Gustáv Husák

Gustáv Husák (Dúbravka, 10 de Janeiro de 1913Bratislava, 18 de Novembro de 1991) foi um político da Eslováquia e Presidente da Tchecoslováquia,[1][2] sendo por longa data Secretário Geral do Partido Comunista da Tchecoslováquia (1969-1987). Entre 1954 e 1960, ele passou mais de seis anos na prisão, vítima dum expurgo stalinista e um julgamento e processo-show em 1950. Ele governou no período conhecido por normalização, após a Primavera de Praga, e recebeu apoio externo de Erich Honecker, da República Democrática Alemã, e Leonid Brejnev, da União Soviética. No outono de 1987, perdeu apoio do Politburo tchecoslovaco e foi forçado a renunciar pela liderança do partido, sucedido por Miloš Jakeš.

Gustáv Husák
Nascimento Augustín Husák
10 de janeiro de 1913
Dúbravka (Bratislava) (Áustria-Hungria)
Morte 18 de novembro de 1991 (78 anos)
Bratislava
Sepultamento Dúbravka (Bratislava)
Cidadania Checoslováquia, República Eslovaca
Etnia eslovacos
Cônjuge Magda Lokvencová, Viera Husáková
Filho(s) Vladimír Husák, Ján Husák
Alma mater
  • Faculdade de Direito da Universidade Comenius em Bratislava
  • Gymnasium Grösslingová
Ocupação político, advogado, jurista
Prêmios
Religião ateísmo
Assinatura
Gustav Husak signature.svg

Referências

  1. Mastny, Vojtech; Byrne, Malcolm (2005). A Cardboard Castle?: An Inside History of the Warsaw Pact, 1955-1991 (em inglês). Budapeste: Central European University Press. p. 687. ISBN 9786155053696 
  2. Humphreys, Rob (2002). The Rough Guide to Prague (em inglês). Londres: Rough Guides. p. 239. ISBN 9781858289007 

Precedido por
Alexander Dubček
Primeiro Secretário do Partido Comunista da Checoslováquia
1969 - 1987
Sucedido por
Miloš Jakeš
Precedido por
Ludvík Svoboda
Presidente da Checoslováquia
1975 - 1989
Sucedido por
Václav Havel