Abrir menu principal
Elza Tank
Deputada estadual de São Paulo Bandeira do estado de São Paulo.svg
Período 1995 - 1999
Vereadora de Limeira Bandeira Limeira SaoPaulo Brasil.svg
Período 1982 - 1994

2000 - 2012
Prefeita de Limeira Bandeira Limeira SaoPaulo Brasil.svg
Período 9 de Abril de 2011
14 de Abril de 2011
Dados pessoais
Nascimento 1 de junho de 1935
Limeira
Morte 13 de julho de 2012 (77 anos)
Limeira
Nacionalidade brasileiro(a)
Cônjuge Willi Gerhard Moya
Partido Partido Trabalhista Brasileiro
Religião Espiritismo

Elza Sophia Tank Moya (Limeira, 1 de Junho de 193513 de Julho de 2012[1]) foi uma política brasileira, vereadora da cidade de Limeira por mais de duas décadas, além de presidente da Câmara Municipal da cidade por vários anos e deputada estadual entre 1995 e 1999. Feminista e populista, foi uma das personalidades políticas mais importantes do estado de São Paulo de sua época, destacando-se pela sua atividade em prol dos direitos da mulher e da saúde pública e pela austeridade e enfrentamento às autoridades estaduais. Era prima da soprano Niza de Castro Tank.

Índice

BiografiaEditar

JuventudeEditar

Elza Tank nasceu em Limeira, em 1 de Junho de 1935, neta de João Kühl Filho e filha de Lázaro da Costa Tank, ambos vereadores, perseguidos por se oporem ao levante paulista de 1932. Cresceu no asilo da cidade, mantido pela sua mãe, Maria Kühl Tank, e que hoje ostenta o nome de seu avô. Desde a infância, já participava de campanhas e reuniões políticas da família. Mais tarde, formou-se no curso técnico de contabilidade. Antes da política, tornou-se bastante conhecida na cidade por presidir e ser uma das principais integrantes da escola de samba Bandeira Branca, campeã do carnaval de rua limeirense em várias ocasiões.

Ingresso na políticaEditar

Elza Tank ingressou na vida política em 1982, ano em que foi eleita vereadora pelo MDB, frente de oposição ao regime militar. No ano seguinte, foi eleita a presidente da Câmara Municipal, cargo que exerceu até 1988. Foi a vereadora mais votada em sua reeleição no mesmo ano, fato que se repetiu na eleição seguinte, em dois mandatos que vigoraram entre 1988 e 1994. Neste período, ela ocupou novamente a presidência da Câmara Municipal[2].

Deputada estadualEditar

Em 1994, foi eleita deputada estadual[3] com 49.773 votos[2], e filiou-se ao PTB, partido do qual tornou-se a presidente municipal e principal liderança na cidade de Limeira. Durante sua gestão como deputada, tornou-se conhecida pelo trabalho pioneiro na prevenção do câncer, principalmente na mulher, e na melhoria da saúde pública. Também instalou, em sua cidade, a Delegacia de Defesa da Mulher. Em 1997, participou da 3º Jornada de Tecnologia e Medicina Brasil-Cuba, em Havana, por conta de seu trabalho na prevenção do câncer na mulher.[4] Em 1998, tentou a reeleição à Assembléia Legislativa, sem êxito. Foi eleita suplente, cargo que exerceu até o ano seguinte. Como deputada, esteve nas comissões permanentes de Agricultura e Pecuária, Assuntos Municipais e de Esportes e Turismo, além de participar das comissões de Cultura, Ciência e Tecnologia, Educação, Promoção Social, Saúde e Higiene, Segurança Pública e de Direitos Humanos.

Retorno à cidadeEditar

Retornou à cidade no ano 2000, e nas eleições daquele ano foi a vereadora mais votada, pela primeira vez pelo PTB. O fato se repetiu, e Elza Tank foi a presidente da Câmara Municipal até 2006[3]. Em 2007, assumiu a secretaria da saúde, durante a gestão do prefeito Silvio Félix, quando tentou instalar em Limeira o Hospital da Mulher, plano que não foi adiante e deu lugar à construção do ambulatório da cidade. No ano seguinte, foi a vereadora mais votada para a legislatura 2009-2012[1], seu sétimo mandato como vereadora da cidade. Em 2010, contribuiu com a comunidade espírita ao promover o dia municipal do Espiritismo.[5] Foi novamente eleita a presidente da Câmara Municipal, até o final de 2012. Entre 9 e 14 de Abril, Elza Tank assumiu a prefeitura, na ausência do prefeito e seu vice.

Doença e morteEditar

Em 2011, Elza Tank foi diagnosticada com um câncer raro nos ossos no estágio de metástase. Após quase um ano inteiro de afastamento da vida política, a chefe em exercício do legislativo municipal morreu na Santa Casa da cidade na manhã de 13 de Julho de 2012. O funeral ocorreu na Câmara Municipal de Limeira[1], onde a parlamentar recebeu as homenagens de mais de 10.000 populares. Foi levada até o cemitério por um carro do Corpo de Bombeiros, onde foi sepultada ao lado da família, ao som da canção Bandeira Branca (Bandeira branca, amor / Não posso mais / Pela saudade / Que me invade eu peço paz), de Dalva de Oliveira, que marcou a sua participação no carnaval limeirense nos anos 70 e 80. Na ocasião de seu falecimento foi decretado luto de três dias em Limeira[1][6].

Referências

  1. a b c d «Vereadora Elza Tank morre aos 77 anos». Prefeitura Municipal de Limeira. 13 de julho de 2012. Consultado em 3 de agosto de 2012 [ligação inativa]
  2. a b Antônio Sérgio Ribeiro (24 de julho de 2012). «Elza Tank 1935-2012». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 3 de agosto de 2012. Arquivado do original em 17 de setembro de 2016 
  3. a b «Presidente afastada da Câmara de Limeira morre aos 77 anos nesta 6ª». G1. 13 de julho de 2012. Consultado em 3 de agosto de 2012 
  4. http://www.al.sp.gov.br/noticia/?id=329379
  5. CâmaraLimeira[ligação inativa]
  6. «O adeus a Elza Tank». Gazeta de Limeira. 14 de julho de 2012. Consultado em 3 de agosto de 2012