Instituto Francis Crick

Instituto Francis Crick
Francis Crick Institute building, Oct 2015.jpg
História
Fundação
Quadro profissional
Tipo
Estado legal
Sede social
País
Coordenadas
Organização
Empregados
1 260 ()
1 294 ()
1 367 ()
1 410 ()
1 437 ()
Presidente
David Cooksey (en)
Direção
Paul Nurse
Malcolm Irving (d)
Geraint Rees (en)
Steven Gamblin (d)
James Cuthbert Smith (en)
Richard Treisman (en)
Keith Peters (en)
Patrocinadores
Receita líquida
160 609 000 £ ()
146 627 000 £ ()
184 020 000 £ ()
164 524 000 £ ()
174 940 195 £ ()
Website

O Instituto Francis Crick (antigo Centro de Pesquisa Médica e Inovação do Reino Unido) é um centro de pesquisa biomédica em Londres, que foi estabelecido em 2010 e inaugurado em 2016.[1][2][3][4] O instituto é uma parceria entre o Cancer Research UK, o Imperial College London, o King's College London (KCL), o Medical Research Council, o University College London (UCL) e o Wellcome Trust.[5] O instituto tem 1.500 funcionários, incluindo 1.250 cientistas, e um orçamento anual de mais de £100 milhões,[6] tornando-o o maior laboratório biomédico da Europa.

O instituto leva o nome do biólogo molecular, biofísico e neurocientista Francis Crick, co-descobridor da estrutura do DNA, que compartilhou o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina de 1962 com James Watson e Maurice Wilkins. Extraoficialmente, o Crick foi chamado de Catedral de Sir Paul, uma referência a Sir Paul Nurse e à Catedral de São Paulo em Londres.[7]

HistóriaEditar

Em 2003, o Conselho de Pesquisa Médica decidiu que seu Instituto Nacional de Pesquisa Médica (NIMR) precisaria se mudar de Mill Hill. Uma Força-Tarefa, um de cujos membros externos era Sir Paul Nurse, foi criada para considerar as opções.[8] Os locais eventualmente rejeitados incluíam o Addenbrooke's[8] e o National Temperance Hospital.[9]

Em 11 de fevereiro de 2005, foi anunciado que o NIMR seria transferido para a University College London,[10] mas isso dependia do financiamento do Fundo de Capital de Grandes Instalações do governo e não prosseguiu.[11]

Fundação: inicialmente nomeado como UKCMRIEditar

A criação do Centro de Pesquisa Médica e Inovação do Reino Unido (UKCMRI em inglês) foi anunciada pelo então primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, em 5 de dezembro de 2007.[12][13] Em 13 de junho de 2008, o eventual local de 3,5 acres em Brill Place foi comprado para o UKCMRI por £85 milhões, dos quais £46,75 milhões foram fornecidos pela MRC.[14]

David Cooksey foi presidente do Francis Crick Institute de 2009 a agosto de 2017.

Em 15 de julho de 2010, foi anunciado que o ganhador do Prêmio Nobel Paul Nurse seria o primeiro diretor e presidente-executivo do UKCMRI.[15] Ele assumiu o cargo em 1º de janeiro de 2011.[16] Em 20 de outubro de 2010, o Chanceler do Tesouro, George Osborne, confirmou que o governo britânico contribuiria com £220 milhões em quatro anos para o custo de capital do centro.[17]

 
Francis Crick (acima) e James Watson foram dois estudiosos de Cambridge que criaram o primeiro modelo de dupla hélice de DNA e são os "pais da genética moderna".

