Francisco Ramírez Medina

Francisco Ramírez Medina
Nome completo Francisco Ramírez Medina
Nascimento 1828
Porto Rico
Nacionalidade porto-riquenho
Ocupação 1º presidente da República de Porto Rico
A autoridade de Ramírez só foi reconhecida durante a revolução, durante a qual ele fez sua única proclamação oficial e nomeou um gabinete, também oficial.

Francisco Ramírez Medina[nota 1] (nascido por volta de 1828) foi um dos líderes do "Grito de Lares", a primeira grande revolta contra o domínio espanhol e apelo à independência de Porto Rico em 1868. Foi o primeiro presidente de Porto Rico.

O Grito de LaresEditar

A história tem pouco a dizer sobre Ramírez Medina e sua vida pessoal; o que é conhecido, no entanto, é que ele acreditava no movimento da independência de Porto Rico. Durante anos, vários setores em Porto Rico tinham planos para reivindicar a independência de Porto Rico do domínio espanhol. Entre aqueles que planejaram pela liberdade da ilha foi o general porto-riquenho Antonio Valero de Bernabé, que ao tomar conhecimento do sonho de Simón Bolívar de libertar e criar uma América Latina unificada, que incluía o Porto Rico e Cuba, decidiu se juntar a ele e em São Tomás estabeleceu contatos com o movimento independentista porto-riquenho.[1] No entanto, não foi até 1868, quando uma revolta foi inicialmente começada e planejada por Ramón Emeterio Betances e Segundo Ruiz Belvis contra o governo da Espanha, que então governava a ilha. Manuel Rojas, Mariana Bracetti e Mathias Brugman se juntaram a eles, formando células revolucionárias na ilha. Ramírez Medina, entre outros, também aderiu ao movimento.

Etapa de planejamentoEditar

Em 29 de setembro, Ramírez Medina realizou uma reunião na casa dele, na qual a insurreição foi planejada e programada para começar em Camuy em 29 de setembro. A reunião contou com a presença de Marcelino Vega, Carlos Martínez, Bonifacio Agüero, José Antonio Hernández, Ramón Estrella, Bartolomé González, Cesilio López, Antonio Santiago, Manuel Ramírez e Ulises Cancela. Cancela instruiu Manuel María González a entregar todos os atos e documentos importantes com relação à reunião para Manuel Rojas.[2]

Declaração da independênciaEditar

 
Igreja Católica Romana de Lares e monumento ao Grito na Praça da Revolução.

Em 23 de setembro de 1868, Manuel Rojas e seus soldados do Exército de Libertação Nacional capturaram a cidade de Lares. Alguns dos 400–600 rebeldes se reuniram nesse dia na fazenda de Manuel Rojas, localizada nas proximidades de Peñuelas, na periferia de Lares. Mal treinados e armados, os rebeldes chegaram a cidade a cavalo e a pé em torno de meia-noite. Eles saquearam lojas locais e escritórios pertencentes aos "peninsulares" (homens de origem espanhola) e assumiram a prefeitura. Os comerciantes espanhóis e as autoridades do governo local, considerados pelos rebeldes como inimigos da pátria, foram feitos prisioneiros. Os revolucionários, em seguida, entraram na igreja da cidade e colocaram a bandeira revolucionária, a primeira bandeira porto-riquenha, feita a malha por Bracetti com os materiais fornecidos pelo Eduvigis Beauchamp Sterling, tesoureiro da revolução,[3] no altar-mor. A bandeira foi dividida no meio por uma cruz latina de cor branca, os dois cantos inferiores estavam vermelhos e os dois cantos superiores eram azuis. A estrela branca foi colocada no cantor superior esquerdo azul.[4] De acordo com o poeta porto-riquenho Luis Lloréns Torres, a cruz branca na bandeira representa o anseio pela redenção da pátria; os quadrados vermelhos, o sangue derramado pelos heróis da revolta; e a estrela branca no quadrado azul significa liberdade.[5] Ao colocar a bandeira no altar-mor, os revolucionários davam um sinal de que a revolução já começou. Este evento ficou conhecido como o "Grito de Lares", grito da independência de Porto Rico. Após esta vitória, Rojas e seu povo declaram Porto Rico uma República Livre. A República de Porto Rico foi proclamada às (02:00 da madrugada, hora local), sob a presidência de Ramírez Medina na igreja. O presidente Ramírez Medina nomeou os funcionários governamentais da seguinte forma:

Como presidente do governo provisório da República de Porto Rico, o primeiro ato oficial de Ramírez Medina foi a proclamação da abolição do sistema de Libreta. O sistema Libreta, requer que cada trabalhador carrega em sua pessoa um bloco de notas que indica o tipo de trabalho a pessoa faz e quem ele trabalha. Qualquer um que era capaz de trabalhar e não levar uma Libreta (caderno ou diário) era sujeito a prisão.[6] Ele também ordenou a libertação de todos os escravos que se juntaram à luta ou foram impedidos de fazê-lo, e ele pediu aos seus compatriotas a cumprir com seu dever e libertar o Porto Rico.[7]

Confronto em San SebastiánEditar

As forças rebeldes, em seguida, partiram para assumir o controle da próxima cidade, San Sebastián del Pepino. A milícia espanhola, no entanto, surpreendeu o grupo com forte resistência, causando grande confusão entre os rebeldes armados que, liderados Manuel Rojas, recuaram de volta à Lares. Após uma ordem do governo, Julián Pavía, a milícia espanhola logo cercou os rebeldes. Todos os sobreviventes foram presos em Arecibo. Francisco Ramírez Medina estava entre os capturados e pode ter sido executado por traição. Seu destino exato, no entanto, é desconhecido.[7]

LegadoEditar

Em 16 de novembro de 1930, o Partido Nacionalista porto-riquenho emitiu obrigações em nome da "República de Porto Rico" com a fotografia do "primeiro presidente da República", Dr. Ramírez.[8] Existe uma rua em Hato Rey, Porto Rico, chamada Presidente Ramírez, em sua homenagem. Além disso, isso faz o reconhecimento de Francisco Ramirez Medina com um personagem na peça teatral intitulada "El Grito de Lares ... un monumento en la historia". Este trabalho foi escrito e dirigido pelo mesmo autor, Gerardo Lugo Segarra, mais conhecido pelo seu nome artístico como Jerry Segarra. A peça estreou no dia 22 de setembro de 2009 e, desde então, utiliza os cenários reais, onde eles desenvolveram o Grito de Lares: a Praça da Revolução, a Casa Alcaldía, o templo da Ingreja Católica e as ruas ao redor da Praça em Lares, Porto Rico.

Notas e referências

Notas

  1. Este nome usa costumes hispânico de nomenclatura: O primeiro ou nome paternal de família é Ramírez e o segundo ou nome maternal de família é Medina.

Referências

  1. Hijos del suelo Fajardeño
  2. EL PUEBLO DE LARES ANTES DE LA REBELION DE 1868. LAS CONSPIRACIONES Y SUS CAUSAS; Por: FRANCISCO BERROA UBIERA
  3. «Família Beauchamp». Consultado em 22 de maio de 2016. Arquivado do original em 4 de junho de 2016 
  4. A mulher de Porto Rico. Mariana Bracetti. Consultado em 26 de setembro de 2007.
  5. Lares
  6. «Abolição». Consultado em 22 de maio de 2016. Arquivado do original em 21 de agosto de 2008 
  7. a b «Grito de Lares». Consultado em 22 de maio de 2016. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  8. "Arquivos FBI"; "Partido Nacionalista de Porto Rico"; SJ 100-3; Vol. 23; páginas 104-134.