Abrir menu principal

Mateus (evangelista)

evangelista cristão e apóstolo
(Redirecionado de Levi, filho de Alfeu)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de São Mateus, veja São Mateus.
São Mateus
O Evangelista Mateus inspirado
por um anjo
, por Rembrandt.
O Publicano, Apóstolo, Evangelista e Mártir
Nascimento desconhecida em Galileia, Palestina
Morte c. 72 em Hierápolis ou Etiópia
Veneração por Igreja Católica, Igreja Ortodoxa, Igreja Luterana e Igreja Anglicana.
Principal templo Catedral de Salerno, Itália
Festa litúrgica 21 de setembro no ocidente
16 de novembro no oriente
Atribuições Um anjo inspirando-o
Padroeiro dos contadores, dos auditores fiscais, de Salerno e
da Itália, entre outros.[1]
Gloriole.svg Portal dos Santos

São Mateus, Mateus Evangelista ou Mateus Apóstolo (מתי/מתתיהו, "Dom de Javé" ou "Presente de Deus", hebraico padrão e vocalização de Tibérias: Mattay ou Mattiyahu; grego da Septuaginta Ματθαιος, Matthaios; grego moderno: Ματθαίος, Matthaíos) é, pelo relato dos Padres da Igreja, o autor do Evangelho de Mateus e um dos Doze Apóstolos.

Adicionalmente, Jerónimo (em De Viris Illustribus, cap 3[2]) e Eusébio de Cesareia[3] citam Mateus como autor do Evangelho dos Hebreus.

Índice

Identidade e primeiros anosEditar

 Ver artigo principal: Chamado de Mateus

Entre os primeiros seguidores e apóstolos de Jesus, Mateus é mencionado em Mateus 9:9 e Mateus 10:3 como tendo sido um coletor de impostos de Cafarnaum que foi convidado para o círculo dos Doze por Jesus. Ele também é mencionado como um dos doze apóstolos, embora sem a menção de sua profissão anterior, em Marcos 3:18, Lucas 6:15 e Atos 1:13. Ele é geralmente identificado como sendo o Levi, filho de Alfeu, também coletor de impostos e que é citado em Marcos 2:14 e Lucas 5:27.[4]

 
Caravaggio, São Mateus e o Anjo.

Durante a ocupação romana, que iniciou em 63 a.C. com a conquista de Pompeu, Mateus coletava impostos do povo hebreu para Herodes Antipas, o tetrarca da Galileia.[4] Sua coletoria estava localizada em Cafarnaum. Judeus que enriqueciam desta maneira eram desprezados e considerados párias. Porém, como um coletor de impostos, ele deve ter sido alfabetizado em aramaico (ainda que provavelmente não em grego nem em latim)[5][6][7].

Foi neste cenário, perto de onde hoje está Almagor, que Jesus convidou Mateus para ser um dos Doze Apóstolos. Após o chamado, Mateus convidou Jesus para um banquete em sua casa. Ao ver isto, os escribas e os fariseus criticaram Jesus por cear com coletores de impostos e pecadores. A provocação fez Jesus responder, «Não vim chamar os justos, mas os pecadores ao arrependimento.» (Lucas 5:29)[7]. Jesus assim Como entrou na casa de Zaqueu que também era coletor de impostos, Lucas 19.

O ministério de MateusEditar

 
São Mateus por Frans Hals, atualmente em Odessa.
 Ver artigo principal: Jesus convidando os doze apóstolos

O ministério de Mateus no Novo Testamento é bastante complexo de atestar. Quando ele é mencionado, é geralmente junto com Tomé. Como discípulo, ele seguiu Cristo e foi uma das testemunhas da Ressurreição e da Ascensão. Depois, Mateus, Maria, Tiago e outros seguidores próximos a Jesus se recolheram ao cenáculo em Jerusalém[8][9]. Na mesma época, Tiago[a][10] sucedeu a Jesus como líder da igreja de Jerusalém[11].

Eles permaneceram nas redondezas de Jerusalém e proclamaram que Jesus, filho do carpinteiro José, era o Messias prometido nas profecias. Acredita-se que estes primeiros cristãos judeus eram chamados de nazarenos[12]:pp. 597&722[13]. É quase certo que Mateus era um deles, uma vez que tanto o Novo Testamento quanto o Talmud assim atestam[14].

