Lourenço Pires de Távora

diplomata português

Lourenço Pires de Távora (Almada, c. 1510 - Caparica (Almada) em 15 de fevereiro de 1573), 4º senhor da casa e morgado da Caparica, foi um conselheiro de Estado[1], diplomata português, e capitão de Tânger.

Lourenço Pires de Távora
Capitão de Tânger
Período 01/04/1564 - 1566
Antecessor(a) Bernardim de Carvalho
Sucessor(a) João de Meneses, o Craveiro
Dados pessoais
Nascimento c. 1500
Almada
Morte 15 de fevereiro de 1573 (73 anos)
Almada
Progenitores Mãe: Francisca de Sousa
Pai: Cristóvão de Távora

BiografiaEditar

Tendo uma extensa vida ao serviço militar, com apenas 16 anos de idade combateu em Arzila entre 1526 e 1529[2][3]. Em 1535 é um dos fidalgos que se junta aos companheiros do infante D. Luís e, sob o comando de D. António de Saldanha, vai combater ao lado das forças imperiais contra Barba Ruiva[4]. Foi depois capitão de uma frota, que, com o auxílio de João de Castro defendeu Diu (1546). Em 1555, acompanhou o referido infante à expedição de Tunes. Pouco depois ingressou na carreira diplomática, tendo sido enviado a Marrocos, Madrid,Londres e Roma (1559-1562).

Foi indigitado, em 1541, como embaixador para negociar com Mulei Hamere, rei de Fez[5]. Esta missão, que não teve êxito, visava a aliança de Portugal e de Fez contra a ameaça que os xerifes do sul de Marrocos representavam às possessões de ambos[6]. Foi também indicado para obter a mão da rainha Maria Tudor para o mesmo infante, negócio que se malogrou, porque o Imperador Carlos V, sendo seu filho D. Filipe viúvo, pediu para ele a mão da rainha de Inglaterra, que lhe foi concedida. Igualmente, deslocou-se a Viena de Áustria para conseguir que a rainha desistisse de reclamar a saída de Portugal da infanta D. Maria, filha da rainha D. Leonor e do rei D. Manuel I, conseguindo efectivamente evitar que essas reclamações fossem por diante. Em 1552 foi a Madrid pedir em casamento para o príncipe D. João, filho de D. João III, a mão da princesa D. Joana, filha de Carlos V, que depois acompanhou a Portugal, quando ela veio desposar o herdeiro do trono. Depois da morte de D. João III foi nomeado pela rainha regente D. Catarina, embaixador a Roma, e encarregado de trabalhar para que o cardeal conde D. Henrique fosse eleito papa, manobrou com tal habilidade que, por morte de Paulo IV obteve para o príncipe português 15 votos no conclave que afinal elegeu Pio IV, Já trabalhava nesse mesmo sentido quando estava embaixador em Madrid, mas não encontrando apoio nas grandes potências, teve de desistir. O que obteve em compensação para o cardeal D. Henrique foram as honras da legacia em Portugal. Nessa embaixada em Roma, que durou largos anos, não só Lourenço Pires de Távora conseguiu vantagens importantes para a coroa portuguesa, muitas vezes negociadas espontaneamente por ele, sem instruções do seu governo, mas também adquiriu tanta fama de hábil negociador, que Filipe lI lhe pediu que se encarregasse oficialmente de alguns negócios que ele trazia pendentes, e o papa Pio IV pelas suas indicações se guiava na questão da reunião do Concilio de Trento, de forma que tão necessário se lhe tornou o embaixador português que a regente, a seu pedido, o reconduziu no cargo, e quando ele afinal partiu, mandou-o Pio IV acompanhar por uma guarda de honra até á fronteira, deu-lhe imensas provas de distinção, a recomendou-o eficazmente ao duque de Urbino e à senhoria de Veneza, cujas terras tinha de atravessar[7].

Contribuiu para que a regência do reino de Portugal fosse entregue ao conde D. Henrique a quem deu um verdadeiro programa de governo. Foi, contudo despachado para Tânger, como capitão-mor dessa praça entre 1564 e 1566. Aí «havendo paz com os mouros, e valendo-se dela fortificou por ordem del-rei Dom Sebastião, o castelo com os baluartes e os terraplenos mais ao moderno; a obra ficou imperfeita e depois não se achou interesse em acaba-la[8]».

