Família Tarcaniota

Tarcaniota (em grego: Ταρχανειώτης; romaniz.: Tarchaneiótes; forma feminina: Tarcaniotissa em grego: Ταρχανειώτισσα; romaniz.: Tarchaneiótissa) também atestada nas formas variantes Tracaneita (Trachaneiotes), Tracaniata (Trachaniates) e Tarconiata (Tarchoniates) foi uma família aristocrática bizantina de Adrianópolis, ativa do final do século X ao século XIV, principalmente com comandantes militares. A partir do século XV alguns de seus membros foram ativos na Itália, enquanto um ramo migrou para a Rússia, onde seu nome foi russificado para Trakhaniot (em russo: Траханиот). São atestados até o século XVII.[1] A família italiana Tarcagnota de Mondragone reclama ascendência à Paulo Tarcaniota que teria partido rumo a Itália após a Queda de Constantinopla em 1453.[2]

O primeiro membro conhecido é Gregório Tarcaniota, catepano da Itália, que é registrado em 999 como tendo derrotado uma invasão sarracena. A origem da família é desconhecida. Tem sido sugerido que seu nome deriva da aldeia de Tarchaneion na Trácia,[1] mas alternativas tem sido também sugeridas, como uma derivação do mongol targan, "ferreiro", sugerido por Gyula Moravcsik, ou a origem georgina que lhes é atribuída por C. Cahen. Nenhuma hipótese pode ser conclusivamente provada.

Entre os séculos XII-XIV a família aumentou sua influência na corte bizantina devido a inúmeros casamento realizados entre seus membros e os membros de outras famílias importantes como os Comnenos e paleólogos, tendo os Tarcaniotas contribuído para a usurpação de Miguel VIII Paleólogo em 1261, após a retomada de Constantinopla do Império Latino. No entanto, alguns Tarcaniotas, dentre os quais Miguel Tarcaniota, filho de Nicéforo Tarcaniota, envolveram-se no movimento chamado arsenita, que tinha como objetivo apoiar o patriarca Arsênio I que questionava a legitimidade da dinastia Paleólogo.[1]

Membros conhecidosEditar

Séculos XI-XII[2]Editar

Séculos XIII-XV[2]Editar

Referências

  1. a b c «Tarchaneiotes family» (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2013 
  2. a b c d Cawley 2011, Chapter 33. Tarchaneiotes.
  3. Norwich 1997, p. 238.
  4. «Helena Tarchaniotissa, sister of katepano of Adrianople XI» (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2014 
  5. Nicol 1993, p. 200-201.
  6. Nicol 1993, p. 253; 298.
  7. Kazhdan 1991, p. 2012.
  8. Kazhdan 1991, p. 1649.
  9. Bartusis 1997, p. 74.
  10. Nicol 1993, p. 123-124.
  11. Radivoj 2003, p. cap. 4.2.
  12. Bartusis 1997, p. 60.
  13. Trapp 1994, p. PLP 27487.
  14. Kazhdan 1991, p. 852.
  15. Cavallo 1997, p. 226.
  16. Laiou 1972, p. 94.

BibliografiaEditar

  • Bartusis, Mark C. (1997). The Late Byzantine Army: Arms and Society 1204–1453. Filadélfia: Pennsylvania University Press. ISBN 0-8122-1620-2 
  • Cavallo, Guglielmo (1997). The Byzantines. Chicago: Chicago University Press. ISBN 0-226-09792-7 
  • Cawley, Charles (2011). «Byzantium, Nobility: Chapter 33. Tarchaneiotes». Foundation for Medieval Genealogy 
  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8 
  • Laiou, Angeliki E. (1972). Constantinople and the Latins: The Foreign Policy of Andronicus II, 1282–1328. Cambridge: Harvard University Press 
  • Nicol, Donald MacGillivray (1993). The Last Centuries of Byzantium, 1261–1453. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-43991-4 
  • Norwich, John Julius (1997). A Short History of Byzantium. Nova Iorque: Vintage Books. ISBN 978-0-67-977269-9 
  • Radivoj, Radic (2003). «Alexios Philanthropenos». Encyclopedia of the Hellenic World, Asia Minor. Atenas: Foundation of the Hellenic World 
  • Trapp, Erich; Hans-Veit Beyer; Sokrates Kaplaneres; Ioannis Leontiadis (1994). «27487. Ταρχανειώτης ᾿Ιωάννης». Prosopographisches Lexikon der Palaiologenzeit. Viena: Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschaften