Flávio Crescônio Coripo (em latim: Flavius Cresconius Corippus), conhecido como Coripo, foi um poeta latino do século VI.[1]

Coripo
Nascimento século VI
África
Morte Após 567
Constantinopla
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação
  • Poeta
  • Professor
Religião Cristianismo
Soldo de Justino II (r. 567–578)

Vida editar

Nativo da prefeitura pretoriana da África, atuou numa pequena cidade perto de Cartago como professor (gramático).[2] Já foi ligado, de forma duvidosa, ao bispo Crescônio do século VII que escreveu a Concórdia dos Cânones (Concordia Canonum), uma coleção de leis eclesiásticas. Parece ter retido o ofício de tribuno ou escriniário (notário) sob o questor Anastácio, que esteve ativo sob o imperador Justiniano (r. 527–565), no final de cujo reinado deixou a África ruma a Constantinopla, capital do Império Bizantino, em consequência da perda de sua propriedade durante as Guerras Vândala (533–535) e Moura (549–553).[3]

Quiçá em 549, recitou aos dignitários de Cartago o poema épico João (em latim: Johannis) ou Das Guerras Líbicas (De bellis Libycis), a obra em oito livros com aproximadamente 5 000 hexâmetros que descreve a luta do general João Troglita contra os mouros;[3] ela é valiosa como fonte histórica, pois revela importante informação sobre a topografia africana e os costumes berberes.[1] Enquanto ainda vivia na África, também fez panegíricos sobre cidades, os Pátria, para ricos patrões.[2] Já em Constantinopla, porém, fez sua segunda obra mais conhecida, Em Louvor de Justino, o Menor (In laudem Justini minoris), em quatro livros, que narra a morte de Justiniano, a ascensão de Justino II (r. 565–578) em 14 de novembro e os primeiros eventos do reinado. Ela é introduzida pelo pequeno panegírico a Anastácio, que foi quem patrocinou a obra, e um prefácio.[3] Assim como João, é outra fonte histórica relevante para, dentro outras coisas, o cerimonial imperial do século VI. Coripo faleceu depois de 567,[1] 568 ou mesmo em meados dos anos 570.[2]

Em Louvor de Justino, o Menor foi publicada em 1581 por Michael Ruyz Azagra, o secretário do imperador Rodolfo II (r. 1576–1612) através de um manuscrito do século IX ou X. No prefácio da publicação havia uma referência a João, que até então estava perdida, salvo pela nota de João Cuspiniano (1473–1529) em seu Sobre Césares e Imperadores que dizia que a obra anterior foi vista num manuscrito na biblioteca de Buda, destruída pelo sultão Solimão, o Magnífico (r. 1520–1566) em 1541. João só seria redescoberta em 1814, em Milão, pelo cardeal Mazzucchelli, o bibliotecária da Biblioteca Ambrosiana, no Códex Trivultiano (oriundo da biblioteca do marquês Trivulzi).[3]

Referências

Bibliografia editar

  • Baldwin, Barry; Cutler, Alan (1991). «Corippus». In: Kajdan, Alexander. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia. ISBN 0-19-504652-8