Instituto Superior de Línguas e Administração

faculty
Instituto Superior de Línguas e Administração
ISLA
Lema Consensus Omnium
Fundação 1962
Tipo de instituição Privada
Funcionários técnico-administrativos 200
Reitor(a) Vários
Docentes 100
Total de estudantes 8.921 - 2015/16
Graduação CTesp / Licenciatura
Pós-graduação Mestrado / Doutoramento
Página oficial http://www.islagaia.pt/

O Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA) foi uma instituição de ensino superior privado em Portugal fundada em 1962 pela mão de António Augusto Gonçalves Rodrigues.[1]

Com o passar dos anos o Instituto Superior de Línguas e Administração foi-se dividindo em várias entidades entre as quais a Universidade Europeia, ISLA Gaia, ISLA Santarém, ISLA Bragança, CESPU Bragança e ISLA Leiria e Grupo Lusófona.

HistóriaEditar

No ano 1962 em Lisboa, o deputado da Assembleia da República Portuguesa, Prof. Dr. António Augusto Gonçalves Rodrigues, funda com recurso ao seu património pessoal, a primeira instituição de ensino superior privado em Portugal, o Instituto Superior de Línguas e Administração. Este inicia a sua actividade no dia 6 de Novembro desse ano, na Estrada de Benfica, 358, com autorização concedida pelo Ministério da Educação Nacional (Alvará n.º 1701[2]).

Inicialmente, o ISLA ministrava os seguintes Cursos integrados em Escolas:

  • Escola Superior de Tradutores e Intérpretes (ESTI): Curso de Tradutores – Simples; Curso de Tradutores – Especializados; Curso de Intérpretes de Conferências.
  • Escola Superior de Secretariado (ESS): Curso de Secretárias Correspondentes.
  • Escola Superior de Organização Científica do Trabalho e de Relações Humanas na Empresa (ESOCT): Curso de Organização e Administração; Curso de Sociologia Industrial e Relações Humanas; Curso de Psicologia Industrial.

Para admissão aos cursos era exigido o Curso Complementar dos Liceus ou equivalente. Contudo, para os alunos que não tinham as habilitações necessárias, mas que possuíam, no mínimo, o Curso Geral dos Liceus ou equivalente, foi aberto um curso, designado "Curso Preparatório", com a duração de 2 anos, que conferia acesso aos Cursos Superiores. Objectivos da Fundação: Formação de quadros técnicos a nível superior, dada a sobrelotação das Faculdades de Letras e de Economia e o ensino deficiente que ministravam, ensino que, nas línguas modernas, era meramente teórico, não proporcionando aos seus diplomados os conhecimentos necessários para uma carreira profissional e uma rápida colocação na indústria, no comércio ou na administração pública. Os cursos introduzidos pelo ISLA davam, assim, resposta às necessidades do país ao nível de emprego. Com o passar do tempo e devido ao crescimento do ensino superior privado m Portugal, o ISLA expande-se para várias cidades portuguesas:

  • Em 1984 abre o instituto de Santarém;
  • Em 1985 abre o instituto em Bragança
  • Em 1989 abre o instituto de Vila Nova de Gaia
  • Em 1990 abre o instituto de Leiria.

Apesar da estabilidade da década de 90 do século passado e primeira década de 2000, a crise internacional que se abateu sobre a economia portuguesa atinge o ensino superior privado e a partir de 2005, dá-se a separação administrativa do Instituto Superior de Línguas e Administração. Mais tarde, após 2012, verifica-se o desmembramento do grupo sendo os seus institutos adquiridos pelo Grupo Lusófona.

AtualidadeEditar

Após a restruturação dos institutos, estes ainda permanecem em funcionamento mas com profundas alterações na metodologia de ensino. Em Lisboa o ISLA deixou de assim se chamar, passando a ser uma universidade, a Universidade Europeia; em Santarém, o instituto é agora ISLA - Instituto Superior de Gestão e Administração de Santarém; em Bragança o instituto é agora CESPU; em Vila Nova de Gaia, o instituto é agora ISLA - Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia; em Leiria o instituto é agora ISLA - Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria.

