Hipódromo da Gávea

Hipódromo da Gávea é a atual praça de corridas do Jockey Club Brasileiro, coloquialmente chamado Jockey Club ou Jockey. Está situado no bairro da Lagoa, ao lado da lagoa Rodrigo de Freitas, somando-se aos cartões-postais da cidade do Rio de Janeiro.

Horse Race Track
Hipódromo da Gávea
Localização Praça Santos Dumont 31, Rio de Janeiro, Brasil
Desde 11 de julho de 1926
Tipo de corrida Thoroughbred, Galope plano
Principal Corrida
Grande Prêmio Brasil (Brz-G1)

HistóriaEditar

Sua pedra fundamental foi lançada pelo presidente Epitácio Pessoa em 12 de novembro de 1922. Construído ao estilo Luis XV, projetado pelos arquitetos Archimedes Memoria[1] e Francisque Cuchet, foi inaugurado no dia 11 de julho de 1926, com o nome de Hipódromo Brasileiro[2]. Era de propriedade da instituição chamada Jockey Club (que operava antes o Prado Fluminense no bairro São Francisco Xavier, cuja ultima corrida se deu em 13 de junho de 1926)[2].

O Jockey Club concorria com a outra entidade existente à época, chamada Derby Club . Os dois clubes de turfe da cidade conviveram pacificamente durante alguns anos, mas o sucesso das corridas no recém inaugurado Hipódromo da Gávea acabou com o interesse pelo Derby Club - que funcionava no Prado Itamaraty onde hoje está instalado o estádio Mário Filho (Maracanã). O Derby Club e o Jockey Club fundiram-se em 1932 no Jockey Club Brasileiro[2] que manteve corridas apenas no Hipódromo da Gávea.

A ConstruçãoEditar

A área total do Jockey Club é de 640.000 m².

A construção principal é formada por uma entrada monumental e cinco tribunas, que foram criadas, na época de sua construção, para atender diferentes classes sociais, com capacidade total de 70 mil pessoas: Tribuna dos Profissionais, Tribuna Social, Tribuna Especial, Tribuna B e Tribuna C.

Segundo o Jockey Club Brasileiro, na área do Hipódromo da Gávea ainda: estão localizados o Hospital Veterinário Octavio Dupont, a Escola de Profissionais do Turfe, a Escola Jockey Club Brasileiro, o Vetcorr, o Teatro do Jockey. As três vilas hípicas – Lagoa, Tattersall e Hípica também fazem parte do Hipódromo.[2] As áreas reservadas para os sócios possuem instalações típicas de clubes sociais: salões de festa, piscinas, quadras poliesportivas, cinema, etc. Conta também com 8 restaurantes abertos ao público em geral[3].

A arquitetura é eclética, trazendo estilos da transição entre os séculos XIX e XX. com colunas jônicas, abóbodas de vidro típicas da arquitetura de Paris. A marquise da arquibancada foi um marco na época[4].

Sua parte principal, entrada monumental e tribunas, foi tombada em 1996 pela prefeitura da cidade do Rio de Janeiro[5], sendo que outras partes foram tombadas nos anos que se seguiram, e também é um Área de Proteção do Ambiente Cultural (APAC)[6][7][8].

 
Hipódromo da Gávea na paisagem do Rio de Janeiro

Corridas CélebresEditar

Neste local, em 1933, foi disputado o primeiro Grande Prêmio Brasil, sendo vencido pelo brasileiro Mossoró[9].

Em 2019 o 87º GP Brasil propriamente dito teve seu record de aposta, ultrapassando R$ 6,1 milhões, e de público em 35 anos, com 28 mil pessoas[10]. O evento completo, porém, tem 5 dias, e atingiu 40 mil pessoas[10].

EventosEditar

Além das corridas, o Hipódromo da Gávea também abriga um misto de esporte e eventos, lazer, moda, gastronomia, recepções, shows.

Foi palco de grandes shows, como o da Legião Urbana, em 7 de julho de 1990[11].

Detalhes da PistaEditar

A pista de grama, a pista principal, mede 2200m (dois mil e duzentos metros). A pista de areia mede 2040m (dois mil e quarenta metros), a 1,50 m de cerca interna. Possui uma grande reta de 600m.

Dias de corridaEditar

Sábados, domingos, segundas e terça-feiras, em média tem 10 páreos a cada dia. Atualmente, sábado e domingo começam a partir das 14h, segunda e terça-feira: 18h.

Em datas especiais como feriados, os horários e dias estão sujeito a modificações. Para mais informações consulte a agenda da semana.

Grande Prêmio BrasilEditar

 Ver artigo principal: Grande Prêmio Brasil

O Grande Prêmio Brasil é a mais tradicional prova do turfe brasileiro, e é ali disputado no segundo domingo de Junho.

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. Cultural, Instituto Itaú. «Arquimedes Memória». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 2 de maio de 2022 
  2. a b c d Jockey Club Brasileiro (2021). «Hipódromo da Gávea». Jockey Club Brasileiro. Consultado em 1 de maio de 2022 
  3. «Opção de restaurante? Aqui no Jockey tem 8!» 
  4. «Arquitetos falam sobre a arquitetura marcante do Jockey Club». O Globo. 27 de julho de 2009. Consultado em 2 de maio de 2022 
  5. DECRETO N° 14.898 de 20 de junho de 1996 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Determina o tombamento definitivo dos bens culturais que menciona, cria sua área de entorno e estabelece critérios para sua proteção. [1]
  6. «Jockey Club | ArqGuia». arqguia.com. Consultado em 2 de maio de 2022 
  7. «Rio de Janeiro – Hipódromo da Gávea e Jockey Club Brasileiro | ipatrimônio». Consultado em 2 de maio de 2022 
  8. DECRETO Nº 34877 de 8 de dezembro de 2011, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Tomba o conjunto de imóveis conhecido como “Vila Hípica”, no Jockey Club Brasileiro, e institui a Área de Proteção do Ambiente Cultural do Hipódromo da Gávea e dá outras providências.[2]
  9. Jockey Club Brasileiro. «De Mossoró a Pimper's Paradise, o Grande Prêmio Brasil e sua história…». Consultado em 1 de maio de 2022 
  10. a b Figueiredo, Flávio (18 de junho de 2019). «Com o Maior Público dos Últimos 25 anos, 87ª Edição do GP Brasil de Turfe Bate Recorde de Apostas». iGaming Brazil. Consultado em 2 de maio de 2022 
  11. «Jockey Club - Legião Urbana»