Abrir menu principal
Jesus Adib Abi Chedid
39º Prefeito de Bragança Paulista Bandeira de Bragança Paulista.jpg
Período 1 de janeiro de 1993
até 31 de dezembro de 1996
Antecessor Nicola Cortez
Sucessor José Lavelli de Lima
41º Prefeito de Bragança Paulista Bandeira de Bragança Paulista.jpg
Período 1 de janeiro de 2001
até 31 de dezembro de 2004
1 de janeiro de 2005
até 10 de setembro de 2005
Antecessor José Lavelli de Lima
Sucessor João Afonso Sólis
44º Prefeito de Bragança Paulista Bandeira de Bragança Paulista.jpg
Período 1 de janeiro de 2017
até atualidade
Antecessor Fernão Dias da Silva Leme
Dados pessoais
Nascimento 6 de junho de 1938 (81 anos)
Campinas, SP
Progenitores Mãe: Saada Nader Abi Chedid
Pai: Hafiz Abi Chedid
Primeira-dama Marilis Reginato Abi Chedid
Partido DEM
Profissão Empresário

Jesus Adib Abi Chedid (Campinas, 6 de agosto de 1938)  é um político brasileiro. Foi três vezes eleito prefeito de Bragança Paulista.

Jesus é filho do político Hafiz Abi Chedid e de Saada Nader Abi Chedid, que emigraram para o Brasil em 1938, a bordo do transatlântico italiano "Oceania". É irmão do falecido ex-deputado, ex-presidente da Federação Paulista de Futebol e vice-presidente da CBF Nabi Abi Chedid [1], contra quem disputou uma eleição municipal em 2000. Jesus também é pai do deputado Edmir Chedid, além de tio do ex-deputado Marquinho Chedid.

Na vida pública, seguiu os passos de seu pai e o irmão, foi eleito prefeito de Bragança Paulista em 1992, foi eleito novamente em 2000 com 24.617 votos, foi reeleito em 2004 com 30.596 votos e foi eleito novamente com o maior número de votos para prefeito nas eleições de 2016 com 60.822 votos.[2]

Seu filho Edmir Chedid é deputado estadual. Seus demais filhos sairam da política.

Em setembro de 2005 teve seu mandato cassado (junto com o vice Amauri Sodré da Silva) pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo por auto-promoção através de programas de televisão custeados com recursos públicos. Em 2007 a cassação foi mantida com unanimidade no julgamento do recurso em que os acusados pediam reforma da decisão.[2][3]

Referências