In Time
Pôster original do filme.
No Brasil O Preço do Amanhã
Em Portugal Sem Tempo
 Estados Unidos
2011 •  cor •  109 min 
Direção Andrew Niccol
Produção Andrew Niccol
Marc Abraham
Amy Israel
Kristel Laiblin
Eric Newman
Roteiro Andrew Niccol
Gênero ficção científica · policial · suspense
Música Craig Armstrong
Cinematografia Roger Deakins
Edição Zach Staenberg
Companhia(s) produtora(s) Regency Enterprises
New Regency
Strike Entertainment
Distribuição 20th Century Fox
Idioma Não disponível
Orçamento US$ 40 milhões[1]
Receita US$ 173.930.596[2]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

In Time (bra: O Preço do Amanhã[3]; prt: Sem Tempo[4]) é um filme estadunidense de 2011, uma ficção científica distópica com roteiro de Andrew Niccol, que também o dirigiu, e protagonizado por Justin Timberlake e Amanda Seyfried.

O filme estreou em 28 de outubro de 2011 nos Estados Unidos, 4 de novembro de 2011 no Brasil e no dia 10 do mesmo mês em Portugal. Foi recebido com críticas geralmente mistas e arrecadou pouco mais de 172 milhões de dólares em bilheterias, tendo custado US$ 40 milhões para ser produzido.

SinopseEditar

Em 2169, as pessoas são geneticamente modificadas para parar de envelhecer aos 25 anos, quando começa uma contagem regressiva de 1 ano no antebraço. Quando chega a zero, a pessoa "expira" e morre instantaneamente. O tempo tornou-se assim a moeda universal, transferida diretamente entre as pessoas ou armazenada em "cápsulas do tempo". Existem várias áreas importantes chamadas fusos horários em Ohio. Dayton é o mais pobre, um "gueto" industrial onde as pessoas raramente têm mais de 24 horas em seus relógios; em New Greenwich, as pessoas têm tempo suficiente para serem essencialmente imortais.

ElencoEditar

RecepçãoEditar

Análise da críticaEditar

In Time foi recebido com resenhas geralmente mistas dos críticos especializados. O Rotten Tomatoes calculou uma média de 37% de aprovação, baseado em 148 críticas recolhidas, das quais 55 foram consideradas positivas e 93, negativas. Segundo o site, o consenso é que "a premissa intrigante e o atraente elenco são facilmente subjugados pela narrativa embotada e desastrada".[5] Por comparação, o Metacritic deu ao filme uma média de 53/100, com base em 36 resenhas.[6]

Scott Bowles escreveu no USA Today que o "In Time possui cerca de 1 hora e 15 minutos de bom filme. Infelizmente, o thriller sci-fi dura quase o dobro desse tempo, e apesar do ótimo conceito que poderia fazer um A Origem de 2011, nós temos Logan's Run encontra Robin Hood. E não as partes boas".[7] Michael O'Sullivan, do Washington Post, avaliou o filme com duas estrelas e meia em um máximo de quatro, chamando-o de "elegante" e "surpreendentemente substancial".[8]

No Los Angeles Times, Betsy Sharkey afirmou que o filme é um grande "e se", dizendo, "e se o tique-taque do relógio fosse mais apertado, e se tivessem usado mais tempo para desenvolver o romance e os relacionamentos, e se morrer não parecesse tão fácil". Sharkey escreveu que, apesar do premissa ser mais uma "ideia inteligente" de Andrew Niccol, não explora o potencial dos protagonistas e "o que realmente está faltando são os momentos que importam de verdade, aqueles que são tão emocionantes que você deseja desesperadamente que o tempo pare para saboreá-los".[9] Marcelo Hessel, do site brasileiro Omelete, escreveu que ele é "o tipo de filme formatado para agradar sem fazer muito esforço", mas que "debaixo dessa casca de suspense-de-bom-gosto, porém, tem visíveis rachaduras", e chamou o personagem principal, Will Salas, de "mal construído".[10]

BilheteriaEditar

O filme arrecadou doze milhões de dólares em seu final de semana de estreia, o que lhe colocou na terceira colocação, atrás de Puss in Boots e Paranormal Activity 3.[11] Acabou arrecadando um total de 172 020 095 de dólares, dos quais 78% foram de fora dos Estados Unidos e Canadá, onde obteve 37,5 milhões de dólares.[2]


Referências

  1. Kaufman, Amy (27 de outubro de 2011). «Movie Projector: 'Puss in Boots' to stomp on competition». Los Angeles Times. Consultado em 27 de outubro de 2011 
  2. a b «In Time (2011)». Box Office Mojo. Consultado em 20 de março de 2012 
  3. «O Preço do Amanhã». Brasil: CinePlayers. Consultado em 5 de abril de 2019 
  4. «Sem Tempo». Portugal: CineCartaz. Consultado em 5 de abril de 2019 
  5. «In Time (2011)». Rotten Tomatoes. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  6. «In Time». Metacritic. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  7. Bowles, Scott (28 de outubro de 2011). «'In Time' clocks in as too long». USA Today. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  8. O'Sullivan, Michael (28 de outubro de 2011). «In Time». Washington Post. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  9. Sharkey, Betsy (28 de outubro de 2011). «Movie review: 'In Time'». Los Angeles Times. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  10. Hessel, Marcelo (3 de novembro de 2011). «O Preço do Amanhã -Crítica». Omelete. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  11. Finke, Nikki (30 de outubro de 2011). «Snow Ices Box Office: 'Puss In Boots' #1, 'Paranormal' #2, 'In Time' #3, 'Rum Diary' #4». Deadline.com. PMC. Consultado em 30 de outubro de 2011 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.