Gil Eanes

Gil Eanes, conhecido originalmente como Gil Eannes, foi um navegador português do século XV, que ficou conhecido por ter dobrado o Cabo Bojador, um importante marco dos Descobrimentos Portugueses.[1][2]

Gil Eanes
Gil Eannes
Gravura de Gil Eanes
Conhecido(a) por Ultrapassar o Cabo Bojador
Nascimento Século XV
Lagos, Portugal
Nacionalidade portuguesa
Ocupação Navegador e explorador
Serviço militar
Patente Cavaleiro, escudeiro
Estátua de Gil Eanes na sua cidade natal, Lagos.

BiografiaEditar

Nasceu em Lagos,[3] sendo parte de uma família nobre daquele concelho.[4] Foi escudeiro de D. Henrique,[4] tendo sido navegador da casa do Infante.[2] Em 1433 D. Henrique ofereceu-lhe a capitania de uma barca, de forma a dobrar o Cabo Bojador, que era o ponto mais a Sul que os portugueses conheciam da costa ocidental africana, devido às dificuldades em ultrapassá-lo.[2] Com efeito, a navegação na zona do Cabo Bojador era perigosa e difícil, uma vez que estava rodeado de recifes, além de ter uma grande tendência para a formação de nevoeiro.[2] O cronista Gomes Eanes de Azurara descreveu o cabo na sua obra Crónica dos Feitos da Guiné: «o mar é tão baixo que a uma légua de terra não há de fundo mais do que uma braça. As correntes são tamanhas que navio que lá passe jamais poderá tornar.».[3]Por este motivo, ganhou uma reputação lendária entre os navegantes, tanto cristãos como islâmicos, que acreditavam que seria habitado por monstros marinhos.[2] Segundo o historiador Damião Peres, baseado numa carta régia do Século XV, foram feitas quinze tentativas para dobrar o Cabo Bojador, todas sem sucesso.[2] Na sua primeira viagem, Gil Eannes falhou passou pelo Arquipélago das Canárias, onde fez alguns prisioneiros, tendo depois rumado para o cabo, que falhou em ultrapassar, regressando depois a Portugal.[2] Também em 1433, Gil Eanes recebeu uma carta de mercê para o ofício de escrivão dos navios que utilizassem o Porto de Lisboa.[3]

Por exortação do Infante, fez uma nova viagem até ao Cabo Bojador em 1434, tendo desta vez sido bem sucedido, como relatou o cronista Gomes Eanes de Zurara: «Daquela viagem, menosprezando todo o perigo, dobrou o cabo a além, onde achou as cousas muito pelo contrário do que ele e os outros até ali presumiam».[2] Conseguiu navegar durante algumas milhas até a Sul do cabo, onde colheu algumas flores silvestres, conhecidas como Rosas de Santa Maria para provar que tinha chegado até ali.[2] Este feito foi considerado um dos mais importantes marcos dos Descobrimentos Portugueses, uma vez que permitiu a continuação da exploração da costa africana.[5]

Em 1435 fez uma nova viagem para Sul, em conjunto com Afonso Gonçalves Baldaia, tendo atingido uma área conhecida como Angra dos Ruivos ou dos Cavalos, que ficava a cerca de 50 léguas a Sul do Cabo Bojador.[3] Em 1444 acompanhou Lançarote de Lagos na expedição às ilhas de Tíder e Naar, e em 1445 esteve no Arquipélago das Canárias e chegou ao Cabo Verde, na costa africana.[1]

HomenagemEditar

Em 1994, um aluno de dez anos da Escola de Barrancos, José Luís Coelho, inspirou-se no navegador para dar o nome de Gil à mascote oficial da Exposição Mundial de 1998, que foi organizada em Lisboa.[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Dicionário Enciclopédico Koogan Larousse Selecções. Volume 2 de 3 5.ª ed. Paris, Rio de Janeiro e Lisboa: Editora Larousse do Brasil e Selecções do Reader's Digest. 1981. p. 1176 
  2. a b c d e f g h i «Gil Eanes dobra o cabo Bojador». RTP Ensina. Rádio Televisão Portuguesa. Consultado em 3 de Maio de 2020 
  3. a b c d CAPELO et al, 1994:62
  4. a b MARTINS, 2001:58-59
  5. «Descobrimentos portugueses: comunicação europeia, presença portuguesa». História Universal. Volume II de 2. Selecções do Reader's Digest. p. 64. 629 páginas. ISBN 972-609-107-1 
  6. CATULO, Kátia (18 de Maio de 2008). «Helicóptero pousou em Barrancos por causa do rapaz que baptizou Gil». Diário de Notícias 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Gil Eanes

BibliografiaEditar

  • CAPELO, Rui Grilo; RODRIGUES, António Simões; et al. (1994). História de Portugal em Datas. Lisboa: Círculo de Leitores, Lda. 480 páginas. ISBN 972-42-1004-9 
  • MARTINS, José António de Jesus (2001). Lagos Medieval. Lagos: Câmara Municipal de Lagos. 189 páginas. ISBN 9729711038 

Leitura recomendadaEditar

  • BUENO, Eduardo (1998). A viagem do Descobrimento: a verdadeira história da expedição de Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva. 140 páginas. ISBN 85-7302-202-7 

Ligações externasEditar