GeForce

chips gráficos
(Redirecionado de GeForce 9)

GeForce é um modelo de aceleradores gráficos 3D para PCs desenvolvido pela NVIDIA. Os primeiros produtos da família GeForce eram vendidos para os consumidores de placas aceleradoras 3D de alto desempenho, mas os produtos seguintes expandiram a linha para todos os públicos de placas gráficas.

Após o projeto NV3, a NVIDIA passou a utilizar um ciclo de lançamentos de seis meses, no outono do hemisfério norte era lançado uma arquitetura inédita, e na primavera uma atualização menor, esse ciclo foi mantido até o lançamento da geração GeForce FX.

Gerações das GPUs GeForceEditar

 
GPU NV10 (Geforce 256).

GeForce 256Editar

 Ver artigo principal: GeForce 256

GeForce 256 foi o primeiro produto da família GeForce da nVidia. Lançado em 31 de agosto de 1999, a GeForce 256 ia além de sua antecessora RIVA TNT2 pelo aumento do número de pipelines, realização de cálculos de iluminação e geometria (T&L) e adição de recursos para compensação de movimento em vídeo MPEG-2. Possibilitou um salto considerável em desempenho em jogos poligonais e foi o primeiro acelerador gráfico compatível com o padrão Direct3D 7. A GeForce 256 estabeleceu definitivamente a nVidia como líder de mercado e foi um dos motivos da queda de diversos concorrentes no mercado, especialmente a 3dfx. Um ano após seu lançamento, apenas a ATI com sua família Radeon continuaria a oferecer concorrência à nVidia.

O nome GeForce 256 surgiu de um concurso organizado pela nVidia no começo de 1999. Conhecido como "Name That Chip" (algo como "nomeie aquele processador" em português), o concurso convidava o público a batizar o sucessor da linha RIVA TNT2 de processadores gráficos. Cerca de 12.000 sugestões foram recebidas e, como prêmio, sete pessoas receberam placas RIVA TNT2 Ultra.[1][2]

GeForce 2Editar

 
GeForce2 MX 400 GPU.
 Ver artigo principal: GeForce 2

Lançada em abril de 2000, a primeira GeForce 2 (versão GTS) também era um acelerador gráfico de alto desempenho. Apesar de ser tratada como uma atualização da GeForce 256, o desempenho em texturização era duas vezes maior que o de sua antecessora, a GTS estabeleceu a liderança definitiva sobre a sua tradicional concorrente, a 3dfx e sua Voodoo 5, além de se preparar para a chegada de um novo concorrente; a Radeon da ATI Technologies.

Mais tarde, a NVIDIA lançou um modelo com os mesmos recursos e menor desempenho, a GeForce 2 MX, que a tornou popular no mercado de baixo custo e os integradores. Versões mais rápidas da GeForce 2 GTS foram lançadas com os nomes de Pro, Ultra e Ti.

GeForce 3Editar

 Ver artigo principal: GeForce 3
 
nVidia GeForce3 Ti 200.

Lançada em fevereiro de 2001, a GeForce 3 (NV20) trouxe como novidades a compatibilidade com a API Direct3D 8.0, a nova especificação gráfica da Microsoft, e os pixel shaders. Apesar do bom desempenho e dos novos recursos (que, como no caso da GeForce 256, demoraram a ser aproveitados nos jogos), o chipset não chegou a se tornar popular por não ter uma versão de baixo custo e pelo desempenho não ser superior ao da GeForce 2 em alguns jogos (devido à maior frequência de processamento da GeForce 2).

Duas outras versões da GeForce 3 foram lançadas mais tarde, junto com a GeForce 2 Ti, a Ti 200 com velocidades reduzidas e a Ti 500 mais rápida que a original.

A tecnologia desenvolvida na geração GeForce 3 seria mais tarde utilizada no console de videogame Xbox da Microsoft.

GeForce 4Editar

 Ver artigo principal: GeForce 4
 
nVidia GeForce MX440SE.

Lançada em fevereiro de 2002, a versão topo de linha GeForce 4 Ti era uma atualização do projeto NV20. O modelo Ti 4200 se tornou popular na época por apresentar uma relação preço-desempenho superior ao dos modelos maiores, enquanto as versòes MX foi criticado pelas publicações especializadas por se tratar na verdade de uma atualização da geração NV15, sem os recursos introduzidos na geração NV20, mas isso não impediu que fosse um sucesso de vendas. graças ao desempenho razoável em jogos na época.

