Abrir menu principal

Miguel Tarcaniota (em grego: Μιχαήλ Ταρχανειώτης; transl.: Mikhael Tarchaneiotes; 1284) foi um aristocrata e general bizantino, ativo contra os turcos e nos Bálcãs de 1278 até sua morte por doença em 1284. Por sua esposa Maria, filha do mega-duque Aleixo Filantropeno, Miguel Tarcaniota teve três crianças: um filho de nome desconhecido a quem foi dado o título de protosebasto, uma filha de nome desconhecido que casou-se com Aleixo Raul e o famoso general e rebelde Aleixo Filantropeno, o Jovem.[1][2]

Índice

BiografiaEditar

Miguel Tarcaniota era o filho de Nicéforo Tarcaniota, grande doméstico de João III Ducas Vatatzes (r. 1221–1254) e Maria-Marta Paleóloga, a irmã mais velha de Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1261). Sua família apoiou a ascensão dos paleólogos ao trono, e o novo imperador recompensou Miguel e seu irmão mais novo Andrônico com altos títulos: Miguel foi feito protovestiário e Andrônico grande conostaulo.[3]

Em 1278, depois de subir ao posto de grande doméstico, Miguel acompanhou seu primo, o jovem co-imperador Andrônico II Paleólogo (r. 1282–1328) em uma expedição contra os turcos na Ásia Menor. A campanha foi bem sucedida na expulsão dos turcos do vale do rio Meandro. Tarcaniota, sob ordens de Andrônico, reconstruiu, fortificou e repovoou a cidade de Trales, que o jovem governante pretendia renomear como Andronicópolis ou Paleolópolis. Alguns anos mais tarde, contudo, a cidade, mal abastecida com água e provisões, foi sitiada e tomada pelo bei de Menteşe.[4]

Na primavera de 1281, Miguel liderou o exército bizantino que foi enviado para aliviar a cidade de Berati na Albânia, que estava sendo sitiada por um exército angevino. As tropas de Miguel capturaram o comandante angevino, Hugo, o Vermelho, em uma emboscada, quando então seu exército entrou em pânico e foi derrotado com grandes perdas pelos bizantinos.[5][6] Em 1283, Miguel foi colocado por Andrônico II como o chefe da campanha contra João I Ducas. As forças de Miguel marcharam para a Tessália, onde se juntaram com uma frota bizantina e sitiaram a cidade portuária de Demétrias. A cidade caiu, porém um surto de uma epidemia (possivelmente malária), matou muitos soldados, incluindo Miguel, e forçou o restante do exército a se retirar.[7][8][2]

AncestraisEditar

NotaEditar

[a] ^ A linhagem de Miguel Tarcaniota foi esquematizada a partir das informações contidas no livro Medieval Lands: Byzantium 395-1057 de Charles Cawley.[9]}}

Referências

  1. Kazhdan 1991, p. 1649.
  2. a b Cawley 2011, p. cap. 33.
  3. Kazhdan 1991, p. 2012.
  4. Nicol 1993, p. 86.
  5. Bartusis 1997, p. 63.
  6. Nicol 1993, p. 65-66.
  7. Bartusis 1997, p. 68.
  8. Nicol 1993, p. 115.
  9. Cawley 2011.

BibliografiaEditar

  • Bartusis, Mark C. (1997). The Late Byzantine Army: Arms and Society 1204–1453. Filadélfia: Pennsylvania University Press. ISBN 0-8122-1620-2 
  • Nicol, Donald MacGillivray (1993). The Last Centuries of Byzantium, 1261–1453. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-43991-4