Abrir menu principal

José Manuel da Câmara de Atalaia

(Redirecionado de José Manuel da Câmara)
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo título, veja José I.
José Manuel da Câmara de Atalaia
Cardeal da Igreja Católica
Patriarca de Lisboa

Título

Cardeal-Patriarca de Lisboa
Atividade Eclesiástica
Diocese Patriarcado de Lisboa
Nomeação 20 de maio de 1754
Predecessor Dom Tomás de Almeida
Sucessor Dom Francisco de Saldanha da Gama
Mandato 1754 - 1758
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1710?
Nomeação episcopal 20 de maio de 1754
Ordenação episcopal 1 de julho de 1754
por Dom Luca Melchiore Cardeal Tempi
Nomeado Patriarca 20 de maio de 1754
Cardinalato
Criação 10 de abril de 1747
por Papa Bento XIV
Brasão
CardinalCoA PioM.svg
Dados pessoais
Nascimento Flag of Portugal (1750).svg Lisboa
25 de dezembro de 1686
Morte Flag of Portugal (1830).svg Lisboa
9 de julho de 1758 (71 anos)
Progenitores Mãe: Francisca Leonor de Mendonça
Pai: Luís Manoel de Távora
Sepultado Igreja da Atalaia
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

José Manuel da Câmara de Atalaia (Lisboa, 25 de Dezembro de 1686Atalaia, 9 de Julho de 1758), foi o segundo Patriarca de Lisboa com o nome de D. José I (eleito em 10 de Março de 1754). Bento XIV fê-lo cardeal -presbítero em 10 de Abril de 1747.[1]

BiografiaEditar

Era filho de D. Luís Manoel de Távora, 4.º Conde de Atalaia, e de sua segunda mulher D. Francisca Leonor de Mendonça, irmão consanguíneo do 5.º Conde e irmão do 6.º Conde e 1.º Marquês de Tancos.

Estudou no Colégio de São Pedro, em Coimbra, da Ordem Terceira de São Francisco.[1]

Nomeado para o serviço da Capela Real, onde foi sumilher da cortina. Em 15 de Maio de 1710, Dom João V de Portugal nomeou-o reitor da Capela Real, que havia sido recentemente construído como uma igreja colegiada de São Tomé em 1 de Março daquele ano. Em 7 de Novembro de 1716, a Capela Real tornou-se Sé patriarcal metropolitana pela bula papal In supremo apostolatus e Dom José Manuel tornou-se membro do Colégio dos Principais, e como seu reitor, presidiu o Te Deum, na qual pela primeira vez todas as dignidades usavam hábitos de prelado.[1]

Atribuído como um juiz do Supremo Tribunal da Inquisição de Lisboa, e presidente da Grande Cúria. Adjunto para os Junta dos Três Estados e Provedor da Misericórdia de Atalaia. Nomeado pelo rei D. João V primarius principalis da igreja catedral de Lisboa, e protonotário apostólico. Ele foi promovido ao cardinalato, a pedido de Dom João V, sendo criado cardeal-presbítero no consistório de 10 de Abril de 1747, com um breve apostólico de 17 de Abril de 1747, Monsenhor Carlo Livizzani levou o barrete cardinalício para Lisboa, já que ele nunca foi a Roma para receber o barrete e o título. Ele foi apresentado por Dom José I de Portugal para a Sé patriarcal de Lisboa, em 9 de Março de 1754.

Eleito Patriarca de Lisboa em 20 de Maio de 1754, ele recebeu o pálio no mesmo dia. Ele tomou posse da Sé em 2 de Junho e foi consagrada em 25 de Julho, em Lisboa, pelo cardeal eleito Lucas Melchor Tempi, arcebispo-titular de Nicomédia, núncio apostólico em Portugal, assistido por José Henriques, bispo de Constantina, e por Hilário de Santa Rosa, O.F.M., ex-bispo de Macau.[1] Depois que se tornou o patriarca, não usou o sobrenome novamente. No sábado 7 de Setembro de 1754, ele entrou solenemente na Sé.[1]

Viveu o Terramoto de 1755, tendo acabado por se retirar e morrer pouco depois, malquistado com o Marquês de Pombal e as perseguições que este movera à Companhia de Jesus.[1]

Morreu em 9 de Julho de 1758, três dias após o Conclave de 1758, o qual não participou. Ele foi exposto no palácio de sua família. O funeral teve lugar em 12 de Julho, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção da Atalaia, onde foi enterrado na parede do lado do Evangelho da capela-mor. Atualmente, seu túmulo está sob o altar principal.[1]

Referências

Ligações externasEditar