Liliane Bettencourt

Liliane Bettencourt
Nome nativo Liliane Henriette Charlotte Schueller[1]
Principal acionista da L'Oréal
Nascimento 21 de outubro de 1922
Paris, IDF
França
Morte 21 de setembro de 2017 (94 anos)
Neuilly-sur-Seine, IDF
França
Nacionalidade francesa
Cidadania França
Fortuna Aumento US$ 48,6 bilhões (Maio de 2016)[2]
Progenitores Pai:Eugène Schueller
Cônjuge André Bettencourt (1950–2007)
Filho(s) Françoise Bettencourt Meyers
Ocupação Empresária e filantrópica
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra
Causa da morte doença de Alzheimer

Liliane Bettencourt, nascida Liliane Henriette Charlotte Schueller[1] (Paris, 21 de outubro de 1922Neuilly-sur-Seine, 21 de setembro de 2017) foi uma empresária francesa, principal acionista física do grupo de cosméticos L'Oréal, com 32,99 por cento do total das ações. Em 1957 Bettencourt herdou a fortuna da L'Oréal após a morte de seu pai.

Em 2015, a revista Forbes classificou-a como a 10ª pessoa mais rica do mundo, com 40,1 bilhões de dólares.[3][2] Em 2016, com uma fortuna estimada em 48,6 bilhões de dólares, foi considerada a mulher mais rica do mundo e a 7ª pessoa mais rica do mundo.

BiografiaEditar

Liliane Henriette Charlotte Schueller é a filha de Eugène Schueller, o fundador do grupo de cosméticos L'Oréal, uma das maiores empresas do ramo de beleza e cosmésticos do mundo.

Ela se casou em 8 de junho de 1950 com o político francês André Bettencourt.

Juntos tiveram uma filha, Françoise Bettencourt Meyers, nascida no dia 10 de julho de 1953, que é casada com Jean-Pierre Meyers e dois netos: Jean-Victor Meyers (nascido em 1986) e Nicolas Meyers (nascido em 1988).

Juntamente com seu marido, ela criou a Fundação Bettencourt Schueller em 22 de dezembro de 1987, dedicada a patrocínio nas áreas de investigação médica e a cultura humanitária.

Liliane Bettencourt residia em Neuilly-sur-Seine.

No ano de 2007 ela perdeu o marido e nos anos seguintes foram marcados dois processos judiciais, amplamente divulgados pela imprensa e que levou Liliane Bettencourt a falar em público: o Banier Bettencourt e o Woerth-Bettencourt.

Caso BanierEditar

O primeiro caso diz respeito a uma reclamação de sua filha, Françoise Bettencourt Meyers, que em dezembro de 2008, acusou de abuso de fraqueza do artista François-Marie Banier. Ela suspeita de ter amplamente beneficiado com o dinheiro de sua mãe, que se defende e exige a supervisão dessas autoridades. O advogado de Liliane Bettencourt, Georges Kiejman, anunciou 28 de agosto de 2010 que revogou, em julho, a qualidade de legatário universal dado a François-Marie Banier. Em 7 de dezembro de 2010, Lilianne Bettencourt e sua filha anunciaram à imprensa a sua reconciliação.

Caso BettencourtEditar

Liliane Bettencourt esteve também implicada em um caso político-financeiro Woerth-Bettencourt. Alegadamente financiou legalmente partidos e personalidades, mas também foi suspeita de ter financiado ilegalmente a campanha presidencial de Nicolas Sarkozy.

TutelaEditar

A tutela de Liliane Bettencourt, uma decisão confirmada em recurso 18 de janeiro de 2012, por causa das "faculdades cognitivas prejudicadas".

O grupo L'OréalEditar

Liliane Bettencourt herdou o grupo L'Oréal após a morte de seu pai em 1957. Durante a campanha presidencial de 1974, na expectativa de uma possível nacionalização do grupo L'Oréal, a família Bettencourt percebe uma troca de ações com a Nestlé. A família Bettencourt desde então tem participação de 4% na Nestlé.

