Filadelfo de Azevedo

magistrado, jurista e político brasileiro

José Filadelfo de Barros e Azevedo (na grafia original, José Philadelpho de Barros e Azevedo; Rio de Janeiro, 13 de março de 1894Haia, 7 de maio de 1951) foi um magistrado, jurista e político brasileiro. Foi interventor do então Distrito Federal de 3 de novembro de 1945 a 30 de janeiro de 1946 e ministro do Supremo Tribunal Federal de 16 de agosto de 1942 a 26 de janeiro de 1946.[1]

Filadelfo de Azevedo
Nascimento 1 de março de 1894
Rio de Janeiro
Morte 7 de maio de 1951
Haia
Cidadania Brasil
Ocupação jurista, professor universitário, advogado, magistrado, político, juiz,
Empregador Universidade Federal do Rio de Janeiro

Cursou humanidades no Colégio Pedro II, e no ano de 1914 bacharelou-se em Direito na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, hoje Faculdade Nacional de Direito da UFRJ.

Foi o primeiro juiz brasileiro indicado para o Tribunal Internacional de Justiça da ONU em 1946[2] (embora outros já tivessem servido a Corte Permanente de Justiça de Haia, que a antecedeu).

ObrasEditar

  • Direito moral do escriptor. Rio de Janeiro (1930);
  • Um triênio de judicatura. São Paulo (1948).

Referências

  1. «Ministro Philadelpho e Azevedo». Supremo Tribunal Federal. Consultado em 21 de novembro de 2020 
  2. Lei para Rua Prof. José Filadelfo de Barros Azevedo (PDF), São Paulo Câmara Municipal, consultado em 11 de setembro de 2014, arquivado do original (PDF) em 12 de setembro de 2014 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Henrique Dodsworth
Interventor do Distrito Federal (1889-1960)
1945 — 1946
Sucedido por
Hildebrando de Araújo Góis