Em 1569, retirou-se para o Convento dos Capuchos (Caparica) que tinha sido mandado por ele erigir em 1558, no seu solar Torre da Caparica.

ObrasEditar

  • "Memória sobre os interesses da monarquia", que D. Manuel de Meneses publica na sua "Crónica de el-rei D. Sebastião".

Igualmente saíram impressos em vários livros muitos dos seus numerosos ofícios, as instruções que deu, quando era embaixador em Roma, a António Pinto que foi como embaixador ao Preste João, e hoje estão publicados também nas várias colecções diplomáticas muitos dos ofícios que ele escreveu de Roma, de Madrid, de Bruxelas, de Londres, onde esteve como embaixador, e de Tânger, de Arzila, etc. onde esteve como capitão[9].

Dados GenealógicosEditar

Filho de: Cristóvão de Távora, 2º senhor do morgado de Caparica, e Francisca de Sousa.

Casou com: Catarina de Távora, filha de Rui Lourenço de Távora e Joana Ferrer de Acuña.

Tiveram:

BibliografiaEditar

  • Memória Sobre os Interesses da Monarquia
  • Correspondência Diplomática, que reúne os ofícios escritos por ele, enquanto embaixador.
  • Rui Lourenço de Távora, História de Varões Ilustres do Apelido Távora, Paris, 1648.
  • Lexicoteca: moderna enciclopédia universal: tomo XVI - Lisboa, Círculo de Leitores, 1988
  • Grande enciclopédia universal: vol. 19. - Lisboa:Correio da Manhã, 2004

Referências

  1. Lourenço Pires de Távora, por Leonel Vicente, Protagonistas, via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004
  2. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Neterói, Brasil, 2006
  3. : Lourenço, como seu irmão Álvaro (autor da Historia de varões illustres do appellido de Távora, e que foi morto no "feito do dia de Corpo de Deus" em 29 de Maio de 1526) estava presente em Arzila, e combatia, durante o governo de António da Silveira (1524-1529), mas Bernardo Rodrigues nunca diz que é "mancebo", como o diz de muitos outros. cf. Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, por Bernardo Rodrigues. Academia das sciências de Lisboa. Coimbra - Imprensa da Universidade-1919
  4. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Neterói, Brasil, 2006, pág. 360
  5. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Neterói, Brasil, 2006
  6. Lourenço Pires de Távora, in Infopédia (em linha). Porto: Porto Editora, 2003-2020. (consult. 2020-03-17 22:01:31)
  7. Távora (Lourenço Pires de), Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume VII, pág. 54, Edição em papel © 1904-1915, João Romano Torres - Editor, Edição electrónica © 2000-2016, Manuel Amaral
  8. História de Tânger durante la dominacion portuguesa, por Fernando de Menezes, conde de la Ericeira, etc. traduccion del R. P. Buanaventura Diaz, O.F.M., Misionero del Vicariato apostólico de Marruecos. Lisboa Occidental. Imprenta Ferreiriana. 1732. p. 88
  9. Távora (Lourenço Pires de), Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume VII, pág. 54, Edição em papel © 1904-1915, João Romano Torres - Editor, Edição electrónica © 2000-2016, Manuel Amaral
  10. Cristóvão de Távora, por Leonel Vicente, Protagonistas, via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004
  11. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Neterói, Brasil, 2006
  12. Álvaro Pires de Távora, por Leonel Vicente, Protagonistas, via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004
  13. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil, 2006
  14. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil, 2006
  15. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil, 2006
  16. Lourenço Pires de Távora, militar, diplomata e conselheiro de Estado na Índia e Marrocos, in Retratos do Império, Trajectórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX, por Maria Leonor Garcia da Cruz, Editora da Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil, 2006

Ligações externasEditar


Precedido por
Bernardim de Carvalho
Capitão de Tânger
15641566
Sucedido por
João de Meneses, o Craveiro


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.