Abrir menu principal
Ida Noddack
descoberta do rênio
-fissão nuclear
Nascimento 25 de fevereiro de 1896
Lackhausen,[1] Província do Reno, Império Germânico
Morte 29 de outubro de 1978 (82 anos)
Bad Neuenahr,[1] Bad Neuenahr-Ahrweiler, Alemanha
Nacionalidade alemã
Cidadania Alemanha
Cônjuge Walter Noddack
Alma mater Universidade Técnica de Berlim[1]
Ocupação física, química
Prêmios Medalha Liebig
Empregador Universidade de Freiburg
Instituições -Allgemein Elektrizität Gesellschaft, Berlim
-Siemens & Halske, Berlim
-Physikalische Technische Reichsanstalt, Berlim
-Universidade de Friburgo
-Universidade de Estrasburgo
-Staatliche Forschungs Institut für Geochemie, Bamberg[1]
Campo(s) química, física
Tese On higher aliphatic fatty acid anhydrides (1921)

Ida Noddack (Lackhausen, 25 de fevereiro de 1896 — Bad Neuenahr, 29 de outubro de 1978), cujo nome antes de se casar era Ida Eva Tacke, foi uma química e física alemã. Foi a primeira a mencionar a ideia de fissão nuclear, em 1934.[2] Com seu futuro marido, Walter Noddack, e com Otto Berg, ela descobriu o elemento número 75, o rênio. Foi indicada três vezes para o Prêmio Nobel de Química.[3][4]

Vida pessoalEditar

Ida nasceu em 1896, em Lackhausen (hoje Wesel). Filha de um fabricante de bebidas, Adalbert Tacke e sua esposa, a família morava no subúrbio.[5] Foi a primeira mulher na Alemanha a estudar química. Ingressou na Universidade Técnica de Berlim, onde obteve bacharelado e doutorado, este último defendido em 1921, com a tese On aliphatic|higher aliphatic fatty acid anhydrides. Foi a primeira mulher a ocupar uma posição profissional na indústria química alemã.

Ida casou-se com o químico Walter Noddack, em 1926.[6] Mesmo antes do casamento, os dois trabalhavam em parceria, a assim chamada em alemão "Arbeitsgemeinschaft".[7] Seu trabalho na Universidade de Estrasburgo, porém não era remunerado.[8]

Fissão nuclearEditar

Ida Noddack criticou as evidências químicas postuladas por Enrico Fermi, com seus experimentos de bombardeio de nêutrons, em 1934, onde postulou que elementos transurânicos poderiam ser produzidos, o que foi amplamente aceito na época. Seu artigo "On Element 93", sugeria várias possibilidades, focando no fracasso de Fermi ao eliminar todos os elementos urânicos mais leves de suas evidências experimentais.[9] O artigo hoje é de grande relevância história, não apenas por, corretamente, apontar a falha nas evidências de Fermi, como também por sugerir a possibilidade de o núcleo atômico se partir em várias partes grandes, que seriam isótopos de elementos conhecidos, mas que não seriam relacionados ao elemento irradiado.

Ao refutar Fermi, ela presagiou o que seria conhecido alguns anos mais tarde como fissão nuclear. No entanto, Ida não ofereceu nenhuma prova experimental ou base teórica para esta possibilidade, o que desafiou o entendimento na época. O artigo foi geralmente ignorado pela comunidade científica.[1]

Em experimentos semelhantes aos realizados por Fermi, Irène Joliot-Curie e Pavle Savić, em 1938, postularam o que chamaram de "dificuldades de interpretação", quando elementos transurânicos apresentaram propriedades de terras raras ao invés dos elementos adjacentes. Em 17 de dezembro de 1938, Otto Hahn e Fritz Strassmann mostraram evidências químicas de que, o que antes se presumia que eram elementos transurânicos, eram na verdade isótopos de bário. Hahn ficou tão animado com as evidências que enviou uma carta à sua colega exilada, Lise Meitner, explicando o processo de quebrar os núcleos de urânio em elementos mais leves. Ficou a cargo de Lise, forçada a deixar a Alemanha em julho de 1938, e a seu sobrinho, Otto Frisch, a fornecer o primeiro modelo teórico e a prova matemática do que Frisch chamou de fissão nuclear, utilizando-se das hipóteses postuladas por Fritz Kalckar e Niels Bohr.

Otto Frisch também verificou experimentalmente a reação de fissão por meio de uma câmara de nuvem, confirmando a liberação de energia.[10][11][12][13][14][15][16][17][18]

Descoberta de elementosEditar

Ida e seu futuro marido buscaram os então desconhecidos elementos 43 e 75 na Physikalisch-Technische Reichsanstalt. Em 1925, eles publicaram um artigo (Zwei neue Elemente der Mangangruppe, Chemischer Teil), alegando a descoberta dos dois elementos, o rênio (75) e o masúrio (43). O rênio foi confirmado, mas eles não conseguiram isolar o elemento 43 e seus resultados não puderam ser reproduzidos.

