Fiação subterrânea

A Fiação subterrânea é um tipo de intervenção urbanística, oposto ao conceito de fiação aérea, onde numa cidade, os cabos de transmissão de energia elétrica, telefonia e TV a cabo são todos colocados em galerias subterrâneas, assim como é feito com as redes de água, esgoto e gás, por oposição ao modelo tradicional, onde os fios são dispostos entre um poste e outro.

A Rua Guajajaras, na região central de Belo Horizonte, possui fiação subterrânea.

A fiação subterrânea, mais cara que a tradicional, é empregada ainda em poucos lugares. Seus objetivos principais são: melhorar a estética urbana, livrando determinados logradouros da poluição visual causada pela fiação aérea; e remover o perigo que a fiação aérea pode oferecer aos pedestres, uma vez que em caso de um deles se partir, pessoas correm o risco de ser eletrocutadas.

BrasilEditar

 
Tradicional fiação aérea urbana.

Na cidade do Rio de Janeiro, os primeiros condutores subterrâneos de energia elétrica datam de 1905 a 1909, durante o processo de modernização pelo qual passava a cidade, em sua zona urbana, no governo de Pereira Passos. Até os dias atuais, o Rio continua sendo a cidade com a maior rede de fiação subterrânea da América Latina[1]

Um exemplo de projeto que impulsionou novamente a fiação subterrânea na cidade foi o Rio-Cidade, realizado na década de 1990, que transformou a fiação aérea em subterrânea em pontos principais de alguns bairros comerciais.[2] No entanto, até a década de 2010 maioria da cidade ainda permanece com o modelo de fiação antigo.[2]

Em São Paulo, o prefeito Fernando Haddad, a partir de 2013, também procurou executar alguns projetos no sentido de implementar a fiação subterrânea a partir de parcerias com comerciantes.[3]

Cidades com fiação subterrânea pelo BrasilEditar

Cidades com fiação subterrânea em outros paísesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. osetoreletrico.com.br. «Por baixo da terra». Consultado em 14 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2016 
  2. a b O Globo. «Cidade tem mais de 90% das ruas com cabos aparentes nos postes». Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  3. Luis Nassif (1 de fevereiro de 2013). «O projeto para enterrar a fiação elétrica de São Paulo». Último Segundo. Consultado em 14 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2016