Abrir menu principal

Laureano Correia e Castro

Laureano Corrêa e Castro
Conhecido(a) por Primeiro presidente da Câmara Municipal de Paty do Alferes
Nascimento 1790[1]
Paraíba do Sul,  Rio de Janeiro
Morte 9 de janeiro de 1861[2]
Vassouras,  Rio de Janeiro
Parentesco Meio-irmão da mãe do barão do Piabanha. Irmão do primeiro barão do Tinguá.[1]
Cônjuge Eufrásia Joaquina do Sacramento Andrade
Ocupação Fazendeiro e político
Serviço militar
Patente Coronel Comandante Superior da Guarda Nacional de Vassouras e Iguaçú
Título Barão de Campo Belo , recebido em 2 de dezembro de 1854

Laureano Correa e Castro[nota 1] barão de Campo Belo (Paraíba do Sul, 1790Vassouras, 9 de janeiro de 1861) foi um fazendeiro e político brasileiro do século XIX, cuja família teve importante participação na criação e primórdios das cidades de Vassouras e Paty do Alferes.

BiografiaEditar

Era filho de Pedro Correa e Castro e de Mariana das Neves Correia, que era viúva de José de Pontes França.[1]

Casou-se aos aos trinta anos com sua sobrinha, Eufrásia Joaquina do Sacramento Andrade, filha de sua meia-irmã Ana Esméria de Pontes França, casada com o Capitão Cristovão Rodrigues de Andrade.

Foi o primeiro presidente da Câmara Municipal da vila de Paty do Alferes criada em 1820.[1] Depois mudou-se para a vila de Vassouras, onde tinha adquirido em 1821 as fazendas do Secretário e São Francisco do Tinguá.

Em 1833, foi eleito para a Câmara Municipal da recém-criada vila de Vassouras, para onde tinha sido transferida a sede municipal que havia em Paty do Alferes.

Foi coronel Comandante Superior da Guarda Nacional de Vassouras e Iguaçú. Lutou contra os escravos fugitivos na revolta de Manuel Congo em 1839.

Contratou o engenheiro alemão Júlio Frederico Koeler, que projetaria a vila e o palácio imperial de Petrópolis em 1843, para reformar a casa da sua fazenda do Secretário. Júlio Frederico Koeler construiu uma suntuosa casa de fazenda em estilo neoclássico cujas obras terminaram a em 1844. Os salões da casa foram decorados com afrescos do arquiteto e pintor catalão José Maria Villaronga.[1] O jornalista e escritor francês Charles Ribeyrolles hospedou-se na casa da fazenda do Secretário em 1859 e descreveu o seu dono de forma muito simpática.[3] Nesta ocasião, o fotógrafo Victor Frond tirou duas fotografias da casa da fazenda, que posteriormente foram transformadas em litografias coloridas. A fazenda do Secretário possuia nesta época 365 escravos, fora as crianças, que viviam em 25 lanços de senzalas.[1] A casa da fazenda do Secretário está hoje em boas condições de conservação e com poucas alterações depois de uma reforma que restaurou os afrescos pintados por José Maria Villaronga.

O título de barão de Campo Belo lhe foi concedido em 2 de dezembro de 1854 pelo imperador Pedro II. Tentou influenciar o imperador Pedro II para obter uma concessão de construção de ramal ferroviário entre o Rio de Janeiro e Vassouras.[1]

Foi cavaleiro da Ordem de Cristo e comendador da Ordem da Rosa.

Notas

  1. Algumas obras grafam o sobrenome como Correia de Castro, entretanto a família sempre foi fiel a ortografia antiga, Corrêa e Castro

Referências

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.