Joana, Princesa de Portugal

princesa portuguesa da Casa de Avis e santa católica
Disambig grey.svg Nota: Para outras santas de mesmo nome, veja Santa Joana.

Joana de Portugal, O.P. (também chamada Santa Joana Princesa embora oficialmente apenas seja reconhecida pela Igreja Católica como Beata) (Lisboa, 6 de fevereiro de 1452Aveiro, 12 de maio de 1490) foi uma princesa portuguesa da Casa de Avis, filha do rei D. Afonso V e de sua primeira mulher, a rainha D. Isabel.

Joana
Infanta D. Joana de Portugal, pintada por Nuno Gonçalves
Dinastia Dinastia de Avis
Nascimento 6 de fevereiro de 1452
  Lisboa
Morte 12 de maio de 1490 (38 anos)
  Aveiro
Enterro Mosteiro de Jesus
Pai Afonso V de Portugal
Mãe Isabel de Avis, Rainha de Portugal
Santa Joana de Portugal
Princesa de Portugal
Nascimento 6 de fevereiro de 1452 em Lisboa, Portugal
Morte 12 de maio de 1490 (38 anos) em Aveiro, Portugal
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 4 de Abril de 1693, Roma, Itália por Papa Inocêncio XII
Festa litúrgica 12 de maio
Gloriole.svg Portal dos Santos

Chegou a ser jurada Princesa herdeira da Coroa de Portugal, título que manteve até ao nascimento do seu irmão, o futuro rei D. João II.

Foi regente do reino em 1471, por altura da expedição de D. Afonso V a Arzila.

Foi também uma grande apoiante do irmão, o rei D. João II de Portugal.

BiografiaEditar

Filha de D. Afonso V, a princesa Joana recebeu uma educação esmerada, humanística, a cargo de dois letrados ilustres da época, Cataldo Áquila e Parísio Sículo[1].

Propostas de casamentoEditar

Após recusar veemente várias propostas de casamento, Joana juntou-se ao convento dominicano de Jesus, em Aveiro, em 1475. Seu irmão, até então, foi dado um herdeiro, para que a linha da família não estivesse mais em perigo de extinção. Ainda assim, ela foi obrigada várias vezes a deixar o convento e voltar à corte.

Recusou uma proposta de casamento de Carlos VIII de França, 18 anos mais novo que ela. Em 1485, ela recebeu outra oferta, do recém-viúvo Ricardo III de Inglaterra, que era apenas oito meses mais novo. Esta era para ser parte de uma aliança de casal conjugal, com sua sobrinha Isabel de Iorque a se casar com seu primo, o futuro D. Manuel I. No entanto, a morte de Ricardo em combate, do qual Joana supostamente teve um sonho profético, suspendeu esses planos.

Joana nunca chegou a professar votos de freira dominicana por ser princesa real e potencial herdeira do trono. No entanto viveu a maior parte da sua vida no Convento de Jesus de Aveiro, desde 1475 até à sua morte, seguindo em tudo a regra de vida e estilo das monjas.

 
Sepultura no Mosteiro de Jesus

BeatificaçãoEditar

A princesa Joana foi beatificada em 1693 pelo Papa Inocêncio XII, tendo festa a 12 de Maio. E o Papa Paulo VI, a 5 de Janeiro de 1965, declarou-a especial protectora da cidade de Aveiro.

RenascimentoEditar

No início do século XVIII, a nobreza portuguesa, clero e corte tiveram um renascimento do interesse pela princesa. Durante este tempo, o artista português Manuel Ferreira e Sousa foi o artista mais famoso nesse renascimento. Ele foi contratado por várias instituições religiosas, nobres e até a família real para pintar cenas de sua vida.

Pinturas de Manuel Ferreira e Sousa da Princesa Santa Joana de Portugal foram altamente contratado do 1720 ao 1740, quando o interesse no século 15 Português princesa começou a desaparecer.

Referências

  1. Revista 25 de Abril n.º11 (1976). Festas em Honra de Santa Joana Princesa. [S.l.]: Secretaria de Estado da Emigração 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joana, Princesa de Portugal

Precedido por
D. Fernando
 
Princesa herdeira de Portugal

1452-1455
Sucedido por
D. João
Precedido por
D. Afonso V
(como rei)
 
Regente de Portugal

1471
Sucedido por
D. Afonso V
(como rei)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.