Mário da Graça Machungo

político moçambicano
Mário da Graça Machungo
Nome nativo Mário Fernandes da Graça Machungo
Nascimento 1 de dezembro de 1940
Maxixe
Morte 17 de fevereiro de 2020 (79 anos)
Lisboa, Portugal
Cidadania Moçambique
Alma mater Universidade Técnica de Lisboa
Ocupação político
Empregador Universidade Eduardo Mondlane
Causa da morte doença

Mário Fernandes da Graça Machungo (1 de dezembro de 1940Lisboa, 17 de fevereiro de 2020) foi um político moçambicano.

Como membro da FRELIMO, ocupou vários cargos ministeriais após a independência de Moçambique. Foi Ministro da Indústria e Comércio de 1975 a 1976, Ministro da Indústria e Energia de 1976 a 1978, Ministro da Agricultura de 1978 a 1980 e Ministro do Planeamento e Desenvolvimento de 1980 a 1986. Entre 1983 e 1986 foi ao mesmo tempo governador da província da Zambézia. De 17 de julho de 1986 a 16 de dezembro de 1994 ocupou o posto de primeiro-ministro de Moçambique.[1] Durante a sua administração, a FRELIMO renunciou à ideologia marxista[2] e decidiu abandonar o sistema de partido único, estabelecendo um sistema multipartidário.

Posteriormente Mário Machungo envolveu-se no setor privado. A partir de 1995 tornou-se Presidente do Conselho Consultivo do maior banco do país, o Banco Internacional de Moçambique, que usa a Marca comercial Millennium bim.[3]

Morreu no dia 17 de fevereiro de 2020.[4]

Referências

  1. Mário Fernandes da Graça Machungo - millenniumbim.co.mz
  2. Bernstein, Richard (3 de setembro de 1987). «Maputo Journal; Now a Little Weary of Marxism's Heroic Slogans». The New York Times 
  3. «Mário Machungo». Estoril Conferences. 
  4. «Morreu ex-Primeiro-Ministro Mário da Graça Machungo». Notícias. 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 

Precedido por
(–)
Primeiro-ministro de Moçambique
1986-1994
Sucedido por
Pascoal Mocumbi