Abrir menu principal

Immortal Sergeant

filme de 1943 dirigido por John M. Stahl
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Immortal Sergeant
O Sargento Imortal[1] (BRA)
 Estados Unidos
1943 •  pb •  91 min 
Direção John M. Stahl
Produção Lamar Trotti
Roteiro Lamar Trotti
John Brophy (livro)
Elenco Henry Fonda
Maureen O'Hara
Thomas Mitchell
Gênero drama, guerra, romance
Música David Buttolph
Idioma inglês

Immortal Sergeant (br O Sargento Imortal) é um filme de guerra estadunidense de 1943, dirigido por John M. Stahl para a 20th Century Fox.[2] O roteiro foi baseado no romance homônimo de John Brophy.

ElencoEditar

SinopseEditar

No deserto da Líbia, durante a Segunda Guerra Mundial, o experiente Sargento Kelly comanda uma patrulha britânica da qual faz parte o cabo Colin Spence, um tímido e inseguro canadense. Colin era jornalista e poderia servir como oficial mas preferiu ir como soldado raso, por se julgar incapaz de liderar homens em batalha. A patrulha é atacada por aviões italianos e os caminhões são destruídos, sobrevivendo apenas seis homens. Kelly marcha tentando encontrar o caminho de volta, quando são avistados por um avião amigo que lhes avisa estarem próximos de um tanque inimigo. Kelly imediatamente organiza um ataque mas durante a ação é mortalmente ferido. Colin tem que assumir o comando mas continua inseguro sobre sua capacidade. Enquanto cumpre com seu dever, Colin se lembra (mostrado em flashbacks) da amada pianista Valentine, a quem tivera medo de se declarar, e que é assediada por um famoso correspondente de guerra que trabalhava no mesmo jornal que ele.

RecepçãoEditar

Theodore Strauss do The New York Times disse (em tradução livre, como as demais) que o filme "desapontava", escrevendo que enquanto "ocasionalmente um estudo animador e humano do triunfo de um homem sobre seus medos", o romance era "insípido" e o personagem de O'Hara era "muito chata".[3] Variety classificou o filme de um "drama compacto, com narrativa interessante".[4] Harrison's Reports escreveu: "Apesar de não alcançar grandes voos dramáticos, a produção e a interpretação são tão boas que seguram os ganhos consistentemente".[5] David Lardner do The New Yorker escreveu que as cenas de perigo no deserto são "os aspectos mais duradouros do filme e, uma vez que são muito bem feitas, conseguem segurar o interesse". Lardner ficou distraído, contudo, com a "estranha dificuldade que O'Hara parece ter para pronunciar palavras polissilábicas".[6]

  A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. O Sargento Imortal no CinePlayers (Brasil)
  2. Turim, Maureen (17 de dezembro de 2013). Flashbacks in Film: Memory & History. [S.l.]: Routledge. p. 128. ISBN 978-1-317-91667-3 
  3. Strauss, Theodore (4 de fevereiro de 1943). «Movie Review - The Immortal Sergeant». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  4. «Film Reviews». New York: Variety, Inc. Revista Variety: 8 13 de janeiro de 1943 
  5. «'The Immortal Sergeant' with Henry Fonda, Thomas Mitchell and Maureen O'Hara». Harrison's Reports: 7. 9 de janeiro de 1943 
  6. Lardner, David (6 de fevereiro de 1943). «The Current Cinema». New York: F-R Publishing Corp. The New Yorker: 52 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.