Abrir menu principal
Francisco de Melo Franco
Nascimento 17 de setembro de 1757
Morte 22 de julho de 1822 (64 anos)
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação médico
Prêmios Comendador da Ordem de Cristo

Francisco de Melo Franco (Paracatu, 17 de setembro de 1757 – perto de Ubatuba (no mar), 22 de julho de 1823) foi um médico brasileiro, formado em Medicina pela Universidade de Coimbra, pioneiro no campo da puericultura[1] e um dos mais importantes médicos na corte portuguesa da sua época. É autor de um conjunto de influentes obras no campo da medicina e da filosofia política.[2][3]

BiografiaEditar

Nasceu em Paracatu, em Minas Gerais, filho do português João de Mello Franco, um comerciante que fez fortuna na região através da mineração e da criação de gado,[4] e de sua esposa Ana de Oliveira Caldeira. Fez parte da elite brasileira que partiu para Portugal para estudar na Universidade de Coimbra, tendo cursado Medicina.

Ainda estudante, aderiu ao ideário do liberalismo, tendo sido preso e condenado pelo Tribunal da Inquisição, acusado de herege, naturalista e dogmático em auto de fé realizado em 1781. A condenação pelo Santo Ofício resultou de ter sido denunciado como defensor de proposições heréticas e sediciosas.[5]

Terminado o curso em 1786, fixou-se em Lisboa onde ganhou reputação de clínico notável. Por alvará de 9 de Junho de 1793, da rainha D. Maria I de Portugal, foi nomeado médico honorário da Real Câmara e por alvará de 3 de Agosto de 1796 recebeu o foro de cavaleiro fidalgo. Tornou-se sócio-correspondente da Academia Real das Ciências de Lisboa, passando a colaborar regulamente com aquela instituição em matérias de medicina e ciências naturais.[6]

A pedido de uma representação do Conselho de Estado, assinou em 1792 com vários outros médicos, o atestado de incapacidade da rainha D. Maria I para expedir negócios do governo, abrindo caminho à regência do futuro D. João VI de Portugal.

Entre as suas obras mais influentes conta-se um manual de puericultura, intitulado Tratado da educação física dos meninos, para uso da nação portuguesa,[7] considerado como a primeira obra lusófona dedicada exclusivamente à puericultura, contendo noções úteis aos profissionais e para os pais. A obra teve múltiplas edições, entre as quais uma produzida por José Martinho da Rocha em 1946.[8][9]

Outra obra influente foi o livro intitulado Elementos de Higiene ou dictames theoreticos, e practicos para conservar a saude e prolongar a vida, publicado em Lisboa no ano de 1814, com pelo menos três reedições. Para além das obras científicas publicou a sátira O Reino da Estupidez (1785). É autor da polémica obra intitulada Medicina Theologica ou súplica humilde feita a todos os senhores Confessores e Directores sobre o modo de proceder com os seus penitentes na emenda dos peccados, principalmente da lascívia, cólera e bebedice (1794), obra onde o autor se apoia nas mais avançadas discussões médicas do seu tempo para demonstrar a ineficácia dos remédios morais aplicados pelos teólogos no combate aos pecados, elegendo o campo somático como a principal causa das paixões, razão pela qual a salvação da alma passaria a depender da saúde do corpo.[10]

Em 1817 mudou-se para o Brasil, tendo acompanhado a princesa-consorte Maria Leopoldina de Áustria na sua viagem para o Rio de Janeiro, tendo-se fixado naquela cidade.[1]

Morreu perto de Ubatuba, durante uma viagem marítima de Santos para o Rio de Janeiro.[1] Foi agraciado com o grau de comendador da Ordem de Cristo.

Notas

  1. a b c «Francisco de Melo Franco (1757 - 1823)». www.dec.ufcg.edu.br .
  2. «Ricardo Cabral de Freitas, "Francisco de Mello Franco (1757-1822) na Ilustração Luso-Brasileira (1790-1821): reforma cultural e medicina-filosófica» (PDF). www.snh2013.anpuh.org .
  3. «Francisco de Melo Franco (1757 - 1823) por Teófilo Braga». arlindo-correia.com .
  4. Rossana Nunes, Nas sombras da libertinagem: Francisco de Mello Franco (1757- 1822) entre luzes e censura no mundo luso-brasileiro. Dissertação de mestrado apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.
  5. Luiz Carlos Vilalta, Reformismo ilustrado, censura e práticas de leitura: usos do livro na América Portuguesa, p.343-344. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.
  6. «Breno Ferraz Leal Ferreira, Um Iluminismo libertino». www.scielo.br .
  7. Tratado da educação física dos meninos, para uso da nação portuguesa. Lisboa: Oficina da Academia Real das Ciências, 1790.
  8. Tratado de Educação Física, José Martinho da Rocha (editor). Rio de Janeiro, Livraria Agir Editora, 1946.
  9. Não confundir coma obra de igual título publicada em 1791 por Francisco José de Almeida (1756-1844), 1.º barão de Almeida, também foi publicada pela Academia Real das Ciências de Lisboa.
  10. Paulo José Carvalho da Silva. "A psicopatologia entre a alma e os nervos: a Medicina Theologica (1784) de Francisco de Melo Franco". Filosofia e História da Biologia, volume 3, pp. 335-345, 2008.