Abrir menu principal
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Henri Berthelot
O general em foto de 1919.
Nome de nascimento Henri Mathias Berthelot
Dados pessoais
Nascimento 7 de dezembro de 1861 Feurs, França
Morte 29 de janeiro de 1931 (69 anos) Paris, França
Vida militar
Força Exército
Anos de serviço 1883-1926
Hierarquia General
Comandos -Missão Militar Francesa na Romênia
-V Exército
Batalhas -Primeira Guerra Mundial
-Guerra Húngaro-Romena
Honrarias -Grã-Cruz da Legião de Honra
-Cruz de Guerra (1914-1918)
-Cidadão Honorário da Romênia

Henri Mathias Berthelot (Feurs, 7 de dezembro de 1861Paris, 29 de janeiro de 1931) foi um general francês durante a Primeira Guerra Mundial, servindo como chefe do estado-maior do comandante em chefe das tropas francesas na frente ocidental, Joseph Joffre.[1]

Carreira militarEditar

Em 1883, após graduar-se na Academia Militar de Saint-Cyr, Berthelot designado para a Argélia e Indochina. Em 1907, destacado para o estado-maior francês, ele trabalhou com o general Joseph Joffre na elaboração do chamado Plano XVII.[2]

Em 1914, Berthelot foi nomeado chefe-do-estado-maior de Joffre durante a Primeira Batalha do Marne. Em novembro desse mesmo ano, assumiu o comando das forças reservistas em Soissons e, mais tarde, o comando da 53ª Divisão e do XXXII Corpo.

Em 16 de outubro de 1916 Berthelot foi nomeado chefe da missão militar francesa na Romênia, supervisionando, entre janeiro e junho de 1917, a reorganização e a reciclagem do exército romeno, que havia sido derrotado no ano anterior pelas forças das Potências Centrais na Valáquia e na Dobruja. Os resultados dessa reestruturação foram vistos no verão de 1917, quando o exército do Alexandru Averescu rompeu a frente em Mărăști e lançou uma contra-ofensiva com objetivo de recuperar o máximo possível de território romeno. Esta campanha frustrou os planos alemães de ocupação da Moldávia e da conquista porto de Odessa,[3] mas foi interrompida pelas pesadas perdas nas batalhas de Mărăşeşti e Oituz. Quando os bolcheviques retiraram a Rússia da guerra, a Romênia, cercada pelas Potências Centrais, não teve outra escolha senão assinar um armistício em dezembro de 1917, seguido de um tratado de paz, em maio de 1918. Nestas circunstâncias, a missão militar francesa teve que deixar o país.

Em julho de 1918, após seu regresso à França, o general Ferdinand Foch nomeou-o comandante do 5º Exército.

Referências

  1. Torrey, Glenn E. (2001). Henri Mathias Berthelot: Soldier of France, Defender of Romania (em inglês). [S.l.]: Center for Romanian Studies. p. 7. 399 páginas. Consultado em 20 de Julho de 2015 
  2. «Henri Berthelot». firstworldwar.com (em inglês). Consultado em 21 de Julho de 2015 
  3. «România în Primul Război Mondial - Cronologia Evenimentelor 1914-1918». România înainte şi după 1918 (em romeno). Consultado em 21 de Julho de 2015