Giovanni Battista Cairati

Giovanni Battista Cairati
Nascimento Século XVI
Milão
Morte 1596
Goa
Cidadania Lombardia
Ocupação arquiteto, engenheiro militar
Obras destacadas Forte Jesus

Giovanni Battista Cairati, também conhecido pelo nome aportuguesado de João Baptista Cairato ou Carrato (Cairate, 15?? - Goa, 1596) foi um arquiteto militar milanês. Exerceu o cargo de Engenheiro-mor no Estado Português da Índia.

BiografiaEditar

Oriundo da pequena vila de Cairate, na Lombardia, trabalhou cerca de 1560 a serviço da Ordem de São João de Jerusalém nas fortificações de Malta e Sardenha. De volta a Milão, foi nomeado engenheiro da cidade, realizando e fiscalizando obras de fortificação na região nas décadas de 1560 e 1570.[1]

Em 1577, no contexto da Dinastia Filipina, entrou ao serviço de Filipe II de Espanha (Filipe I de Portugal). Após alguns trabalhos em Tânger, Portugal e Açores, em 1583 foi nomeado Engenheiro-mor da Índia. Nesta qualidade, trabalhou nas fortificações de lugares tão distintos na África Oriental e Índia como Malaca, Manar, Ormuz, Mascate, Damão, Baçaim e Mombaça.[1]

Faleceu em 1596, em Goa, enquanto esperava a chegada de seu sucessor no cargo de engenheiro mor da Índia, Júlio Simão.[1][2]

ObraEditar

 
Plano de Mombaça ("Livro das Plantas de Todas as Fortalezas", 1635).

Nas praças do oceano Índico, foi o responsável pela introdução dos tratados renascentistas então em voga na Europa, levando a que, em cerca de meio século, todas essas fortificações fossem remodeladas. Praças-fortes como as de Damão e Baçaim a partir de 1589 passam a apresentar uma fortificação regular com baluartes, com uma malha urbana ortogonal definida por uma praça central. A sua ação estendeu-se ainda a praças como a Fortaleza de Malaca (1590), de elevada importância estratégica como porto de ligação com o Extremo Oriente. As melhorias projetadas para Malaca não chegaram a ser realizadas integralmente, mas estão preservadas num desenho de Manuel Godinho de Erédia datado de 1604.[1]

Cairato trabalhou também em projetos de arquitectura civil e religiosa. Numa carta datada de 1586, o jesuíta Alexandre Valignano informa que desenhou a Casa Professa, residência da Companhia de Jesus em Goa, com a assistência do engenheiro mor, numa clara referência a Cairato.[2]

Cerca de 1593, desenhou o Forte Jesus de Mombaça na África Oriental (atual Quénia), com a forma de um polígono quadrangular regular com baluartes. A planta do forte, construído entre 1593 e 1596, assemelha-se a um corpo humano, inspirando-se em projetos arquitectónicos renascentistas italianos[3] Cairato aparentemente não esteve em Mombaça, mas enviou o projeto para o mestre de obras local, Gaspar Rodrigues.[3][1] O Forte de Mombaça é a última obra conhecida de Cairato.

ProjetosEditar

Referências

  1. a b c d e "CARRATO, João Baptista". Dicionário dos Italianos estantes em Portugal. Cátedra de Estudos Sefarditas "Alberto Benveniste". Universidade de Lisboa [1]
  2. a b DIAS, Pedro. A construção da casa professa da Companhia de Jesus em Goa. in Carlos Alberto Ferreira de Almeida: in memoriam. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. [2]
  3. a b Fort Jesus, Mombasa; relatório da UNESCO [3]

Ligações externasEditar