Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
"Justify My Love"
Single de Madonna
do álbum The Immaculate Collection
Lado B "Express Yourself" (1990) (remix)
Lançamento 6 de novembro de 1990 (Mundo todo)
2 de dezembro de 1990 (GB)
10 de dezembro de 1990 (Japão)
Formato(s) CD single, maxi-single, video-single, cassete, 7"
Gravação Agosto de 1990;
Axis Recording Studios
(Nova Iorque, Nova Iorque)
Gênero(s) Trip-hop, porn groove
Duração 4:59
Gravadora(s) Warner Bros.
Composição Lenny Kravitz, Ingrid Chavez (creditada posteriormente), Madonna (letras adicionais)
Produção Lenny Kravitz, André Betts
Certificação(ões) Platina (RIAA)[1]
Ouro (Music Canada)[2]
Prata (BPI)
Cronologia de singles de Madonna
"Hanky Panky"
(1990)
"Rescue Me"
(1991)

"Justify My Love" é uma canção da cantora norte-americana Madonna, tirada de sua primeira compilação, The Immaculate Collection. Foi escrita por Lenny Kravitz e co-escrita por Ingrid Chavez e Madonna e lançada como single em 6 de novembro de 1990. A canção causou polêmica internacional, devido ao vídeo da música de acompanhamento que foi sexualmente explícito e até mesmo proibida pela MTV. Madonna ficou indignada e ela apareceu no programa Nightline da ABC[desambiguação necessária], para se defender. O single também foi lançado como um vídeo único e se tornou o single mais vendido de vídeo de todos os tempos.[3] Quando lançado, o single chegou ao topo da Billboard Hot 100 (o seu nono número um) e muitos outros charts no mundo inteiro. Chegou ao número dois nas paradas britânicas de Natal, vendendo 228.683 cópias.

A música foi escrita por Lenny Kravitz com letras adicionais de Madonna e provocou polêmicas a todos os níveis desde seu lançamento. Justify My Love ficou 2 semanas em primeiro lugar na Billboard. Em termos de autoria Lenny acabou sendo processado por uma mulher chamada Ingrid Chavez que afirmava ser co-autora da música; num acordo Lenny concordou em dar a ela 25% dos seus direitos autorais desde que Chavez concordasse que ele ficasse como único autor da música. Pouco depois foi a vez do Public Enemy vir a público afirmar que JML tinha samples não autorizados de uma música deles, na época Madonna deu uma declaração em tom irônico para a MTV dizendo que achava engraçado eles reclamarem de serem sampleados, já que todas as suas músicas eram feitas em cima de samples tirados de músicas do James Brown também sem autorização.

A música em si, apesar de ter batidas envolventes, passar um clima de sensualidade e ter um vocal grave e cheio de libido da Madonna, não tem letras explícitas. "Justify My Love" vendeu mais de um milhão de cópias e faz sucesso até hoje, sempre aparece nas listas de músicas mais sensuais da história. A música foi feita inicialmente para a Paula Abdul. "Justify My Love" junta pela primeira vez o time que irá trabalhar com Madonna no futuro álbum "Erotica". JML foi co-produzida por Andre Betts e mixada pelo Shep Petiibonne. Um destaque desse single é que ele também traz a presença de William Orbit, que fez um dos melhores remixes de toda a carreira da Madonna, o "Justify My Love (Orbit 12" Mix)".

No maxi-single temos ainda o remix "The Beast Whithin", que muitos consideram como uma música à parte e não somente uma versão diferente de Justify my Love, pois a letra de The Beast Within usa trechos da Bíblia tirados do Apocalipse. Por causa do trecho: "They are a synagogue of Satan", Madonna foi acusada de anti-semitismo, mas antes que a situação alcançasse uma repercussão maior ela declarou que isso não procedia e se desculpou se involuntariamente havia ofendido alguém.

"Justify My Love" vendeu mais de um milhão de cópias e faz sucesso até hoje, sempre aparece nas listas de músicas mais sensuais da história. A música foi feita inicialmente para Paula Abdul.

O single foi lançado em vinil 12" e 7", fita cassete e cd. No Brasil há um promo em vinil exclusivo para Justify my Love que usa uma arte semelhante à de "The Immaculate Collection" com capa azul, logo da Immaculate Collection e sem foto da Madonna na capa.