GeForce FXEditar

 Ver artigo principal: GeForce FX
 
nVidia GeForceFX 5500 SX.

Lançada em novembro de 2002, as primeiras placas GeForce FX só chegaram de fato ao mercado no começo de 2003, devido a problemas de produção e distribuição. Apresentada como uma revolução pela NVIDIA, a família FX possuia um desempenho inferior aos produtos equivalentes da família Radeon em operações de pixel shader da API Direct3D 9, em alguns casos com uma diferença de 60 a 70%. A desvantagem de desempenho seria mantida mesmo após o lançamento das revisões de ambas famílias, apesar da diferença ter reduzido e a NVIDIA ter procurado responder com cortes de preço.

Nessa geração, a NVIDIA gerou uma grande controvérsia ao lançar drivers "otimizados" para os aplicativos e jogos usados nos testes de desempenho por revistas e sites, que reduziam a qualidade de imagem para gerar pontuações maiores em programas como 3D Mark 2003, o que motivou muitos sites a removerem programas do tipo em suas avaliações.

 
GPU da nVidia GeForce 6600GT.

GeForce 6Editar

 Ver artigo principal: GeForce 6

Lançada em abril de 2004, a família GeForce 6 trouxe como novidades o suporte às extensões 3.0 para pixel e vertex shader, ao mesmo tempo corrigindo o fraco desempenho de seu predecessor em shaders, além do suporte ao barramento PCI-Express, com a opção de uso de duas placas simultaneamente em modo SLI (Scalable Link Interface). A linha de produtos era dividida em alto desempenho: 6800 Ultra, 6800 GT e mais tarde 6800 GS; desempeho intermediário: 6800, 6800GTO, 6800 XT, 6800 LE, 6600 GT e 6600; baixo custo: 6600 LE, 6500, 6200 e 6200 TC; além dos modelos integrados para placa-mãe: 6150 e 6100.

GeForce 7Editar

 Ver artigo principal: GeForce 7
 
NVIDIA GeForce 7950 GX2

A sétima geração do GeForce (G70/NV47) foi lançada em junho de 2005 e foi a última série de placas de vídeo da Nvidia que poderia suportar o barramento AGP. O design foi uma versão melhorada da GeForce 6, com as principais melhorias sendo um pipeline ampliado e um aumento na velocidade do clock.

A GeForce 7 também oferece novos modos de supersampling de transparência e transparência multisampling (TSAA e TMAA). Esses novos modos anti-aliasing foram mais tarde habilitados para a série GeForce 6 também. O GeForce 7950GT apresentou a GPU de maior desempenho com uma interface AGP na linha Nvidia. Esta era começou a transição para a interface PCI-Express.

Uma variante da 7950 GT, chamada de RSX (Reality Synthesizer), foi usada como a GPU do Sony PlayStation 3.

 
nVidia GeForce 8800 Ultra.

GeForce 8Editar

 Ver artigo principal: GeForce 8

Lançado em 8 de novembro de 2006, a GeForce de oitava geração (originalmente chamado G80) foi a primeira GPU a suportar totalmente o DirectX 10. Fabricado usando um processo de 90 nm e construído em torno da nova microarquitetura Tesla, Inicialmente apenas o modelo 8800GTX foi lançado, enquanto a variante GTS foi lançada meses na vida da linha de produtos, e levou quase seis meses para que as placas médias e OEM/mainstream fossem integradas à série 8.

GeForce 8 apresenta barramentos de memória inéditos como 320 e 384 bits, além de Shader Model 4.0 e processamento unificado de shaders (unified shaders) que podem ser utilizados para processamento geral (general purpose graphics processor unit).