O elemento artificial 43 foi isolado em 1937, por Emilio Segrè e Carlo Perrier, a partir de um pedaço descartado de molibdênio utilizado em um ciclotron, que tinha sofrido decaimento beta. Ele foi nomeado de tecnécio, devido à sua fonte artificial. Nenhum isótopo de tecnécio tem uma meia-vida superior a 4,2 milhões de anos e presume-se ter desaparecido na Terra como um elemento natural. Em 1961, pequenas quantidades de tecnécio foram descobertas como resultado da fissão espontânea do 238U, por B. T. Kenna e Paul K. Kuroda.[19]

Indicações ao NobelEditar

Ida Noddack foi indicada três vezes para o Nobel de Química. Uma vez com Walther Nernst e K. L. Wagner, em 1933. Em 1935, Ida e o marido foram indicados. E em 1937 foi indicada junto de A. Skrabal.[4]

Últimos anosEditar

Walter Noddack faleceu em 1960 e Ida se aposentou em 1968. Seus últimos anos se passaram em um condomínio para idosos em Bad Neuenahr, próximo a Colônia, na Alemanha. Ida faleceu em 24 de setembro de 1978. O casal Noddack não teve filhos.[20] Foi sepultada ao lado do marido, em Bamberg.[21]

Referências

  1. a b c d e «Ida Noddack and the Missing Elements». Royal Society of Chemistry. Consultado em 11 de novembro de 2013 (subscrição necessária)
  2. «Tacke, Ida Eva». University of Alabama Astronomy Program. Consultado em 11 de março de 2013 
  3. «Paul A. Schons, University of St. Thomas. Ida Noddack (Born: Tacke) (1896 – 1978).». Consultado em 17 de março de 2013. Arquivado do original em 15 de abril de 2011 
  4. a b Crawford, E. (20 de maio de 2002). The Nobel Population 1901-1950: A Census of the Nominations and Nominees for the Prizes in Physics and Chemistry. [S.l.: s.n.] pp. 278, 279, 283, 284, 292, 293, 300, 301 
  5. Página oficial de Wesel (ed.). «Ida Noddack-Tacke». Página oficial de Wesel. Consultado em 25 de dezembro de 2016 [ligação inativa]
  6. Gregersen, Erik. «Ida Noddack». Encyclopædia Britannica 
  7. editors. Annette Lykknes, Donald L. Opitz, Brigitte van Tiggelen,, eds. For better or for worse? : collaborative couples in the sciences 1st ed. [Basel]: Birkhäuser. ISBN 978-3-0348-0285-7 
  8. Nies, Allison. «Ida Tacke and the warfare behind the discovery of fission». Consultado em 1 de outubro de 2013 
  9. Noddack, Ida (1934). Über das Element 93. Angewandte Chemie. 47(37): 653-655. (On Element 93).
  10. FERMI, E. (1934). «Possible Production of Elements of Atomic Number Higher than 92». Nature. 133 (3372): 898–899. Bibcode:1934Natur.133..898F. doi:10.1038/133898a0. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2007 
  11. Noddack, Ida (setembro de 1934). «On Element 93». Zeitschrift für Angewandte Chemie. 47 (37): 653. doi:10.1002/ange.19340473707. English Translation. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2007 
  12. Joliot-Curie, Irène; Savić, Pavle (1938). «On the Nature of a Radioactive Element with 3.5-Hour Half-Life Produced in the Neutron Irradiation of Uranium». Comptes Rendus. 208 (906): 1643 
  13. Translation in American Journal of Physics, January 1964, p. 9-15O. Hahn; F. Strassmann (janeiro de 1939). «Concerning the Existence of Alkaline Earth Metals Resulting from Neutron Irradiation of Uranium». Die Naturwissenschaften. 27: 11–15. Bibcode:1939NW.....27...11H. doi:10.1007/BF01488241. Arquivado do original (English Translation) em 5 de fevereiro de 2007 
  14. Bohr, N (1936). «Neutron capture and nuclear constitution». NATURE. 137 (137): 344. Bibcode:1936Natur.137..344B. doi:10.1038/137344a0 
  15. Bohr N.; Kalckar F. (1937). «On the Transmutation of Atomic Nuclei by Impact of Material Particles. I. General theoretical remarks». Matematisk-Fysiske Meddelelser Kongelige Danske Videnskabernes Selskab. 14 (Nr. 10): 1 
  16. «Report Of The Third Washington Conference On Theoretical Physics». President's Papers/RG0002; Office of Public Relations. 12 de março de 1937. Consultado em 1 de abril de 2007. Arquivado do original em 2 de maio de 2007 
  17. Lise Meitner, Otto Robert Frisch (11 de fevereiro de 1939). «Disintegration of Uranium by Neutrons: a New Type of Nuclear Reaction». Nature. 143 (5218): 239–240. Bibcode:1969Natur.224..466M. doi:10.1038/224466a0. Consultado em 25 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 18 de abril de 2008 
  18. Niels Bohr (25 de fevereiro de 1939). «Disintegration of Heavy Nuclei». London. Nature. 143 (3617): 330. Bibcode:1939Natur.143..330B. doi:10.1038/143330a0. Consultado em 25 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 24 de março de 2005 
  19. Kenna, B. T.; Kuroda, P. K. (dezembro de 1961). «Isolation of naturally occurring technetium». Journal of Inorganic and Nuclear Chemistry. 23 (1–2): 142–144. doi:10.1016/0022-1902(61)80098-5 
  20. Fathi Habashi (ed.). «Ida Noddack and the missing elements». Royal Society of Chemistry. Consultado em 25 de dezembro de 2016 
  21. Brigitte Nguyen-Duong (ed.). «Ida Tacke-Noddack». Unlearnd Lessons. Consultado em 25 de dezembro de 2016