O capital do grupo L'Oréal por sua vez é detido 53,85% (equivalente a 364 042 900 ações) Gesparal, uma exploração que família Meyers-Bettencourt detém 51% e a Nestlé 49% de participação. Gesparal também tem 71,66% dos direitos de voto no grupo L'Oréal. Em 3 de fevereiro de 2004, a família Bettencourt-Meyers e Nestlé assinaram uma fusão de retroactivos entre a L'Oréal e Gesparal: a família Bettencourt Meyers Nestlé e tornar-se acionistas diretos da L'Oréal, a partir de 1 de Janeiro de 2004.

A família Bettencourt agora detém 27,48% do capital (185 661 879 ações) e 28,58% dos direitos de voto da L'Oréal, contra respectivamente 26,38 % (178 381 021 ações) e 27,46% para a Nestlé.

Ambas as partes se comprometem a não aumentar seus respectivos interesses e não para vendê-los por um período de cinco anos.

Depois de 2004, as participações da família Bettencourt estão alojadas na empresa Tethys cuja Liliane Bettencourt é a gerente. Estas ações foram o assunto em 1992 de uma propriedade como uma doação a sua filha Liliane Bettencourt (dois terços) e de seus dois netos (terceiro), tendo Liliane Bettencourt o usufruto (dividendos) e de reserva dos direitos de voto no conselho da L'Oréal.

Acionistas da L'OréalEditar

42,59% — Outros Acionistas

32,99% — Família Bettencourt

23,07% — Nestlé

0,82% — Plano de Poupança da Empresa

0,53% — Acções da Tesouraria

Sonegação fiscalEditar

Em junho de 2010, Liliane viu-se envolvida num escândalo financeiro e político que acabou envolvendo o ministro do Trabalho da França, Eric Woerth, um dos mais próximos auxiliares do presidente Nicolas Sarkozy, cotado até mesmo para se tornar primeiro-ministro. Suspeita de sonegar impostos, a herdeira da L'Oréal teria sido beneficiada por Woerth, que teria feito vistas grossas às suas fraudes fiscais. O ministro é casado com Florence Woerth, executiva de um gabinete que gerenciava a fortuna da empresária.

O escândalo teve início com a revelação, pelo site francês Mediapart, de escutas clandestinas de conversas de Liliane realizadas por um de seus funcionários entre maio de 2009 e maio de 2010. Nas gravações, a bilionária menciona a existência de duas contas na Suíça e nas Ilhas Seychelles, não declaradas ao fisco francês, pelas quais teriam sido movimentados centenas de milhões de euros.

As gravações revelam ainda doações de campanha a nomes como o presidente Sarkozy, e a ministra da Educação, Valérie Pécresse. Não bastasse, a herdeira evoca vários outros políticos do país, entre os quais "um amigo", o então ministro do Orçamento, também responsável pela receita fiscal, Eric Woerth, e de sua mulher, Florence, desde 2007 executiva do escritório Clymène, que gerencia a fortuna da empresária. A repercussão do caso obrigou o atual titular do Ministério do Orçamento, François Baroin, a anunciar que o Estado investigará, com a ajuda do governo suíço, as contas ocultas.[4]

MorteEditar

Liliane faleceu em 21 de setembro de 2017, aos 94 anos de idade, vítima de Alzheimer.[5]

Referências

  1. a b Sergio A. Berumen; Karen Arriaza Ibarra (2008). Treinta inmensas fortunas y cómo se hicieron (em espanhol). Madrid: Ecobook. p. 46. ISBN 8496877043. OCLC 230234417. Consultado em 27 de novembro de 2012 
  2. a b «#10 Liliane Bettencourt & family». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de Março de 2015 
  3. RevistaForbes das pessoas mais ricas do mundo
  4. Herdeira da L’Oréal causa crise política
  5. «Herdeira da L'Oreal e mulher mais rica do mundo, Liliane Bettencourt morre aos 94 anos». InfoMoney. 21 de setembro de 2017. Consultado em 21 de setembro de 2017 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.