Abrir menu principal
Fernanda Baptista
ComM
Nome completo Fernanda Gil Ferreira Martins
Nascimento 7 de maio de 1919
Lisboa
Morte 25 de julho de 2008 (89 anos)
Cascais
Nacionalidade portuguesa
Ocupação Cantora, actriz
Principais trabalhos "Fado da Carta"
Prémios Medalha de Mérito Municipal (Ouro) CML

Fernanda Baptista (Lisboa, 7 de Maio de 1919Cascais, 25 de Julho de 2008), foi uma fadista e actriz portuguesa, presença assídua no Teatro de Revista.

A criadora de êxitos como "Fado da Carta", desenvolveu uma carreira artística longo de mais de 65 anos, participando em cerca de 50 revistas e operetas, tendo realizado várias digressões, incluindo passagens EUA, Brasil, Argentina e Angola.[1]

BiografiaEditar

Fernanda Baptista, nome artístico de Fernanda Gil Ferreira Martins, nasceu em 7 de Maio de 1919, na Travessa do Oleiro nº 11, em Lisboa, apesar de constar a data de 11 de Maio nos seus documentos identificativos.[2]

Com apenas 10 anos, participou pela primeira vez numa peça de teatro infantil.[2]

Inicialmente costureira de profissão, no começo dos anos quarenta, Fernanda Baptista passa a integrar o cartaz da casa de fados Café Luso, convidada por Filipe Pinto.[1]

A sua estreia no Teatro de Revista aconteceu em 1945 quando, convidada pelo maestro e compositor João Nobre, participou em Banhos de Sol, chegando a primeira figura de várias operetas e revistas, como Chuva de Mulheres e Fonte Luminosa.[1]

Fernanda Baptista recebeu, juntamente com Raul Ferrão, o "Prémio Del Negro" (1946/1947) do SNI, atribuído a autores da letra e da música e artista intérprete do melhor número de canto de revista, por "Trapeiras de Lisboa" incluída da peça Canções Unidas.[3]

Além do "Fado da Carta" (João Nobre/Amadeu do Vale), entre os sucessos da artista encontram-se "Saudades de Júlia Mendes", "Fui ao Baile", "Trapeiras de Lisboa", "Pedrinha da Rua", "Fado Toureiro" ou "Fado das Sombras".[1]

Assinalando os seus 50 anos de carreira, realizou-se em 29 de Abril de 1996 um concerto no Teatro São Luiz que contou com a participação de nomes como Anita Guerreiro, Deolinda Rodrigues, Maria Valejo, Maria José Valério, Fernando Maurício ou Carlos Zel.[2]

A sua última presença em palco foi no musical Canção de Lisboa de Filipe La Féria, em 2005.[2][1]

Em 2003, foi feita Comendadeira da Ordem do Mérito, a 5 de fevereiro, por Jorge Sampaio.[1][4]

Em 2008, recebeu da Câmara Municipal de Lisboa a Medalha de Mérito Municipal, no seu Grau Ouro, a par de Maria Eugénia, Milú e Nini Remartinez (Irmãs Remartinez).[5][6]

Fernanda Baptista morreu em 25 de Julho de 2008, em Cascais.[1]

A fadista é recordada na toponímia de localidades como Sintra (2017),[7] Cascais ou Seixal.

DiscografiaEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.

CompilaçõesEditar

  • 2005 - Fernanda Baptista : A Maior Voz do Teatro de Revista (CD, Movieplay Portuguesa)[9]

TeatroEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
Ano Nome Notas
1946 As Canções Unidas [10][3][11]
1947 Sua Majestade, o Amor [12]
1947 Salada de Alface [11]
1947 Ó Ai Ó Linda [10][11]
1948 Tico-tico [10][11]
1948 O Pirata da Perna de Pau [10][11]
1949 O que se Leva desta Vida [10][11]
1951 Não me Digas [10][11]
1951 Ó Papão, Vai-te Embora! [10][11]
1952 Rebola a Bola [10][11]
1952 Tudo Isto é Fado [10][11]
1954 Cala o Bico! [10][11]
1954 Como é o Tempero? [10][11]
1955 Cidade Maravilhosa [10][11]
1961 Não Brinques Comigo [10][11]
1961 O Trunfo É Espadas! [10][11]
1969 Ena já Fala! [11]
1970 Pega de Caras [10][11]
1972 Cortar na Casaca [11]
1974 À Pai Adão [10][11]
1974 Dentadinhas na Maçã [10][11]
1975 As Escandalosas [11]
1975 A Mão no Ar e o Pé Atrás [11]

Referências

  1. a b c d e f g Agência Lusa (25 de julho de 2008). «Música: Fadista Fernanda Baptista morre aos 89 anos». Indica erradamente "Ordem de Mérito". Semanário Expresso. Consultado em 18 de setembro de 2017. Arquivado do original em 4 de maio de 2013 
  2. a b c d «Personalidades: Fernanda Baptista». Museu do Fado. Outubro de 2008. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  3. a b Moura, Nuno Costa (2007). «Apêndice 7 : Prémios Artísticos (entre 1959 e 1973)». "Indispensável dirigismo equilibrado" : O Fundo de Teatro entre 1950 e 1974 : (Volume II) (PDF) (Tese de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. p. 39, 40. Consultado em 18 de maio de 2016 
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Fernanda Baptista". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  5. «Vozes da Rádio recebem Medalhas de Mérito Municipal em dia de lançamento de livro sobre as colectividades da Graça». Câmara Municipal de Lisboa. 1 de março de 2008. Arquivado do original em 1 de março de 2008 
  6. «Deliberação n.º 57/CM/2008». 3.º Suplemento ao Boletim Municipal n.º730. Câmara Municipal de Lisboa. 14 de fevereiro de 2008. pp. 292 (30), 292 (31). Consultado em 17 de junho de 2014. Arquivado do original em 17 de junho de 2014  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  7. Agência Lusa (23 de junho de 2017). «Anita Guerreiro e Gilberto Grácio, Fernanda Baptista homenageados no Cacém». SintraNotícias. Consultado em 18 de setembro de 2017. Arquivado do original em 4 de maio de 2013 
  8. «Catálogo - Detalhes do registo de "Fernanda Baptista; O melhor dos melhores; 6"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  9. «Catálogo - Detalhes do registo de "Fernanda Baptista : a maior voz do teatro de revista : antologia"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  10. a b c d e f g h i j k l m n o p q Teatro de Revista.
  11. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v «Ficha de Pessoa : "Fernanda Baptista"». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 13 de Março de 2001. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  12. Opereta

Ligações externasEditar