Gustav Jäger

Gustav Jäger (Bürg (Neuenstadt am Kocher), 23 de junho de 1832Stuttgart, 13 de maio de 1917) foi um naturalista e higienista alemão.

Gustav Jäger
Nascimento 23 de junho de 1832
Bürg
Morte 13 de maio de 1917 (84 anos)
Stuttgart
Cidadania Reino de Württemberg
Progenitores
  • Karl Friedrich Jaeger
  • Wilhelmine Ulrike Jäger
Cônjuge Helene Müller, Selma Johanna Jäger
Filho(s) Julie JAEGER, Carl Friederich JAEGER, Max Julius Jäger, Gustav Jäger, Franz Jaeger, Sophie Elisabeth Jäger, Theodora Johanna SEUFFER, Emma Gisela Jäger
Irmão(s) Emma Karoline Hauff, Karl Friederich JAEGER Jr., Sophie Ulrike JAEGER, Wilhelm Friederich JAEGER, Otto Heinrich Jaeger
Alma mater
Ocupação biólogo, zoólogo, médico, antropólogo, entomologista, cientista, Privatdozent, homeopata, naturalista, higienista, fisiólogo
Religião Protestantismo

BiografiaEditar

Ele nasceu na histórica Pfarrhaus na vila de Bürg, Neuenstadt am Kocher em Württemberg. Depois de estudar medicina em Tübingen, tornou-se professor de zoologia em Viena. Em 1868, foi nomeado professor de zoologia na academia de Hohenheim e, posteriormente, tornou-se professor de zoologia e antropologia na Politécnica de Stuttgart e professor de fisiologia na Escola de Veterinária. Em 1884, ele abandonou o ensino e começou a exercer a profissão de médico em Stuttgart. Ele escreveu vários trabalhos sobre assuntos biológicos, incluindo Die Darwinsche Theorie und ihre Stellung zu Moral und Religion (1869) e Lehrbuch der allgemeinen Zoologie (1871-1878). Jäger foi um dos primeiros a apoiar o darwinismo.[1]

Em 1876, ele sugeriu uma hipótese de explicação da hereditariedade, semelhante à teoria do germoplasma elaborada posteriormente por August Weismann, no sentido de que o protoplasma germinativo retém suas propriedades específicas de geração em geração, dividindo-se em cada reprodução em uma porção ontogenética, a partir de que o indivíduo é constituído, e uma porção filogenética, que é reservada para formar o material reprodutivo da prole madura.

Em Die Entdeckung der Seele[2] ("The Discovery of The Soul", 1878), Jäger apresentou a primeira versão crua do conceito de feromônio. Sua pele postulada, "antropinos", popularmente apelidada de "compostos de luxúria", chegou surpreendentemente perto da realidade, mas a ideia estava muito à frente das possibilidades da química e das ciências da vida naquela época para ser corroborada por experimentos.

O sistema de roupas associado ao seu nome se origina de Die Normalkleidung als Gesundheitsschutz ("Vestuário padronizado para proteção da saúde" (1880)), em que ele defendia o uso de tecidos ásperos, como lã, "perto da pele", objetando especialmente a o uso de qualquer tipo de fibra vegetal. Os ensinamentos de Jäger inspiraram a criação da marca de roupas Jaeger .

A partir da década de 1860, Jäger mergulhou na popularização da ciência por meio da mídia impressa, de associações e da fundação de um aquário público e um pequeno zoológico em Viena. Em 1881, ele fundou sua própria revista dedicada a divulgar sua ideia sobre a reforma da saúde ( Prof. Dr. G. Jägers Monatsblatt ).[3]

 
Detalhe de um cobertor de lã áspera por volta de 1890

Ele também era um entomologista muito ativo, especializado em besouros, particularmente Buprestidae e Scarabaeidae. Ele escreveu com Carl Gustav Calwer Käferbuch-Naturgeschichte der Käfer Europas (Livro do besouro: História natural dos besouros da Europa). Este trabalho muito popular foi reimpresso sucessivamente até 1916. Sua coleção de besouros está no Museu de História Natural de Stuttgart.[4]

Referências

  1. A Calendar of the Correspondence of Charles Darwin, 1821-1882, Volume 1. American Council of Learned Societies. Cambridge University Press. 1994, p. 184.
  2. Jäger, Gustav. Die Entdeckung der Seele. Republished as CD-ROM by Grönbeck Verlag, 2007. ISBN 3-9808420-2-9
  3. Daum. Wissenschaftspopularisierung. [S.l.: s.n.] pp. 391–93, 405, 410 457, 463, 494–95. 
  4. Staatliche Museen für Naturkunde Baden-Württemberg at www.naturkundemuseum-bw.de

Ligações externasEditar