Ian Donald

Ian Donald
Nascimento 27 de dezembro de 1910
Cornualha
Morte 19 de junho de 1987 (76 anos)
Cidadania Reino Unido, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Alma mater Fettes College
Ocupação engenheiro, médico, ginecologista, obstetra
Empregador Universidade de Glasgow

Ian Donald (Cornualha, 27 de dezembro de 1910Essex, 19 de julho de 1987) foi um médico inglês reconhecido pelo seu trabalho como obstetra e ginecologista e sobretudo por ter sido pioneiro no uso do ultrassom para diagnóstico na área obstetrícia. Sua descoberta foi fundamental para o tratamento de anomalias durante a gravidez.[1][2]

BibliografiaEditar

Filho da pianista Helen Wilson e do médico John Donald, Ian Donald nasceu em Cornwall, Inglaterra. Motivado pelo pai, realizou seus primeiros estudos em Scotland e no Sul da África. Mais tarde cursou Medicina em St. Thomas’s Hospital Medical School em Londres onde em 1937 conseguiu seu diploma e se tornou professor.[2]

Em maio de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, Ian Donald foi convocado para atuar como médico na Royal Air Force (Força Aérea Real). Durante esse período, desenvolveu grande interesse pelo uso de sonares (instrumentos que usam de ondas sonoras para navegação, comunicação e localização de objetos submersos). Em 1946, ganhou o título de Member of the Order of the British Empire (MBE) em reconhecimento por sua coragem durante seu tempo de serviço nas forças armadas. [3]

Após ser dispensado de seus serviços na Royal Air Force, Ian continuou como professor em St. Thomas's. Nesse período, conheceu Maureen Young, professora e especialista na fisiologia fetal e neonatal, juntos eles aprimoram os respiradores de pressão negativa para bebês neonatos.

Em 1952, Ian assumiu papel de liderança no Institute of Obstetrics and Gynecology na Royal Postgraduate Medical School, onde continuou seu trabalho para aprimorar as condições respiratórias de neonatos que teve como resultado a criação dos respiradores de pressão positiva (que diferente dos de pressão negativa podem ser aplicados rapidamente e por isso são ideais para crises respiratórias). [4]

Em 1954, deixou Royal Postgraduate Medical School para ocupar a Regius Chair of Midwifery at the Glasgow Maternity Hospital em Glasgow, Scotland. Nesse período, Ian começou sua pesquisa sobre o ultrassom e as possíveis aplicações deste na medicina. Em 1957, criou junto à Thomas Brown e John MacVicar o primeiro aparelho ultrassom para diagnóstico. E em 1958, publicou na revista The Lancet as primeiras imagens feitas por ultrassom de um feto. [5][6]

MorteEditar

Ian Donald morreu de complicações cardíacas em 1987 em Essex, Inglaterra.[7]

Referências

  1. «Ian Donald (1910-87)» (em inglês). Brought to Life. Consultado em 10 de agosto de 2019 
  2. a b «Ian Donald» (em inglês). University of Glasgow. Consultado em 10 de agosto de 2019 
  3. J Willocks, ‘Ian Donald and the birth of obstetric ultrasound’, Obstetric ultrasound, 1 (1993), pp 1-18.
  4. J Willocks, ‘Medical ultrasound: a Glasgow development which swept the world’, Avenue, 19 (1996), pp 5-7
  5. Nicolson, Malcolm, and John E. E. Fleming. Imaging and imagining the fetus: the development of obstetric ultrasound. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2013.
  6. Donald, Ian, John Macvicar, and T.G. Brown. “Investigations of Abdominal Masses by Pulsed Ultrasound.” The Lancet 271 (1958): 1188–1195
  7. «Ian Donald» (em inglês). Science On Streets. Consultado em 10 de agosto de 2019 
  • Kurjak, Asim. “Ultrasound Scanning - Prof. Ian Donald.” European Journal of Obstetrics and Gynecology and Reproductive Biology 90 (2000): 187–189.
  • D’Cunha, Prema. “Ian Donald - Pioneer of Obstetric Ultrasound.” Journal of Medical Sciences and Research 5 (2014): 83–84.