GeForce 9Editar

 Ver artigo principal: GeForce 9
 
NVIDIA GeForce 9800 GX2

O primeiro produto da série 9 foi lançado em 21 de fevereiro de 2008. Todos os designs da série 9 são simplesmente revisões para produtos de 8 séries existentes. A 9800GX2 usa duas GPUs G92, como usado em placas posteriores de 8800, em uma configuração de PCB duplo, enquanto ainda requer apenas um único slot PCI-Express 16x. A 9800GX2 utiliza dois barramentos de memória separados de 256 bits, um para cada GPU e seus respectivos 512 MB de memória, o que equivale a um total de 1 GB de memória na placa (embora a configuração SLI dos chips exija espelhar o buffer de quadro entre os dois chips, efetivamente reduzindo pela metade o desempenho da memória de uma configuração de 256 bits/512MB). A 9800GTX posterior possui uma única GPU G92, barra de dados de 256 bits e 512 MB de memória GDDR3.

GeForce 100Editar

 Ver artigo principal: GeForce 100

A GeForce 100 é uma família de unidades de processamento gráfico desenvolvido pela NVIDIA e foi lançada em janeiro de 2009. Antes do lançamento, não se sabia nenhuma informação concreta, exceto que os funcionários alegavam que os produtos da próxima geração tinham quase 1 poder de processamento TFLOPS com os núcleos de GPU ainda sendo fabricados no processo de 65 nm, e relatos sobre a Nvidia minimizando a importância do Direct3D 10.1. março de 2009, várias fontes relataram que a Nvidia havia lançado silenciosamente uma nova série de produtos GeForce, ou seja, a Série GeForce 100, que consiste em peças da série 9 "rebatizados". produtos da série GeForce 100 não estavam disponíveis para compra individual.[3][4]

GeForce 200Editar

 Ver artigo principal: GeForce 200
 
NVIDIA GeForce GTX 280.

A família GeForce GTX 200, conhecida como GT200, foi lançada em 17 de junho de 2008 com o lançamento da GeForce GTX 280. A GeForce GTX 260 foi lançado em 26 de junho de 2008. As placas medem 10,5 polegadas (27 cm) de comprimento. Ambas as placas têm dois conectores DVI dual-link e um conector HDTV / S-Video. A GTX 280 requer ambos conectores de 8 pinos e 6 pinos, ao passo que a GTX 260 requer dois conectores de 6 pinos. Com base no processador gráfico GT200 composto por 1,4 bilhão de transistores, codinome Tesla A série GeForce 200 leva o esquema de nomeação de cartões em uma nova direção, substituindo o número da série (como 8800 para placas de 8 séries) pelo sufixo GTX ou GTS (que costumava ir no final dos nomes de placas, denotando sua 'classificação' entre outros modelos semelhantes), e depois adicionando números de modelos como 260 e 280 depois disso os primeiros produtos foram o GeForce GTX 260 e o GeForce GTX 280.

GeForce 300Editar

 Ver artigo principal: GeForce 300

A GeForce 300 é uma família de unidades de processamento gráfico desenvolvida pela NVIDIA. A primeira placa de vídeo da série foi lançada em Novembro de 2009. Semelhante à GeForce 100, a GeForce 300 consiste em placas de vídeo re-branded da geração anterior disponível apenas para OEMs. Com exceção da GeForce 330 GT[5], todas as GPUs da série tem suporte Direct3D 10.1.

GeForce 400Editar

 Ver artigo principal: GeForce 400

A Nvidia anunciou que a GeForce GTX 470 e GTX 480 seriam as primeiras placas de vídeo baseadas na arquitetura Fermi novo codinome GF100. Estas placas seriam as primeiras a utilizar 1GB ou mais de memória, e funcionar com a tecnologia GDDR5. Eles foram lançados em 7 de Abril, 2010 e incluíram os recursos de DirectX 11 (Windows Vista, 7, 8 e 10) e posteriormente, por meio de atualizações de drivers, compatibilizadas com DirectX 12 (somente Windows 10). Somente o modelo GT405 que n Mais tarde naquele ano, a Nvidia apresentou a GeForce GTX 465 como uma dissecação, versão mais barata do chip GF100 para direcionar os usuários em geral. A GTX 465 foi rapidamente substituída pela GTX 460, com base na arquitetura GF104, que apresentou menor consumo de energia e melhor desempenho. Logo depois, a Nvidia lançou as versões tradicionais da arquitetura Fermi, também conhecido como GF106 e GF108, para os consumidores, bem como OEMs.

