Abrir menu principal

Lagoa dos Três Cantos

município do Rio Grande do Sul
Lagoa dos Três Cantos
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Lagoa dos Três Cantos
Bandeira
Brasão de armas de Lagoa dos Três Cantos
Brasão de armas
Hino
Lema Trabalho, união e progresso
Gentílico três-cantense
Localização
Localização de Lagoa dos Três Cantos no Rio Grande do Sul
Localização de Lagoa dos Três Cantos no Rio Grande do Sul
Lagoa dos Três Cantos está localizado em: Brasil
Lagoa dos Três Cantos
Localização de Lagoa dos Três Cantos no Brasil
Mapa de Lagoa dos Três Cantos
Coordenadas 28° 34' 15" S 52° 51' 28" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Municípios limítrofes Tapera, Não-Me-Toque, Selbach, Colorado, Victor Graeff
Distância até a capital 277 km
História
Fundação 20 de março de 1992 (27 anos)
Aniversário 20 de março
Administração
Prefeito(a) Dionisio Pedro Wagner[1] (PP, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 138,636 km²
População total (est. IBGE/2016[3]) 1 649 hab.
Densidade 11,89 hab./km²
Clima Não disponível
Altitude 482 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 99495-000
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,789 alto
PIB (IBGE/2008[5]) R$ 41 582,223 mil
PIB per capita (IBGE/2008[5]) R$ 25 448,12

Lagoa dos Três Cantos é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

GeografiaEditar

Localiza-se a uma latitude 28º34'15" sul e a uma longitude 52º51'28" oeste, estando a uma altitude de 482 metros. Sua população em 2010 segundo IBGE era de 1 598 habitantes. Distância da Capital: 290 quilômetros. Situa-se no Planalto Médio - Microrregião do Alto Jacuí, fazendo divisa com Tapera, Não-Me-Toque, Victor Graeff, Selbach e Colorado. Sua área territorial é de 138,64 km².

Língua regionalEditar

O dialeto alemão Riograndenser Hunsrückisch falado por milhares[6] de habitantes do estado do Rio Grande do Sul desde há quase duzentos anos (bem como falado em estados e países adjacentes), faz parte da história de Lagoa dos Três Cantos. Em 2012 a câmara dos deputados do estado votou em unanimade a favor do reconhecimento official do Riograndenser Hunsrückisch, o dialeto alemão mais falado no Brasil, e com a maior concentração de falantes no Rio Grande do Sul, como parte do patrimônio cultural imaterial a ser preservado e protegido.[7] Na verdade este reconhecimento se dá devido a um trabalho que vem sendo efetivado desde há longos anos por iniciativa individual, comunitária, de linguistas e academicos, como por exemplo o professor Dr. Cléo Vilson Altenhofen da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Hoje este dialeto também é reconhecido internacionalmente como uma língua em perigo de extinção e, presentemente, cresce a conscientização popular da necessidade reverter este diagnóstico. Tradicionalmente o dialeto manteve-se em grande parte um língua ágrafa (sem produção escrita em larga escala), apoiando-se no uso centenário do alemão padrão (Hochdeutsch) para tal; hoje existem crescentes iniciativas de produzir textos escritos no Hunsrückisch brasileiro para ajudar na sua preservação.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «LAGOA DOS TRÊS CANTOS». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. 2 de outubro de 2016. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2016» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de junho de 2017 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 21 de setembro de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. Projeto ALMA UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Projetos associados: Projeto Bilinguismo no Rio Grande do Sul (BIRS); Coordenação Walter Koch; Vigência 1885-1989
  7. Riograndenser Hunsrückisch: Com quase 200 anos de história, o idioma Riograndenser Hunsrückisch Plattdeitsch passa a ser reconhecido como patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul em 2012; publicado no dia 31 de agosto de 2012 por Paul Beppler
  8. Riograndenser Hunsrückisch: Fundamentos para uma escrita do Hunsrückisch falado no Brasil; Cléo V. Altenhofen; Jaqueline Frey; Maria L. Käfer; Mário Klassmann; Gerson R. Neumann; Karen Pupp Spinassé; publicado no dia 14 de maio de 2013 por Paul Beppler

Ligações externasEditar