Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João Falcão
Nome completo João Barreto Falcão Neto
Nascimento 20 de setembro de 1958 (60 anos)
Recife,  Pernambuco
 Brasil
Ocupação Diretor
Roteirista
Compositor
Cônjuge Adriana Falcão
IMDb: (inglês)

João Barreto Falcão Neto (Recife, 20 de setembro de 1958) é um diretor, roteirista e compositor brasileiro.

Foi casado com a escritora Adriana Falcão, com quem teve duas filhas: Clarice Falcão e Maria Isabel.

Índice

HistóriaEditar

Caçula de treze irmãos, João Falcão cresceu na Uzina Tiúma, na Zona da Mata Pernambucana. Mudou-se para Recife e, aos 21 anos, fez um rebuliço na cidade com o musical Muito Pelo Contrário (1981) – sua estreia como diretor, escritor e compositor de um mesmo espetáculo. Daí sucederam O Pequenino Grão de Areia, Cara Metade, A Ver Estrelas, Mamãe Não Pode Saber e tantas outras: estava declarada sua cruzada contra a mania de se tratar o teatro com tanta solenidade.

Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1996, quando adaptou e dirigiu o clássico de Moliére, O Burguês Ridículo, em parceria com Guel Arraes – e com ele dividiu o Prêmio Sharp de Melhor Espetáculo. Ainda nos anos 90, destacou-se escrevendo, dirigindo e musicando A Dona da História (1997), feita especialmente para Marieta Severo e Andréa Beltrão; e Uma noite na Lua (1998), seu primeiro monólogo, estrelado por Marco Nanini. Pela última, ganhou os prêmios Shell e Sharp por texto e direção. Ainda com Nanini e Marieta, adaptou e dirigiu Quem tem medo de Virgínia Woolf em 2001.

Mas se agora sua carreira começava a se cruzar com a de atores consagrados, permaneceu a inquietude de quem começou a fazer teatro com os amigos, se desdobrando para descobrir os talentos de cada um. Com A Máquina (2000), adaptação do romance homônimo de Adriana Falcão, João fez os olhos do país voltarem-se para os até então desconhecidos Wagner Moura, Lázaro Ramos e Vladimir Brichta.

A inquietude, por outro lado, também deu luz a uma obra que chama atenção pela proficuidade. Mundo afora, já teve peças traduzidas em inglês, francês, espanhol, alemão e hebraico. No país, só em 2015, João esteve com seis espetáculos que escreveu ou dirigiu em cartaz:Ensina-me a Viver, Uma Noite na Lua, Dhrama, A Dona da História, Gonzagão – a Lenda e Ópera do Malandro. As duas últimas seguem em turnê nacional, com direito a louros: Gonzagão ganhou quatro prêmios Bibi Ferreira (Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original, Melhor Direção Musical e Melhor Musical Brasileiro) e a Ópera, concorreu em quatro categorias. Em 2016, João adaptou e dirigiu Gabriela – Um Musical de Jorge Amado, ganhando entre diversos prêmios o APCA como melhor diretor.

Dentre outras peças que dirigiu e escreveu, pode-se destacar Cambaio (2002), cujas canções foram compostas por Chico Buarque e Edu Lobo; e Clandestinos (2008), que lhe rendeu o prêmio APTR de melhor texto e o Qualidade Brasil de melhor direção teatral de comédia – além de uma adaptação dirigida e assinada pelo próprio para a Rede Globo em 2010.

Na emissora, criou em parceria com Guel Arraes alguns dos melhores momentos da TV brasileira: João escreveu e dirigiu vários episódios para A Comédia da Vida Privada e adaptou clássicos da literatura para a série Brasil Especial e a minissérie O Auto da Compadecida.Ademais, escreveria, idealizaria e dirigiria diversas outras séries de televisão. Também não seja desprezada sua contribuição nos intervalos: como diretor, produziu mais de mil filmes publicitários. Quanto aos filmes para a tela grande, assinou dois: A Máquina (2006), adaptação para o cinema da obra de Adriana Falcão, e a comédia Fica Comigo Esta Noite (2006). Ainda colaborou elaborando a trilha sonora dos longa-metragens O Auto da Compadecida (2000) e Lisbela e o Prisioneiro (2003), ambos de Guel Arraes.

