José María Guido

José María Guido (Buenos Aires, 29 de agosto de 1910Buenos Aires, 13 de junho de 1975), advogado e político, foi o presidente da Argentina entre 1962 e 1963.[1][2][3] Assumiu a presidência após um golpe de Estado contra Arturo Frondzi.

José María Guido
José María Guido
30.º Presidente da Argentina
Período 29 de março de 1962
a 12 de outubro de 1963
Antecessor(a) Arturo Frondizi
Sucessor(a) Arturo Umberto Illia
44.º Presidente do Senado Argentino
Período 31 de março de 1958
a 12 de agosto de 1962
Antecessor(a) Ramón Albariño
Sucessor(a) Eduardo Gamond
Senador pelo Río Negro
Período 1 de maio de 1958
a 29 de março de 1962
Dados pessoais
Nascimento 29 de agosto de 1910
Buenos Aires, Argentina
Morte 13 de junho de 1975 (64 anos)
Buenos Aires, Argentina
Partido Unión Cívica Radical Intransigente - UCRI
Profissão Advogado e político

BiografiaEditar

Guido foi eleito Senado argentino pela Província de Río Negro em 1958, representando a União Cívica Radical Intransigente (UCRI). Ele foi eleito Presidente Provisório do Senado e tornou-se o primeiro na linha da Presidência após a renúncia do Vice-Presidente Alejandro Gómez.

PresidênciaEditar

 
Sepultura de José María Guido no Cemitério da Recoleta.

Após a vitória provincial dos peronistas recentemente re-legalizados, os militares depuseram o presidente Arturo Frondizi, mas relutantemente permitiram que Guido assumisse a presidência, com o apoio da Suprema Corte da Argentina. Guido tornou-se assim o único civil a tomar o poder na Argentina por meio de um golpe militar. Guido ordenou ao Congresso que anulasse os resultados das eleições de 1962 e suprimiu a causa peronista novamente. Sua presidência foi marcada por violentos confrontos entre facções militares rivais, culminando na Revolta da Marinha Argentina de 1963, que o governo de Guido reprimiu com sucesso. As eleições foram permitidas em 1963, o que levou Arturo Umberto Illia ao poder.[1][2][3]

Referências

  1. a b Grande enciclopédia portuguesa e brasileira: actualização. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia. 1981. p. 300 
  2. a b Planejamento, Centro Brasileiro de Análise e (1973). Estudos CEBRAP. 3-6 ed. São Paulo: Editôra Brasileira de Ciências Ltda. p. 96 
  3. a b 100 años al servicio del país, 1872-1972 (em espanhol). Buenos Aires: Banco de Italia y Río de la Plata. 1972. p. 270 

Precedido por
Arturo Frondizi
Presidente da Argentina
1962 - 1963
Sucedido por
Arturo Umberto Illia
  Este artigo sobre um político argentino é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.