Em 15 de abril de 2011, foi anunciado que o Imperial College London e o King's College London se juntariam ao UKCMRI como parceiros e que ambos haviam assinado um memorando de entendimento para comprometer £40 milhões cada um para o projeto.[5]

Renomeado como Francis Crick InstituteEditar

Em 25 de maio de 2011, foi anunciado que o UKCMRI seria renomeado como Instituto Francis Crick em julho para coincidir com o início da construção de seu prédio, em homenagem ao cientista britânico e ganhador do Prêmio Nobel Francis Crick.[18] Em julho de 2011, o UKCMRI foi renomeado Instituto Francis Crick.[18] A cerimônia de inauguração do novo prédio foi realizada em 11 de outubro de 2011, com a presença do então prefeito de Londres Boris Johnson, David Willetts e Sir Paul Nurse. A filha sobrevivente de Francis Crick, Gabrielle, fez um breve discurso, enquanto seu filho Mike doou a placa de carro "AT GC" de Crick para uma cápsula do tempo enterrada durante a cerimônia.[19] Em 6 de junho de 2013, uma cerimônia de encerramento foi realizada, a estratégia científica do instituto foi anunciada e um subsídio de £3 milhões da Fundação Wolfson foi confirmado.[20][21][22]

Em meados de agosto de 2016, as obras foram concluídas e o prédio foi entregue. Os primeiros cientistas chegaram em 1 de setembro.[23] Em 9 de novembro de 2016, o Instituto Francis Crick foi oficialmente inaugurado pela Rainha, acompanhada pelo Duque de Edimburgo e pelo Duque de York. Durante a visita, um retrato de Francis Crick, de Robert Ballagh, foi revelado.[24][25] Como parte de sua turnê, a Rainha iniciou o sequenciamento do genoma do diretor do Crick, Sir Paul Nurse - todas as três bilhões de letras em seu código de DNA.[26]

 
Paul Nurse, diretor e executivo-chefe do Instituto desde 2011

PesquisaEditar

Áreas de pesquisaEditar

O Crick é um instituto de descoberta biomédica com o objetivo de ajudar a entender por que a doença se desenvolve e encontrar novas maneiras de tratar, diagnosticar e prevenir doenças como câncer, doenças cardíacas, derrame, infecções e doenças neurodegenerativas.[27]

A ausência de qualquer pesquisa sobre doenças mentais foi contrária ao esforço declarado do Reino Unido por "paridade de estima" para a saúde mental.[28]

Programa cienctífico atualEditar

O instituto define seu programa de pesquisa como explorando "sete questões científicas de alto nível que refletem as principais questões de interesse na pesquisa biomédica e as atuais estratégias de pesquisa de seus seis fundadores". De acordo com o instituto, essas questões são:[29]

  • Como um organismo vivo adquire forma e função?
  • Como os organismos mantêm a saúde e o equilíbrio ao longo da vida e à medida que envelhecem?
  • Como podemos usar o conhecimento biológico para melhor compreender, diagnosticar e tratar doenças humanas?
  • Como o câncer começa, se espalha e responde à terapia?
  • Como o sistema imunológico sabe se, quando e como reagir?
  • Como os micróbios e patógenos funcionam e interagem com seus hospedeiros?
  • Como o sistema nervoso detecta, armazena e responde às informações e retém essas informações ao longo da vida?

Conquistas e impactoEditar

Em 2015, Tomas Lindahl, líder de grupo emérito no Instituto Francis Crick e diretor emérito do Cancer Research UK no Clare Hall Laboratory, Hertfordshire, recebeu o Prêmio Nobel de Química junto com Paul Modrich e Aziz Sancar.[30]

Em 2016, o Professor Tim Bliss, do Crick, e os Professores Graham Collingridge (Universidade de Bristol) e Richard Morris (Universidade de Edimburgo) receberam o Prêmio Brain.[31]

Edifício e instalaçõesEditar

 
Edifício do Francis Crick Institute em outubro de 2015

O Francis Crick Institute está localizado em um edifício de última geração, inaugurado em 2016, construído próximo à estação ferroviária de St Pancras na área de Camden, no centro de Londres.[6] É composto por quatro blocos de concreto armado de até oito andares de altura e quatro níveis de subsolo. A área total interna é de 82.578 m2, incluindo 29.179 m2 de laboratórios com 5km de bancada de laboratório e 21.839 m2 de espaço de escrita associado.[32]

Os laboratórios dentro do prédio estão dispostos em quatro andares, compostos por quatro blocos interligados, projetados para estimular a interação entre cientistas que trabalham em diferentes áreas de pesquisa.[33] O instituto também inclui um espaço de exposição pública/galeria, um espaço educacional, um auditório com 450 lugares e um espaço comunitário.[34]

