredoras como a nigeriana Blessing Okagbare e a norte-americana Allyson Felix, o que confirmou seus status de nova velocista de nível mundial. Pouco depois, no Prefontaine Classic, em Eugene, Oregon, Estados Unidos, perdeu por centésimos para a norte-americana English Gardner mas mesmo assim abaixou seu melhor tempo pessoal para 10s84.

Thompson deveria correr os 100 m no Campeonato Nacional de Atletismo da Jamaica, em julho, que serviu como seletiva para o Campeonato Mundial de Atletismo de 2015, em agosto daquele ano em Pequim, mas seu técnico, Stephen Francis, decidiu concentrar seus esforços apenas nos 200 metros, onde ela tinha um recorde pessoal de 22s37 obtidos em maio; ela venceu a prova em 22s51 classificando-se para o Mundial. Em julho, no Grand Prix de Londres, etapa da Diamond League, disputou e venceu os 200 m derrotando a americana Tori Bowie e mais uma vez baixando sua marca pessoal para 22s10, quebrando o recorde do evento que pertencia desde 1991 a outra jamaicana, Merlene Ottey.

Em Pequim 2015, ela conquistou a medalha de prata nos 200 metros, numa das provas de velocidade de melhor nível técnico já corridas, vencida pela holandesa Dafne Schippers, que quebrou o recorde do Campeonato Mundial que durava desde 1987, em 21s63; a marca de Thompson, 21s66, apenas três centésimos atrás da holandesa, foi também mais rápida que o antigo recorde - 21s74 da alemã-oriental Silke Gladisch-Möller – e a sexta mais rápida da história.[2] Na mesma competição, ela integrou o revezamento 4x100 m da Jamaica, ao lado de Veronica Campbell-Brown, Shelly-Ann Fraser-Pryce e Natasha Morrison, que conquistou a medalha de ouro derrotando as norte-americanas recordistas mundiais em Londres 2012, fazendo o segundo melhor tempo do mundo.[3]

Rio 2016Editar

Thompson chegou para os Jogos Olímpicos Rio 2016 como favorita a ganhar medalhas nas duas provas de velocidade, e com previsões de vitória nos 100 m depois de fazer o melhor tempo do ano nas seletivas jamaicanas – 10s70, sétimo tempo do mundo igualando o recorde nacional jamaicano de Fraser-Pryce – [4]e disputaria a medalha contra Schippers nos 200 metros, todas favoritas ao ouro olímpico nas respectivas provas além das americanas Tori Bowie e English Gardner, com Pryce tentando se tornar a primeira tricampeã olímpica dos 100 metros na história dos Jogos

Na primeira prova, os 100 metros, depois de uma corrida apertada nos primeiros 50 metros, Thompson disparou do grupo na segunda metade para vencer com o tempo de 10s71, a segunda melhor marca olímpica de vitória nos 100 metros, apenas superada por Florence Griffith-Joyner 28 anos antes em Seul, com Fraser-Pryce conseguindo apenas o bronze e Schippers, que correu na raia oito depois de uma semifinal mais lenta, em quinto lugar.[5]

Depois da prova acontecida em Pequim 2015, onde tanto Thompson quanto a holandesa Schippers haviam feito dois dos melhores tempos do mundo para a distância em muitos anos, os 200 metros femininos era uma das provas mais aguardadas do atletismo dos Jogos. Na final, o esperado duelo até a linha de chegada não chegou a acontecer; Thompson, no auge da forma, dominou os primeiros cem metros e disparou para a chegada após a curva, com Schippers, que sofreu de uma contusão não diagnosticada durante os Jogos,[6] tentando superá-la sem sucesso. Thompson conquistou a medalha de ouro em 21s78, com a holandesa ficando com a de prata, na prova em que favorita. Com a dupla vitória, Elaine Thompson tornou-se a primeira mulher a vencer os 100 m e os 200 m numa mesma Olimpíada desde a norte-americana Griffith-Joyner em Seul 1988 e uma das únicas sete a consegui-lo nos Jogos Olímpicos.[7]

No penúltimo dia dos Jogos, junto com Veronica Campbell-Brown, Shelley-Ann Fraser-Pryce e Christania Williams, conquistou mais uma medalha olímpica, de prata, no revezamento 4x100 metros.[8]

Pós-JogosEditar

Depois das vitórias no Rio de Janeiro, Thompson continuou a disputar a Diamond League e em setembro venceu os 100 m rasos – 10.72 – no Memorial Van Damme, em Bruxelas, última etapa do circuito, igualando o recorde do torneio da compatriota Shelly-Ann Fraser-Pryce de três anos antes e conquistando o título de campeã da prova e o troféu da Diamond League de 2016.[9]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Perfil na IAAF
  2. «REPORT: WOMEN'S 200M FINAL – IAAF WORLD CHAMPIONSHIPS, BEIJING 2015». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  3. «REPORT: WOMEN'S 4X100M FINAL – IAAF WORLD CHAMPIONSHIPS, BEIJING 2015». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  4. «Elaine Thompson storms to 10.70s win in 100m». Jamaican Observer. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  5. «REPORT: WOMEN'S 100M FINAL – RIO 2016 OLYMPIC GAMES». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  6. «Mystery injury costs Dafne Schippers golden chance». indianexpress.com. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  7. «REPORT: WOMEN'S 200M FINAL – RIO 2016 OLYMPIC GAMES». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  8. «REPORT: WOMEN'S 4X100M FINAL – RIO 2016 OLYMPIC GAMES». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  9. «THOMPSON EQUALS 100M MEETING RECORD IN BRUSSELS – IAAF DIAMOND LEAGUE». IAAF. Consultado em 11 de setembro de 2016 

Ligações externasEditar