Instituto Superior de Línguas e Administração de LisboaEditar

O Instituto Superior de Línguas e Administração, nome que assim permaneceu até à abertura de outros polos noutras cidades, viveu alterações e ajustes no decorrer da sua história e que poderá ser observada por década:

Anos 60 do século XX:

O Professor Doutor António Augusto Gonçalves Rodrigues, até esta data único proprietário do ISLA, forma uma sociedade anónima que adopta a denominação social "Instituto Superior de Línguas e Administração – ISLA, S.A.R.L." É adquirido o imóvel da Rua do Sacramento à Lapa, 16.[3] É desenvolvida a Escola Portuguesa de Turismo com os cursos de Guias-Intérpretes; Técnicos de Turismo e Correios de Turismo sendo reconhecidos como Superiores.[3]

Anos 70 do século XX:

Adesão à ESA – European Secretarial Academy; criação da Escola Superior de Meios de Comunicação Social.

Anos 80 do século XX:

Foi iniciado o Curso Superior de Informática; a nova legislação passou a conferir direitos às formações ministradas pelo ISLA, exigindo uma forte reestruturação orgânica de acordo com o Decreto-Lei 100/85[ligação inativa][4] – um Conselho Científico constituído por Doutores, o qual tem competências relativamente ao recrutamento de corpo docente e à aprovação de programas. Este Conselho fiscalizava a qualidade do ensino, os critérios pedagógicos e de selecção. O instituto torna-se a primeira instituição de ensino superior privado a ser visitada por um Ministro da Educação, na época o Engenheiro Roberto Carneiro. É criado o Curso de Matemáticas Aplicadas, complemento natural dos estudos das áreas de Gestão e Informática, também com o grau de licenciatura.

Inicio do século XXI:

Inicia-se o funcionamento do Centro de Formação Avançada que possibilitou a criação e posterior lançamento de Cursos de Pós-graduação e Cursos de Formação; criação da Licenciatura em Turismo reconhecida a 25 de Julho de 2002 pelo Ministério da Educação com a Portaria 873/02.[5] Implementa-se, nos planos de estudos, da Declaração de Bolonha, passando as licenciaturas em Gestão de Empresas; Gestão de Recursos Humanos e Organização Estratégica; Informática de Gestão; Marketing Publicidade e Relações Públicas; Secretariado e Comunicação Empresarial; Turismo, a ter uma duração de três anos lectivos. Reconhecimento da nova licenciatura em Gestão Hoteleira, Despacho n.º 9288-T/2007, D.R., nº 97, Série II de 2007-05-21. Aprovação do primeiro Mestrado, em Tradução Jurídica e Empresarial, Áreas de Especialização: Francês/Inglês (Despacho n.º 24238-C/2007, D.R., nº 203, Série II, de 2007-10-22). Reconhecimento da nova licenciatura em Sistemas de Informação, Web e Multimédia (Despacho n.º 16907/2009, D.R., nº 140, Série II de 2009-07-22).[6]

Instituto Superior de Línguas e Administração de SantarémEditar

Anos 80 do século XX:

O Instituto Superior de Línguas e Administração de Santarém inicia as suas actividades escolares, ministrando os cursos superiores de Secretariado e Informática de Gestão. A nova legislação passa a conferir direitos às formações ministradas pelo ISLA, exigindo uma forte reestruturação orgânica (Decreto-Lei 100/85[4]) – um Conselho Científico constituído por Doutores, o qual tem competências relativamente ao recrutamento de corpo docente e à aprovação de programas. Este Conselho fiscaliza a qualidade do ensino, os critérios pedagógicos e de selecção.

Anos 90 do século XX:

No ano lectivo de 1991/92, o ISLA-Santarém abriu uma extensão em Torres Novas onde ministrou os cursos de: Gestão de Empresas, Informática de Gestão, Gestão de Recursos Humanos e Psicologia do Trabalho e Comunicação. O Curso de Turismo é reconhecido como bacharelato pela Portaria 891/91 de 30 de Agosto.[7]

Inicio do século XXI:

Em 2003 dá-se lugar à separação administrativa de todos os pólos ISLA.

No ano de 2016 e após restruturação da instituição, dá-se lugar à alteração do tipo de ensino. Deixa de ser universitário e passa a ensino politécnico. Esta alteração, de acordo com os estatutos da A3ES, obriga a que o instituto altere o seu nome pois não continha à altura na sua oferta cursos de línguas, passando a ser ISLA - Instituto Superior de Gestão e Administração de Santarém.