Mateus pregou por quinze anos o Evangelho em hebraico para a comunidade judaica na Judeia. Mais tarde, ele viajaria fora da judeia para outras provincias romanas. (presumivelmente seguindo o ordenamento de Jesus em Mateus 28:16-20) e espalhou os ensinamentos de Jesus entre os etíopes, macedonianos, persas e partos[9]. Tanto a Igreja Católica quanto a Ortodoxa sustentam a crença tradicional de que ele tenha morrido mártir na Etiópia[5][15], defendendo Santa Ifigênia da Etiópia.

O Evangelho de MateusEditar

 
Ícone de São Mateus.

Os cristãos do tempo de Mateus ainda se consideravam judeus e, como tais, eles adoravam no Templo[12]:pp. 957 & 722[16] e reverenciavam a Lei dada por Deus a Moisés. Eles também reverenciavam uma tradição oral chamada Torah Shebeal Peh, que interpretava a lei escrita. Foi neste contexto cultural (chamado de Sitz im Leben) que a tradição oral cristã nasceu, conforme Jesus e rabinos cristãos desenvolveram a "mensagem" (evangelios) oral interpretando a lei escrita.[17][18][19].

Quando o Segundo Templo em Jerusalém foi destruído em 70 d.C., esta tradição oral não era mais possível e se tornou necessário escrevê-la, o que ocorreu na Mishnah (parte do que seria posteriormente o Talmude)[20][21][22][23][24]. Acredita-se que Mateus traduziu a "tradição oral cristã" (ou Logia) na forma escrita antes de partir para Roma[15][b].

Orígenes afirma que o primeiro evangelho foi escrito por Mateus [25][26]. Este evangelho foi escrito em hebraico em Jerusalém para ser utilizado por cristãos-judeus e traduzido para o grego, embora esta não tenha sobrevivido. Uma cópia do original hebraico era mantido na Biblioteca Teológica de Cesareia Marítima. A comunidade nazarena transcreveu uma cópia para Jerónimo, que a utilizou em sua obra De Viris Illustribus[2]. O Evangelho de Mateus era então chamado de "Evangelho dos Hebreus" [27] ou, às vezes, "Evangelho dos Apóstolos"[28][29][30] e acredita-se que ele foi o original "Mateus grego" encontrado na Bíblia. Porém, esta interpretação foi contestada por estudiosos modernos como Bart Ehrman e James Edwards[c][31][32][33][34].

Os padres da Igreja Epifânio de Salamina e Jerônimo de Estridão mencionam um evangelho primordial, o hoje perdido Evangelho dos Hebreus, que foi parcialmente preservado nos escritos deles, e que teria sido escrito por Mateus[33]. Epifânio porém não afirma por si que o autor seria Mateus, ele apenas afirma que esta era a crença dos heréticos Ebionitas[34]. Muitos estudiosos hoje em dia, notavelmente Raymond E. Brown, acreditam que "o evangelho canônico de Mateus foi escrito em grego por alguém que não foi testemunha ocular e cujo nome é desconhecido para nós e que dependia de fontes como o Evangelho de Marcos e a fonte Q"[35], uma teoria conhecida como Prioridade de Marcos. Há opiniões divergentes, como a de Craig Blomberg[36][37][38].

NotasEditar

[a] ^ Tiago é chamado de "Tiago, irmão do Senhor". Há uma disputa sobre o que o evangelista quis dizer com isso. Veja mais detalhes em Tiago, o Justo.
[b] ^ Veja também Diáspora (ou Tefutzot תפוצות, "dispersão").
[c] ^ Veja também a Hipótese das duas fontes.