GeForce 500Editar

 Ver artigo principal: GeForce 500

NVIDIA também lançou uma GPU de ponta baseada em uma arquitetura GF100 revista (GF110), chamado a GTX 580, que apresentou um melhor desempenho / eficiência energética do que a GTX 480. Porém, a temperatura máxima que a GPU suporta é de 97°C, contra os 105°C da GTX 480.[6] Nesta edição, já lançada com os recursos de DirectX 11 (Windows Vista, 7, 8 e 10) e posteriormente, por meio de atualizações de drivers, compatibilizadas com DirectX 12 (somente Windows 10)

GeForce 600Editar

 Ver artigo principal: GeForce 600

A série GeForce 600 foi disponibilizada em 22 de março de 2012, com o lançamento das placas GTX 680 para desktops e as GT 640M, GT 650M e GTX 660M para notebooks/laptops. Atualmente, conta com 28 modelos de processadores gráficos. Nesta edição, já lançada com os recursos de DirectX 11 (Windows Vista, 7, 8 e 10) e posteriormente, por meio de atualizações de drivers, compatibilizadas com DirectX 12 (somente Windows 10)

GeForce 700Editar

No final de maio de 2013, a Nvidia anunciou a série 700, que ainda era baseada na arquitetura Kepler, no entanto, apresentava uma placa baseada em GK110 no topo da linha. A GTX 780 foi uma TITAN ligeiramente reduzido que alcançou quase o mesmo desempenho para dois terços do preço. Ele apresentava o mesmo design avançado de refrigerador de referência, mas não tinha os núcleos desbloqueados de dupla precisão e estava equipado com 3 GB de memória.

Ao mesmo tempo, a Nvidia anunciou o ShadowPlay, uma solução de captura de tela que usava um codificador H.264 integrado incorporado na arquitetura Kepler que a Nvidia não havia revelado anteriormente. Ele poderia ser usado para gravar a jogabilidade sem uma placa de captura, e com uma queda de desempenho insignificante em comparação com as soluções de gravação de software, e estava disponível mesmo nas placas da geração anterior GeForce 600. O software beta para ShadowPlay, no entanto, sofreu vários atrasos e só seria lançado no final de outubro de 2013. Uma semana após o lançamento da GTX 780, a Nvidia anunciou que a GTX 770 seria uma remarcação da GTX 680. Foi seguido pela GTX 760 pouco depois, que também foi baseada no núcleo GK104 e semelhante à GTX 660 Ti. Não foram lançadas mais 700 placas da série em 2013, embora a Nvidia tenha anunciado o G-Sync, outra característica da arquitetura Kepler que a Nvidia havia deixado sem ser mencionada, o que permitiu que a GPU controlava dinamicamente a taxa de atualização dos monitores compatíveis com G-Sync, que seria lançado em 2014, para combater o tearing e o judder. No entanto, em outubro, a AMD lançou o R9 290X, que chegou a US$ 100 a menos que a GTX 780. Em resposta, a Nvidia reduziu o preço da GTX 780 em US$ 150 e lançou a GTX 780 Ti, que apresentava um núcleo GK110 de 2880 núcleos completo ainda mais potente que o GTX TITAN, juntamente com melhorias no sistema de entrega de energia que melhorou o overclocking, e conseguiu puxar à frente da nova versão da AMD.


Versões para notebookEditar

Desde a GeForce 2, a NVIDIA produziu uma série de chipsets gráficos voltados para notebooks como a série GeForce Go, para competir com os modelos Mobility Radeon da ATI, ambos apresentam recursos para economia de energia, além de capacidade e desempenho semelhantes ao das versões desktop.

Ver tambémEditar

Referências

  1. NVIDIA "Name That Chip" contest results, "nvidia.com" pelo Wayback Machine.
  2. Taken, Femme. (17 de abril de 1999) nVidia "Name that chip" contest, "tweakers.net" (em neerlandês) - acessado em 2007-12-24.
  3. Hardwidge, Ben (23 de março de 2009). «Nvidia quietly launches GeForce 100-series GPUs». bit-tech. Consultado em 09 de novembro de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. Lima, Cássio (10 de março de 2009). «NVIDIA Launches GeForce 100 Series Cards». Hardware Secrets. Consultado em 09 de novembro de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. NVIDIA GeForce Family
  6. Tabela comparativa dos Chips da NVIDIA

Ligações externasEditar