Gabriel de Baçorá

Gabriel de Baçorá (fl. 884–893) foi um bispo e jurista da Igreja do Oriente. Pouco se sabe sobre sua vida, exceto que ele foi metropolita de Baçorá em 884 e 893.[1]

Em algum momento do último quarto do século IX, ele compilou o primeiro nomocano (coleção de direito canônico) da história da Igreja do Oriente. Restam apenas fragmentos do original siríaco, mas o trabalho pode ser em grande parte reconstruído por causa de sua extensa citação e citação na coleção árabe Fiqh al-Naṣrāniyya de Ibn al-Tayyib (século XI) e a siríaca Nomokanon de 'Abdisho' bar Brikha (século XIV).[2] Hubert Kaufhold realizou o trabalho de reconstrução, publicando-o com uma tradução alemã em Die Rechtssammlung des Gabriel von Baṣra (1976).[3] O título original da obra é desconhecido.[2] Sebastian Brock chama isso de Coleção de Julgamentos.[3]

O nomocano de Gabriel é estruturado na forma de perguntas e respostas, embora este seja um dispositivo puramente formal para introduzir citações de suas fontes.[1] Somente na seção sobre liturgia as perguntas são reais e as respostas, possivelmente, a obra original de Gabriel.[2] As citações de Gabriel são freqüentemente abreviadas e nem sempre palavra por palavra. A obra como um todo está dividida em duas partes. O primeiro diz respeito ao direito matrimonial e direito hereditário, entre outros tópicos relativos aos cristãos no mundo.[1] Suas fontes foram listadas como "os padres, catholicoi, metropolitas e os imperadores gregos".[3] Das 48 questões desta parte, apenas as últimas 28 sobreviveram em sua forma original.[2] A segunda parte diz respeito à liturgia e às instituições da igreja, como mosteiros, hospitais e escolas.[1] Uma de suas questões mais interessantes diz respeito às organizações de artesãos, que inclui alguma terminologia árabe. Para esta parte, suas fontes são "os cânones sinódicos dos Padres Ocidentais e Orientais", com o que ele quer dizer os sínodos da Igreja Romana e da Igreja do Oriente.[3] Apenas fragmentos da segunda parte sobrevivem em sua forma original.[2]

Entre as fontes identificáveis ​​de Gabriel estão os 73 cânones forjados atribuídos a Marutha de Maypherqaṭ, o livro jurídico siro-romano, o Synodicon Orientale, uma carta do católico Timóteo I e uma carta de Isho bar Nun.[2] Ele também usou os escritos jurídicos de estudiosos do Siríaco Oriental como Ishoʿbokht, Shemʿon de Rev Ardashir e ʿAbdishoʿ bar Bahrīz.[1]

Referências

  1. a b c d e Kaufhold 2011.
  2. a b c d e f Kaufhold 2012, pp. 308–309.
  3. a b c d Brock 2009, p. 58.

BibliografiaEditar

  • Brock, Sebastian P. (2009). «Regulations for an Association of Artisans from the Late Sasanian or Early Arab Period». In: Philip Rousseau; Manolis Papoutsakis. Transformations of Late Antiquity: Essays for Peter Brown. [S.l.]: Ashgate. pp. 51–62 
  • Kaufhold, Hubert (2011). «Gabriel of Baṣra». In: Sebastian P. Brock; Aaron M. Butts; George A. Kiraz; Lucas Van Rompay. Gorgias Encyclopedic Dictionary of the Syriac Heritage. Gorgias Press 
  • Kaufhold, Hubert (2012). «Sources of Canon Law in the Eastern Churches». In: Wilfried Hartmann; Kenneth Pennington. The History of Byzantine and Eastern Canon Law to 1500. [S.l.]: Catholic University of America Press. pp. 215–342