VideoclipeEditar

A polêmica novamente surgiu por causa do videoclipe, considerado quase pornográfico em 1990, acabando por ser ele banido, o primeiro clipe de Madonna a ser censurado na MTV americana; aproveitando-se disso a Warner resolveu lançar o clipe como video single em VHS, que vendeu milhões de cópias e é até hoje o mais vendido da história. O clipe foi rodado em preto e branco e mostra Madonna caminhando pelos corredores de um hotel carregando uma mala, em dado momento ela é seduzida e levada a uma jornada de prazer, cada quarto parece esconder uma tara, um fetiche diferente e Madonna espertamente participa de todas essas fantasias, há referências a sexo lésbico, bissexualidade, dominação, homossexualidade e sadomasoquismo, mas é tudo mais sugerido do que mostrado. Uma presença em destaque é a do modelo Tony Ward, namorado da Madonna na época e conhecido pelo seu comportamento sexual extremamente liberado.

"Justify My Love" junta pela primeira vez o time que irá trabalhar com Madonna no futuro álbum "Erotica". JML foi co-produzida por Andre Betts e mixada por Shep Petiibonne. Um destaque desse single é que ele também traz a presença do William Orbit que fez um dos melhores remixes de toda a carreira da Madonna, o "Justify My Love (Orbit 12" Mix)".

Assim, "Justify My Love" foi o primeiro single de vídeo VHS lançado pela cantora americana Madonna e foi a primeira vez que um artista lançou um single neste formato. Foi lançado pela Warner Music Vision, Warner Reprise Video e Sire para capitalizar sobre a controvérsia em torno do videoclipe de "Justify My Love", que foi posteriormente banido pela MTV.

O vídeo teve direção de Jean-Baptiste Mondino, produção de Philippe Dupuis-Mendel, direção de fotografia de Pascal Lebegue, edição de Olivier Gajan, como companhia de produção Bandits em coprodução com Propaganda Films.

Em 3 de dezembro de 1990, o Nightline exibiu o vídeo na íntegra e entrevistou Madonna ao vivo sobre o conteúdo sexual e a censura do vídeo. Quando perguntada se ela estava ganhando mais dinheiro vendendo o vídeo do que exibindo na MTV, ela encolheu os ombros e respondeu: "Sim, então? Sorte minha." Ela também mencionou que a proibição era hipócrita, já que os artistas masculinos puderam exibir vídeos musicais no canal que continham imagens sexistas e violentas. Ela também mencionou que em seu videoclipe "Vogue" ela usava uma blusa de renda transparente que expunha seus seios, mas isso foi passado pelo canal.[4]

O vídeo contém imagens de sadomasoquismo, voyeurismo e bissexualidade. A controvérsia acabou sendo um golpe publicitário e financeiro, com o single passando duas semanas consecutivas em primeiro lugar no Hot 100 da Billboard no início de 1991.[4]

FormatosEditar

Lançado apenas em VHS, a embalagem na América do Norte era uma capa preta simples com um adesivo em volta, de modo que se assemelhava a um "vídeo decadente". Na versão europeu, veio incluso com a apresentação de "Vogue" no MTV Video Music Awards de 1990. No Reino Unido, o vídeo recebeu o certificado de "18" anos pela British Board of Film Classification, o que significa que ninguém com idade inferior a legalmente poderia comprar ou ver o lançamento.[5]

O vídeo foi filmado principalmente em preto e branco granulado no estilo de um filme de arte européia da década de 1960. Acontece em um hotel elegante que aparentemente atende a casais de estilo de vida alternativo. Madonna (ou seu personagem) entra com o olhar cansado e angustiado enquanto caminha pelo corredor em direção ao seu quarto. Lá, ela tem um romance com um homem misterioso (interpretado por Tony Ward). Algumas das portas dos outros cômodos estão entreabertas, e visto vários casais brincando em trajes de fetiche BDSM (couro, roupas de látex e espartilhos).

