Abrir menu principal

José filho de Abraão Gikatilla - יוסף בן אברהם ג'יקטיליה - Chiquitilla (Chiquatilla). Cabalista espanhol; nascido em Medinaceli, Old Castile,[1][2] em 1248; morreu em 1305 em Peñafiel. Por muito tempo aluno de Abraão Abulafia, Gikatilla é considerado o maior cabalista espanhol, cujos escritos influenciaram Moisés de Leão (que para muitos é verdadeiro autor do Zohar).[3][4]

Índice

Panorama geralEditar

VidaEditar

Gikatilla foi durante algum tempo um aluno do cabalista Abraão Abulafia, por quem ele é altamente elogiado; seu conhecimento cabalístico tornou-se tão profundo que ele aparentemente era capaz de fazer milagres, por causa disso, o chamavam de "José Baal HaNissim."[Notas 1] Como seu mestre, Gikatilla ocupou-se com combinações místicas e transposições de letras e números; de fato, Abulafia o considerava o continuador de sua escola.[Notas 2]

Mas Gikatilla não era um adversário da filosofia; pelo contrário, ele tentou reconciliar a filosofia com a cabalá, declarando que esta é a base da primeira. Ele, no entanto, lutou contra a ciência superior, isto é, misticismo. Suas obras, em geral, representam um desenvolvimento progressivo do insight filosófico do misticismo. Seu primeiro trabalho sobre filosofia e o Talmud, mostra que ele tinha um conhecimento considerável das ciências seculares e que ele estava familiarizado com as obras de Ibn Gabirol, Ibn Ezra, Maimônides e outros.

EscritosEditar

Sistema de GuemátriaEditar

Gikatilla foi um escritor prolífico; ele escreveu seu primeiro trabalho Ginnat Egoz quando tinha apenas 26 anos. É um tratado cabalístico em três partes.[Notas 3] O título significa "jardim de nozes,"[Notas 4] "Ginnat", consistindo nas iniciais de "Guemáṭria", "Notariqon", "Temurá," os três elementos principais da Cabalá, enquanto "Egoz" (a noz) é o emblema do misticismo; as parte tratam:

  1. A primeira parte, em cinco capítulos, trata dos vários nomes de Deus que ocorrem no Tanak. De acordo com Gikatilla, "YHWH"é o único nome que representa a substância de Deus; os outros nomes são meramente predicados dos atributos divinos "YHWH" representa Deus como Ele é, enquanto "Eloim" denota Deus como o poder criativo. O nome "Tzeva'ot," diz ele, aplica-se a todos os seres das três naturezas, terrena, celestial (ou esferas), espíritos (ou formas). A interpretação de צבאות‬ (hospedeiro) as צבא אותיות ("hospedeiro das letras").
  2. A segunda parte, que trata das letras do alfabeto. Ele declara que o número dez emanou de YHWH, a causa primitiva, é a fonte de todo ser; ele tenta provar sua afirmação por combinações diferentes baseadas em religião, filosofia, física e misticismo. Ele mostra que a visão talmúdica de que o espaço está cheio de espíritos concorda com a crença dos filósofos de que não há vácuo. Ele também trata aqui das revoluções do sol e da lua, dando os tamanhos relativos dos planetas.
  3. A terceira parte é um tratado, em quatro capítulos, sobre as vogais. As três vogais primitivas, "ḥolem", "shuruḳ" e "ḥiriḳ", representam os mundos superior, médio e inferior; os três compostos, "ẓere", "segol" e "shewa", representam a composição ou a construção dos mundos; os "pataḥ" e "ḳameẓ" representam seus movimentos.

Gikatilla às vezes critica o "Sefer Yetzirá" e o "Pirḳe Heikalot". Os sete céus,[Notas 5] são identificados por ele com os sete planetas. Ele considera Maimonides em grande estima, mesmo quando se opõe a ele, e o cita muito frequentemente. Outras autoridades citadas por ele são Ibn Gabirol, Samuel ibn Nagrella e Abraham ibn Ezra.

Isaac b. Samuel de Acre em seu "Me'irat 'Enayyim" critica severamente Gikatilla pelo uso livre demais do Santo Nome.

Em outra obra, "Sha'are Oraḥ", ou "Sefer ha-Oraḥ", que trata de dez capítulos com os nomes de Deus,[Notas 6] Gikatilla toma uma atitude um tanto hostil à filosofia. Ele cita apenas o "Sefer Yetzirá" e o "Pirḳe Heikalot", e há até mesmo uma contradição de suas visões anteriormente declaradas sobre as esferas. Landauer,[Notas 7] portanto, nega a autoria de Gikatilla deste trabalho, embora seja creditado a ele por todos os autores antigos.