Referências

  1. «Saints.SQPN BLOG: Saint Matthew the Apostle». Saints.sqpn.com. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  2. a b   "De Viris Illustribus - Matthew, surnamed Levi", em inglês.
  3. Eusébio de Cesareia. «39». História Eclesiástica. The Writings of Papias (em inglês). III. [S.l.: s.n.] 
  4. a b Conegero, D. (2014). «Quem foi o apóstolo Mateus?» 
  5. a b «The International Standard Bible Encyclopedia: Matthew» (em inglês). Studylight.org. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  6. Marx,, Werner G. Bibliotheca Sacra. Money Matters in Matthew (em inglês). 136:542 (abril - junho de 1979):148- 57. [S.l.: s.n.] 
  7. a b «Saint Matthew the Evangelist» (em inglês). Encyclopædia Britannica. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  8. Atos 1:13
  9. a b   "St. Matthew" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.
  10. William, Patrick (2009). James, the Lord's Brother (em inglês). [S.l.]: BiblioBazaar, LLC. 1 páginas. ISBN 1-113-20355-2 
  11. James the Just (em inglês). [S.l.]: Books.google.ca. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  12. a b F.L. Cross e E.A. Livingston (1989). The Oxford Dictionary of the Christian Church (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  13. Mateus 2:22
  14. Pick, Bernhard (2006). The Talmud: What It Is and What It Knows of Jesus and His Followers (em inglês). [S.l.]: Kessinger Publishing. 116 páginas 
  15. a b Eusébio de Cesareia. «24». História Eclesiástica. The Order of the Gospels. (em inglês). III. [S.l.: s.n.] 
  16. Barrie, Wilson (2009). How Jesus Became Christian (em inglês). [S.l.]: Random House. pp. 1 – 20 
  17. Moreland, J. P. (2009). Harvest House Publishers (em inglês). [S.l.: s.n.] pp. 111–115 
  18. Young, Brad (2007). Meet the rabbis: rabbinic thought and the teachings of Jesus (em inglês). [S.l.]: Hendrickson Publishers. pp. 3–203 
  19. Barclay, Joseph (2009). The Talmud. [S.l.]: BiblioBazaar, LLC. 14 páginas 
  20. Hershon, Paul Isaac (1880). «xv-xvi». A Talmudic miscellany (em inglês). [S.l.]: Trübner & co. 
  21. Halivni, Daṿid Weiss (1998). Revelation Restored: Divine Writ and Critical Responses (em inglês). [S.l.]: Westview Press. pp. xiii 
  22. Herford, R. Travers (2007). Christianity in Talmud and Midrash (em inglês). [S.l.]: KTAV Publishing House Inc. pp. 1–34 
  23. Wansbrough, Henry (2004). Jesus and the oral Gospel tradition. [S.l.]: Continuum International Publishing Group. pp. 9–59 
  24. Henaut, Barry W. (1993). Oral tradition and the Gospels (em inglês). [S.l.]: Continuum International Publishing Group. pp. 13–53 
  25. Eusébio de Cesareia. «25». História Eclesiástica. His Review of the Canonical Scriptures. (em inglês). III. [S.l.: s.n.] 
  26. Jerónimo. «2.12». Comentário sobre Mateus''. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  27. «Evangelho dos Hebreus» (em inglês). Google books. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  28. Evangelho dos Apóstolos (em inglês). [S.l.]: Google books. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  29. G. Smith Pub. (1858). The Gospel of Jesus (em inglês). [S.l.]: Books.google.ca. pp. iv — vi. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  30. Jerónimo de Estridão. «3.2». Contra Pelágio (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  31. Edwards, James R. (2009). The Hebrew Gospel & the Development of the Synoptic Tradition (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing Co. pp. 245–258 
  32. Ehrman, Bart (1999). Jesus: Apocalyptic Prophet of the New Millennium (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 43 páginas 
  33. a b Mills, Watson E., Richard F. Wilson e Roger Aubrey Bullard (2003). Mercer Commentary on the *New Testament (em inglês). [S.l.]: Mercer University Press. 942 páginas 
  34. a b Epifânio de Salamis (1987). «13». "corrupt+and+mutilated"&lr=&cd=1#v=onepage&q=Ebion_"corrupt_and_mutilated"&f=false Panarion (em inglês). Leiden: Brill 
  35. Brown, Raymond E. (1997). Introduction to the New Testament (em inglês). [S.l.]: Anchor Bible. pp. 210–211 
  36. Kee, Howard Clark (1997). The Cambridge Companion to the Bible (em inglês). [S.l.: s.n.] 448 páginas 
  37. Wood, D. R. W. (1996). New Bible Dictionary (em inglês). [S.l.]: InterVarsity Press. p. 739 
  38. Strobel, Lee (1998). The Case for Christ (em inglês). [S.l.: s.n.] , citando Craig Blomberg}}
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mateus (evangelista)