[1]

ObraEditar

AudiovisualEditar

TeatroEditar

  • 1980 - “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto e direção de Mônica Japiassu – Ator ou bailarino e compositor
  • 1980 - “O Extrato de Formosura”,  texto e direção de Eduardo Maia - Ator
  • 1980 - “Toda Nudez Será Castigada” de Nelson Rodrigues e direção de Antonio Cadengue - ator
  • 1981 - “Flicts, a Cor”, de Ziraldo e Aderbal Freire-Filho  – direção e músicas
  • 1981 - “Muito pelo Contrário” – texto, direção, figurinos e músicas
  • 1983 - “Xilique Peba Piriquito Xique” – texto, direção e figurinos
  • 1983 - “Cara Metade”- texto e direção
  • 1983 - “No Natal a Gente Vem Te Buscar”, de Naum Alves de Souza – direção
  • 1983 - “O Pequenino Grão de Areia” – texto e direção
  • 1983 - “Foi bom, meu bem?” de Luís Alberto de Abreu e direção de José Pimentel – Músicas
  • 1984 - “Como A Lua” de Vladimir Capella e direção de José Manoel – Músicas
  • 1984 - “Esse Estranho desejo” – texto, direção e músicas
  • 1985 - “A Ver Estrelas” – texto e direção
  • 1986 - “Palmas pra que te quero” – texto e músicas
  • 1986 - "Criadas da Glória" - texto e direção
  • 1987 - “Woody Grude”, baseado na obra de Woody Allen – Adaptação e direção
  • 1993 - “Mamãe Não Pode Saber” – texto e direção
  • 1996 - “A História do Homem”, direção de Roberto Lage – texto
  • 1996 - “O Improviso de Curitiba” ou “O Improviso de Versailles” de Molière, direção
  • 1996 -“O Burguês Ridículo”, de Molière – adaptação e direção
  • 1998 -“A Dona da História” – texto e direção
  • 1999 -“Uma Noite na Lua”, – direção e texto
  • 2000 - “Marilyn, Marilyn” – Texto
  • 2000 - “A Máquina”, de Adriana Falcão – adaptação e direção
  • 2000 - “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, de Edward Albee – direção
  • 2001 - “Cambaio”, em parceria com Adriana Falcão, Chico Buarque e Edu Lobo – direção e texto
  • 2002 - “Homem Objeto”, baseado na obra de Luíz Fernando Veríssimo  - adaptação e direção
  • 2004 - “Rita” – ópera de Donizzeti (Barcelona) – direção geral
  • 2005 - "As aventuras de Zé Jack e seu Pandeiro...” – texto e direção
  • 2006 - “O Pequeno Príncipe”, de Saint-Exupéry – adaptação e direção
  • 2008 - “Clandestinos” – texto e direção
  • 2008 - “Ensina-me a Viver”, de Colin Higgins – adaptação e direção
  • 2011 - “Eu Te Amo Mesmo Assim”, de Jô Abdu - supervisão geral e roteiro musical
  • 2012 - “O Grande Amor Da Minha Vida” em parceria com Guel Arraes e Jorge Furtado – texto
  • 2012 - “Gonzagão – A Lenda” – texto e direção
  • 2014 - “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque – adaptação e direção
  • 2016 - “Gabriela – Um Musical”, de Jorge Amado – adaptação e direção
  • 2017 - "Dorinha, meu amor" - texto e direção
  • 2018 - "A Dona da História"- texto e direção

ShowsEditar

  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.
  1. Arquivo pessoal