Essas diferenças, no entanto, são meramente indicativas da transição de Gikatilla de filósofo para místico. O "Sha'are Oraḥ" é citado por Shem-Ṭov ben Shem-Ṭov, Moisés al-Ashḳar e Judá Ḥayyaṭ e longos trechos dele são inseridos por Reuben ben Hoshke em seu "Yalḳuṭ Reubeni." Foi traduzido para o latim por Paul Ricius e usado por Reuchlin como uma defesa contra seus adversários. "Sha'are Ẓedeḳ", ou "Sha'ar ha-Shamayim", um tratado de Gikatilla sobre as dez esferas,[Notas 8] é apenas uma reformulação do "Sha'are Oraḥ". Em diferentes manuscritos da obra, o nome do autor é escrito de várias maneiras: "Gribzul", "Karnitol" e "Necatil", todas corrupções para "Gikatilla".

Outros trabalhosEditar

"Hassagot" (inédito) consiste em restrições sobre o "Moreh," Gikatilla usou a tradução de Al-Ḥarizi,[5] na qual ele corrige muitos erros e algumas vezes difere de Maimônides. Parece que ele escreveu o "Hassagot" no início de sua carreira literária, quando ele era mais filósofo e menos místico. Suas outras obras são as seguintes: "Sefer ha-Niud", explicação mística das vogais, incluída no "Arze Líbano;"[Notas 9] "Sod ha-Ḥashmal," segundo Zunz idêntico ao "Perush Merkabah," um comentário cabalístico sobre a visão de Ezequiel, também impresso com o "Arze Líbano;" "Paofnat Pa'aneaḥ," comentário sobre o "Pesaḥ Hagadá;"[Notas 10] "Sodot ha-Miẓwot," explicação cabalística dos mandamentos; "Iggeret," ensaios cabalísticos;[Notas 11] "Teshubot," responsa; "Sha'ar Meshalim," ensaio cabalístico em 138 parágrafos; "Oẓar ha-Kabod," segundo Jellinek, o mesmo que o "Sodot ha-Miẓwot," um comentário sobre Shir HaShirim. Jellinek pensa que Gikatilla compôs um tratado cabalístico intitulado "Heikalot" do mesmo personagem que o "Pirḳe Hekalot."

NotasEditar

  1. O Traumaturgo; Zacuto, "Yuḥasin," p. 224a
  2. Jellinek, "B. H." iii. p. xl.
  3. Hanau, 1615
  4. de Cant. Vi. 11
  5. Ḥag. 12a
  6. Mântua, 1561
  7. "Orient, Lit." vi. 227
  8. Riva, 1561
  9. Veneza, 1601
  10. ib.1600 [?]
  11. Feṙrara, 1556

Referências

  1. «Old Castile». Wikipedia (em inglês). 4 de março de 2018 
  2. «Old Castile | historical region, Spain». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  3. «Joseph Gikatilla | Spanish Kabbalist». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  4. «GIKATILLA, JOSEPH B. ABRAHAM - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 19 de abril de 2018 
  5. «AL-ḤARIZI, JUDAH B. SOLOMON B. HOPHNI - JewishEncyclopedia.com». www.jewishencyclopedia.com. Consultado em 19 de abril de 2018 

Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia) (em inglês) de 1901–1906, uma publicação agora em domínio público.

BiografiaEditar

  • Jellinek, Beitrüge zur Gesch. der Kabbala, ii. 61 et seq.;
  • Zunz, Additamenta (to the catalogue of the Hebrew manuscripts in Leipsic), pp. 320-321;
  • Cassel, in Ersch and Gruber, Encyc. section ii., part 31, pp. 76-80;
  • S. Sachs, in Ha-Yonah, p. 80;
  • Landauer, in Orient, Lit. vi. 227-228;
  • Carmoly, Itinéraires, p. 276;
  • Grätz, Gesch. 3d ed., pp. 194, 198;
  • Steinschneider, Cat. Bodl. cols. 1461-1470.
  • Federico Dal Bo, Emanation and Philosophy of Language. An Introduction to Joseph ben Abraham Giqatilla, Los Angeles, Cherub Press, 2019.

Ligações externasEditar

Gikatilla, Joseph bem Avraham (1615). «Ginat egoz» (em hebraico). Hanova. Consultado em 19 de abril de 2018