Em uma sequência de sonho, Madonna rola na cama vestindo uma calcinha de renda macia, enquanto várias figuras vêm e vão. A única nudez (que levou ao vídeo a ser banido) ocorre quando uma mulher do tipo dominatrix topless (com suspensórios cobrindo parcialmente os seios) aparece e agarra grosseiramente um homem (o mesmo homem que está com Madonna) pelos cabelos. Sua roupa, que inclui um chapéu de couro e luvas pretas, copia o conjunto icônico usado por Charlotte Rampling no polêmico filme The Night Porter. (Tanto o filme quanto o vídeo tem elementos do sadomasoquismo.)

A apresentação geral é surreal e deliberadamente ambígua. O séquito de personagens estranhos pode ser real ou simplesmente fantasias da imaginação de Madonna. No final, uma Madonna rejuvenescida corre para fora do quarto do hotel, sorrindo e rindo. O vídeo então se transforma em uma tela preta com uma frase escrita em branco no canto superior esquerdo, "pobre é o homem cujos prazeres dependem da permissão de outro", que depois desaparece.

No momento de seu lançamento, o vídeo chegou ao segundo lugar na parada Top Music Videos da Billboard por duas semanas e passou 39 semanas no gráfico geral.[6] O videoclipe foi lançado em DVD pela primeira vez no álbum de vídeo Celebration: The Video Collection em 2009. Esta versão do vídeo foi censurada com barras pretas em uma cena que contém nudez feminina.

Apresentações em turnêsEditar

Faixas e formatosEditar

Cassette single americano/7" single
  1. "Justify My Love" (Álbum) – 4:58
  2. "Express Yourself" (1990) (Remix do álbum) – 4:02
CD Maxi-single americano
  1. "Justify My Love" (Q-Sound Mix) – 4:54
  2. "Justify My Love" (Orbit 12" Mix) – 7:16
  3. "Justify My Love" (Hip Hop Mix) – 6:30
  4. "Express Yourself" (1990) (Shep's 'Spressin' Himself Re-Remix) – 9:30
  5. "Justify My Love" (The Beast Within Mix) – 6:10
CD single alemão
  1. "Justify My Love" (Orbit 12" Mix) – 7:16
  2. "Justify My Love" – 5:00
  3. "Express Yourself" (1990) (Shep's 'Spressin' Himself Re-Remix) – 9:30
CD single alemão (William Orbit Remix)
  1. "Justify My Love" (William Orbit Remix) – 7:07
  2. "Justify My Love" (album version) – 5:02
  3. "Express Yourself" (1990) (Shep's 'Spressin' Himself Re-Remix) – 9:30

Lista de faixasEditar

Versão americana do VHS
N.º TítuloCompositor(es)Diretor Duração
1. "Justify My Love"  
Philippe Dupuis-Mendel 4:54
Duração total:
4:54
Versão britânica/européia do VHS
N.º TítuloCompositor(es)Diretor Duração
1. "Justify My Love"  
Philippe Dupuis-Mendel 4:54
2. "Vogue" (apresentação ao vivo da música no MTV Video Music Awards de 1990)
  6:25
Duração total:
11:19

Desempenho nas paradasEditar

CertificaçõesEditar

Região Certificação Vendas
  Estados Unidos (RIAA)[11]   4× Platina 400,000

Referências

  1. RIAA Gold & Platinum Searchable Database - Madonna Platinum Singles Arquivado abril 25, 2012 no WebCite . RIAA.com. Retrieved 2009-08-19
  2. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 18 de agosto de 2012 
  3. «madonna-online.ch:: discography - justify my love, 1990». Consultado em 21 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 15 de setembro de 2008 
  4. a b Rich, Joshua (20 de novembro de 1998). «Madonna Banned». Entertainment Weekly. Consultado em 31 de agosto de 2010 
  5. BBFC.co.uk Madonna Justify My Love
  6. Caulfield, Keith (4 de junho de 2003). «Ask Billboard». Billboard. Consultado em 26 de outubro de 2014 
  7. Lescharts.com
  8. «Top Singles - Volume 53, No. 9, February 02 1991». Consultado em 21 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 12 de outubro de 2012 
  9. «Madonna: Discografia Italiana» (em Italian). Federation of the Italian Music Industry. 1984–1999. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  10. «Billboard Top 100 - 1991». Consultado em 15 de setembro de 2009 
  11. «American video certifications – Madonna – Justify My Love». Recording Industry Association of America. Consultado em 26 de fevereiro de 2019