Abrir menu principal
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Júlio Resende
Informação geral
País Flag of Portugal.svg Portugal
Género(s) Jazz, Fado, Rock
Instrumento(s) Piano
Página oficial julioresende.com/


Júlio Resende é um pianista e compositor português.

Índice

BiografiaEditar

Natural de Faro, Júlio Resende cresceu em Olhão, onde começou o seu percurso musical, começando a tocar piano aos 4 anos. Estudou no Conservatório de Faro, onde, após tomar contacto com a música clássica, o gosto pela improvisação o levou ao jazz, visto que precisava de “uma linguagem musical que exigisse a liberdade. O jazz não é um estilo, é um modo de pensar. Encontrei na Improvisação e no Jazz uma linguagem musical que se pensa assim, em liberdade, e exige dos seus músicos isso mesmo.”[1]

Em 2001 mudou-se para Lisboa onde, ao mesmo tempo que estudou Filosofia na Universidade Nova de Lisboa, se envolveu nas actividades musicais do Hot Clube de Portugal, rumando mais tarde a Paris para estudar jazz na Université de St. Denis – Paris VIII. Durante este período, participou em workshops que o levaram a trabalhar com músicos do Hot Clube, da New School for Jazz and Contemporary Music, da Berklee College of Music, e da Bill Evans Academy.[2]  

JazzEditar

A sua estreia discográfica no jazz deu-se em 2007 com o álbum "Da Alma", e Júlio Resende chega a ser considerado "o mais jovem músico português a gravar um primeiro disco enquanto líder para a editora Clean Feed, considerada pela AllAboutJazz uma das 5 melhores editoras de Jazz do Mundo".[3] Em 2009, editou o álbum "Assim falava Jazzatustra" (2009), que contou com a participação de Manuela Azevedo, vocalista da banda Clã, e foi apontado pelo All Music Guide como "um excelente exemplo de como os músicos de jazz europeus tomaram inspiração dos seus homólogos norte-americanos e elevaram a fasquia ao ponto em que são eles agora que estão a fazer música refrescante e original, enquanto os americanos teimam na tradição"[4][5]. Seguiu-se outro álbum à frente do seu trio, "You Taste Like a Song" (2011), e a participação em "OGRE", projecto de fusão de jazz e música electrónica liderado pela cantora Maria João.[6]   

Fado, Rock e outras músicasEditar

Depois de gravar em quarteto e trio os três primeiros álbuns, lança, em Outubro de 2013, Amália por Júlio Resende pela editora Valentim de Carvalho, um álbum onde revisita com o piano alguns dos mais marcantes fados interpretados pela cantora Amália Rodrigues. Segundo Resende, o desafio assumido do projecto era "trazer o Fado ao piano (...) Todos os pianistas têm o sonho de realizar um disco a solo. Eu queria fazer o disco a solo mais pessoal possível. Entendo a palavra “solo” como algo que tem a ver com terra, com raízes, com o chão que pisas, que habitas. Entre as minhas memórias musicais mais antigas está a voz da Amália a cantar “A Casa Portuguesa!” ou o avassalador “Estranha Forma de Vida” e ela serve de símbolo para esta viagem musical.”[7] O álbum inclui "Medo", um dueto virtual e póstumo com Amália, utilizando a gravação da voz da cantora com autorização inédita da Valentim de Carvalho.

Em 2015, Júlio Resende continuou a sua exploração do fado com "Fado & Further", estreando o disco com um espectáculo na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, com a participação das cantoras Sílvia Perez Cruz e Gisela João.[1] O álbum foi apontado pela imprensa portuguesa como mais um exemplo de "uma natural integração da música popular portuguesa no seu discurso pianístico"[8].

Em 2016, o pianista colaborou com o cantor Salvador Sobral no seu álbum "Excuse Me". Desta colaboração viria a surgir outra, quando Resende recrutou o cantor e vários músicos portugueses para um novo projecto: Alexander Search, uma banda rock com temas orignais e letras retiradas da poesia em inglês de Fernando Pessoa, com o primeiro single, "Day of Sun", a ser lançado em Maio de 2017 [9]. O álbum, editado no mês seguinte, chegou a atingir os tops nacionais [10] e motivou uma ida ao festival Super Bock Super Rock [11].

ColaboraçõesEditar

Ao longo do seu percurso musical, Júlio Resende desenvolveu parcerias em vários géneros musicais, desde o jazz ao fado, passando pelo pop/rock. Entre gravações e espectáculos, as suas colaborações incluem vários nomes da música portuguesa: Salvador Sobral, Maria João, Aldina Duarte, Hélder Moutinho, António Zambujo, Ana Moura, Cristina Branco, Cuca Roseta, Marco Rodrigues, Manuela Azevedo e Catarina Miranda (Festival da Canção 2018).

No panorama da música internacional destacam-se as colaborações com Matt Penman, Perico Sambeat, John Hebert, Carlos Bica, Ole Morten Vogan, Will Vinson, Sílvia Perez Cruz, Moreno Veloso, entre outros.

DiscografiaEditar

2007 - "Da Alma" - Clean Feed/ Trem Azul

2009 - "Assim falava Jazzatustra" - Clean Feed/ Trem Azul

2011 - "You Taste Like a Song" - Clean Feed/ Trem Azul

2013 - "Amália por Júlio Resende" (Solo) - Valentim de Carvalho

2015 - "Fado & Further" (Solo) - Valentim de Carvalho

2017 - "Alexander Search" - Sony Music

ParticipaçõesEditar

  • Carlos Martins - "Água" (2008)
  • Jorge Moniz - "Deambulações" (2009)
  • Elisa Rodrigues - "Heart Mouth Dialogues" (2011)
  • Maria João - Ogre "Electrodoméstico" (2012)
  • Maria João - Ogre "Plástico" (2015)
  • Salvador Sobral - "Excuse Me" (2016)

Referências

Ligações externasEditar