Mariana Bracetti
"Brazo de Oro" (Braço de Ouro)
Nascimento 1825
Añasco, Porto Rico
Morte 1903 (78 anos)
Añasco, Porto Rico
Nacionalidade porto-riquenha
Cônjuge Miguel Rojas
Ocupação Líder do movimento da Independência de Porto Rico

Mariana Bracetti (1825—1903) foi uma patriota e líder do movimento da independência de Porto Rico na década de 1860. Foi atribuída por ter bordado a bandeira[1] que se destinava a ser usada como o emblema nacional de Porto Rico em sua tentativa de derrubar o governo espanhol na ilha e para estabelecer a ilha como uma República soberana. A tentativa de derrubada foi o Grito de Lares, e criação de Bracetti ficou conhecida como "A Bandeira de Lares".[1] O projeto da bandeira foi adotado como a bandeira oficial do município de Lares, em Porto Rico.

Primeiros anosEditar

Bracetti, nascida na cidade de Añasco, em Porto Rico, conheceu e desenvolveu um relacionamento amoroso com Miguel Rojas, um empresário rico visitando Añasco. Rojas e seu irmão, Manuel, possuía um cafezal chamado "El Triunfo". Miguel e Manuel Rojas eram admiradores do Dr. Ramón Emeterio Betances e foram influenciados por seus ideais de independência de Porto Rico. Bracetti casou com Rojas, com quem teve filhos.[2]

A primeira bandeira de Porto RicoEditar

Bracetti então mudou-se para a fazenda "El Triunfo", que viria a se tornar o núcleo clandestino da revolução que seria conhecido como o "Grito de Lares".

Bandeira Revolucionária de Lares (Original)

Os irmãos Rojas se tornaram os líderes da independência em Lares e seu codinome era Centro Bravo. Manuel Rojas, cunhado de Bracetti, foi nomeado Comandante do Exército de Libertação. Mathias Brugman foi líder da independência em Mayagüez e seu grupo passou pelo codinome de Capá Prieto.

O apelido de Bracetti foi Brazo de Oro (Braço de Ouro) e foi nomeada como a líder do "Conselho Revolucionário de Lares". Betances sugeriu Bracetti tecer a primeira bandeira (inspirada na bandeira da República Dominicana) da futura "República de Porto Rico". Com os materiais fornecidos pelo Eduvigis Beauchamp Sterling, nomeado tesoureiro da revolução por Betances,[3] Bracetti projetou e bordou a bandeira levando em consideração as sugestões de Betances.[1] A bandeira foi dividida no meio por uma cruz latina de cor branca, os dois cantos inferiores são vermelhos e os dois cantos superiores são azuis. Uma estrela branca foi colocada no canto superior esquerdo azul.[4] De acordo com o poeta porto-riquenho Luis Lloréns Torres, a cruz branca da bandeira revolucionária de Lares representa o anseio pela redenção da pátria; os quadrados vermelhos representam o sangue derramado pelos heróis da revolta, e a estrela branca no quadrado azul significa liberdade.[5]

O "Grito de Lares"Editar

Na manhã de 23 de setembro de 1868, um exército de aproximadamente oitocentos homens reuniu-se no cafezal "El Triunfo", e Manuel Rojas passou a tomar a cidade de Lares, que iniciou a revolução conhecida como Grito de Lares. Uma vez que a cidade foi tomada, a bandeira de Bracetti foi colocada sobre o altar-mor da Igreja Paroquial.[1] Os revolucionários declararam Porto Rico uma república, e Francisco Ramírez Medina foi empossado como o primeiro presidente, e o padre celebrou uma rápida missa.

As forças rebeldes, em seguida, partiram para assumir a próxima cidade, San Sebastián del Pepino. A milícia espanhola, no entanto, surpreendeu o grupo com forte resistência, causando grande confusão entre os rebeldes armados que, liderados por Manuel Rojas, recuaram de volta à Lares. Após uma ordem do governo, Julián Pavía, a milícia espanhola logo cercou os rebeldes. Todos os sobreviventes, incluindo Bracetti,[1] foram presos em Arecibo e a insurreição rapidamente chegou ao fim. A bandeira original de Lares foi levada por um oficial do exército espanhol como prêmio de guerra e muitos anos depois, voltou ao povo porto-riquenho. Agora é mostrada no Museu da Universidade de Porto Rico.[6] Oitenta dos prisioneiros morreram na prisão, Bracetti, no entanto, viveu e foi liberada em 20 de janeiro de 1869, quando o novo governo republicano espanhol concedeu-lhe anistia geral.[7] Mariana Bracetti faleceu no município de Añasco, Porto Rico em 1903 e foi sepultada na Plaza de Añasco (Praça de Añasco). Há um monumento em sua homenagem no local onde ela está sepultada.

LegadoEditar

Juan de Mata Terreforte, um revolucionista que lutou ao lado de Manuel Rojas no "Grito de Lares", e que foi o vice-presidente do Comitê Revolucionário de Porto Rico, uma divisão do Partido Revolucionário Cubano, na cidade de Nova Iorque,[8] aprovou a "Bandeira de Lares", como a bandeira que representou Porto Rico. Tornou-se seu padrão até 1892, quando o projeto atual, seguindo o modelo da bandeira cubana, foi apresentado e aprovado pelo Comitê. Bracetti foi a principal tema de dois livros: El Grito de Lares, de Luis Lloréns Torres, e Brazo de Oro, de Cesáreo Rosa-Nieves.[4] Sua memória foi homenageada em Porto Rico, onde existem escolas, ruas e avenidas que levam seu nome. Em Lares, há um museu chamado Mariana Bracetti,[9] e há uma Mariana Bracetti Academy Charter School, em Filadélfia, Estados Unidos.[10] A Praça Mariana Bracetti em Nova Iorque, também foi nomeada em sua homenagem.[11]

Referências

  1. a b c d e «Mariana Bracetti». salonhogar.net. Consultado em 11 de maio de 2016 
  2. Fundación Héctor A. García; Poryecto Salón Hogar. Mariana Bracetti. Consultado em 26 de setembro de 2007.
  3. «Beauchamp family». Consultado em 11 de maio de 2016. Arquivado do original em 4 de junho de 2016 
  4. a b Mulheres porto-riquenhas/Mujeres Puertorriqueñas; por Carmen D. Votaw (autora), Michelle Sague (editora) e Pat Barton (ilustradora); ISBN 0-9650649-0-5
  5. Lares
  6. A primeira bandeira de Porto Rico
  7. «Madrinhas a todos nós: latinas notórias da história». Consultado em 11 de maio de 2016. Arquivado do original em 2 de março de 2009 
  8. «Enciclopédia de Porto Rico». Consultado em 11 de maio de 2016. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  9. Museo Mariana Bracetti
  10. Mariana Bracetti Academy Charter School.
  11. «New York City Housing Authority». Consultado em 11 de maio de 2016. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2009 

Leitura adicionalEditar

  • Mulheres porto-riquenhas/Mujeres Puertorriqueñas (Rascunho). Por Carmen D. Votaw (autora), Michelle Sague (editora) e Pat Barton (ilustradora); ISBN 0-9650649-0-5