Referências

  1. «Agreement signed to establish UKCMRI». Crick. Consultado em 8 de julho de 2019 
  2. Jha, Alok (19 de junho de 2010). «Plans for largest biomedical research facility in Europe unveiled». The Guardian. London. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  3. «Our building». Crick 
  4. Walsh, Fergus (1 de setembro de 2016). «The Crick: Europe's biggest biomedical lab opens». BBC News 
  5. a b «Three's company: Imperial, King's join UCL in £700m medical project». Times Higher Education. 15 de abril de 2011. Consultado em 16 de abril de 2011 
  6. a b «Project Press Release». UK Centre for Medical Research and Innovation web site. 21 de junho de 2010. Consultado em 11 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2010 
  7. Callaway, Ewen (2015). «Europe's superlab: Sir Paul's cathedral». Nature. 522: 406–408. PMID 26108834. doi:10.1038/522406a 
  8. a b «The Medical Research Council's Review of the Future of the National Institute for Medical Research» (PDF). House of Commons Science and Technology Committee. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  9. «National Institute for Medical Research». House of Commons Hansard. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  10. «UCL wins lucrative research contract». The Guardian. 11 de fevereiro de 2005. Consultado em 23 de outubro de 2010 
  11. «Responses to the Committee's Fourth Report of Session 2004–05» (PDF). House of Commons Science and Technology Committee. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  12. «Deal secures £500m medical centre». BBC News. 5 de dezembro de 2007. Consultado em 23 de outubro de 2010 
  13. «London to lead in medical research». The Daily Telegraph. 5 de dezembro de 2007. Consultado em 23 de outubro de 2010 
  14. «Written evidence UK Centre for Medical Research & Innovation (UKCMRI)» (PDF). House of Commons Science and Technology Committee. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  15. «Project Press Release». UK Centre for Medical Research and Innovation web site. 15 de julho de 2010. Consultado em 11 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2010 
  16. «Sir Paul Nurse: Nobel prize-winner Britain's 'most important' scientist». The Daily Telegraph. 7 de outubro de 2010. Consultado em 23 de outubro de 2010 
  17. Davies, Katie (20 de outubro de 2010). «King's Cross super-lab UKCMRI gets go-ahead». Ham & High. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  18. a b «A new name for UKCMRI». UK Centre for Medical Research and Innovation web site. Consultado em 25 de maio de 2011. Cópia arquivada em 26 de julho de 2011 
  19. e-mail from Mike Crick to Martin Packer 25 October 2011
  20. «Strategy launched at Crick Topping Out Ceremony». Consultado em 20 de outubro de 2016 
  21. «Crick Topping Out Ceremony June 2013». Consultado em 20 de outubro de 2013 
  22. «Francis Crick Institute receives £3 million grant». Consultado em 20 de outubro de 2016 
  23. «Building work finishes at the Francis Crick Institute». Consultado em 20 de outubro de 2016 
  24. «Queen and Duke of Edinburgh open the Francis Crick Institute». Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  25. Kennedy, Maev (8 de junho de 2016). «Francis Crick portrait unveiled to honour breakthrough DNA work». Guardian online. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  26. Gallagher, Laura. «The Queen opens the Francis Crick Institute - Europe's biggest biomedical lab». Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  27. The Francis Crick Institute mrc.ukri.org, accessed 18 October 2020
  28. Research Briefingp Parity of Esteem for Mental Health 7 January 2015 post.parliament.uk, accessed 18 October 2020
  29. «Science programme». www.crick.ac.uk. Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2016 
  30. «The Nobel Prize in Chemistry 2015». NobelPrize.org 
  31. «The Brain Prize Winners 2016». www.thebrainprize.org. Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  32. «The Francis Crick Institute, London». Consultado em 20 de outubro de 2016 
  33. «Architecture». www.crick.ac.uk. Consultado em 6 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2016 
  34. «Frequently asked questions (FAQs)». www.crick.ac.uk. Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2016