Instituto Superior de Línguas e Administração de BragançaEditar

Anos 80 do século XX:

No ano de 1985 dá-se a fundação do Instituto Superior de Línguas e Administração em Bragança. A nova legislação passa a conferir direitos às formações ministradas pelo ISLA, exigindo uma forte reestruturação orgânica (Decreto-Lei 100/85[ligação inativa][4]) – um Conselho Científico constituído por Doutores, o qual tem competências relativamente ao recrutamento de corpo docente e à aprovação de programas. Este Conselho fiscaliza a qualidade do ensino, os critérios pedagógicos e de selecção.

Inicio do século XXI:

Em 2003 dá-se lugar à separação administrativa de todos os pólos ISLA.

No ano de 2009, o instituto foi adquirido pela CESPU, sendo o seu nome alterado para Instituto de Formação Pós-Graduada em Ciências e Tecnologias da Saúde[8] e mais tarde para CESPU Bragança.

Instituto Superior de Línguas e Administração de LeiriaEditar

Anos 90 do século XX:

Em 1990 o Instituto Superior de Línguas e Administração alarga a sua actividade à cidade de Leiria com os cursos de Gestão de Empresas, Informática de Gestão, Tradutores, Secretariado, Gestão de Comércio Internacional e Gestão de Recursos Humanos e Psicologia do Trabalho.

Inicio do século XXI:

Em 2003 dá-se lugar à separação administrativa de todos os pólos ISLA.

No ano de 2016 dá-se lugar à alteração do tipo de ensino. Deixa de ser universitário e passa a ensino politécnico. Esta alteração, de acordo com os estatutos da A3ES, obriga a que o instituto altere o seu nome pois não contem na sua oferta cursos de línguas, passando a ser ISLA - Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria.

Instituto Superior de Línguas e Administração de Vila Nova de GaiaEditar

Anos 80 do século XX:

É no ano de 1989 que é fundado o Instituto Superior de Línguas e Administração de Vila Nova de Gaia com a Portaria 791/89[9] presente no Diário da República n.º 207/1989, Série I de 1989-09-08, local onde se passou a ministrar os cursos de Ciências Empresariais, Gestão de Recursos Humanos e Psicologia do Trabalho e Tradutores e Secretariado.

Inicio do século XXI:

Em 2003 dá-se lugar à separação administrativa de todos os pólos ISLA.

No ano de 2016 dá-se a alteração do tipo de ensino. Deixa de ser universitário e passa a ensino politécnico. Esta alteração, de acordo com os estatutos da A3ES, obriga a que o instituto altere o seu nome pois não contem na sua oferta cursos de línguas, passando a ser ISLA - Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia, sendo assim a par do ISPAGAYA o segundo instituto politécnico privado a funcionar em Portugal com a denominação politécnico incluída no seu nome.

Ligações externasEditar

Referências

  1. «Publicação do Parlamento Português» (PDF). Deputados Históricos da Assembleia da República Portuguesa. Governo de Portugal. N.d. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  2. «Alvará de Abertura do ISLA». 1962. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  3. a b «Instituto Superior de Línguas e Administração». ISLA. Acessibilidade GOV Portugal. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  4. a b c «Decreto Lei 100/85». Decreto Lei 100/85. Governo de Portugal. 8 de abril de 1985. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 [ligação inativa]
  5. «Série I-B Portaria 873/2002». Autoriza o funcionamento do curso de licenciatura em Turismo no Instituto Superior de Línguas e Administração de Lisboa. Ministério da Ciência e do Ensino Superior. 25 de julho de 2002. Consultado em 12 de abril de 2016 [ligação inativa]
  6. «Cursos autorizados na sequência de pedidos efectuados em 2009» (PDF). Cursos autorizados na sequência de pedidos efectuados em 2009. Ministério da Educação. 2009 
  7. «Portaria 891/91». Altera o plano de estudos do Curso Técnico de Línguas e Turismo, publicado em anexo ao Despacho n.º 127/MEC/86, de 21 de Junho. Governo de Portugal. 30 de agosto de 1991. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 [ligação inativa]
  8. «ISLA e CESPU aumentam oferta em pós-graduações». ISLA e CESPU aumentam oferta em pós-graduações. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  9. «Portaria 791/89». Portaria 791/89. Ministério da Educação. 8 de setembro de 1989. Consultado em 12 de abril de 2016