Disambig grey.svg Nota: Se procura por a figura lendária madeirense, veja Roberto Machim.

Machim, ou Mestre Machim ou Mestre Machi (século XV — século XVI) foi um escultor de provável origem flamenga ou franco-flamenga ativo em Portugal no século XVI.

Machim
Nascimento Século XV
Flandres (?)
Morte Século XVI
Área Escultura
Movimento(s) Gótico

ObraEditar

 
Frontal do altar-mor, Sé de Braga

A presença de Machim na cidade de Braga está documentada a partir de cerca de 1509-1510, onde foi autor de um retábulo em pedra para a , em estilo gótico flamejante, de que apenas resta um fragmento, que seria transformado em época posterior em frontal do altar-mor. Desse frontal foi ainda cortada uma edícula que se encontra na Casa-Museu Guerra Junqueiro, Porto.[1] Foi ainda autor do notável Cadeiral do Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra (c. 1513). Completado por João Alemão (1518), esse cadeiral foi de início instalado no interior da capela-mor, sendo mais tarde ampliado com um conjunto de novas cadeiras (preservando as características essenciais da traça inicial) e deslocado para o coro-alto pelo escultor francês Francisco Lorete (c. 1531). Segundo Vítor Serrão, Machim terá tido um papel de relevo na execução do retábulo e do cadeiral da Sé do Funchal e, segundo outros autores (como Vergílio Correia, Pedro Dias ou Fernando António Baptista Pereira), terá trabalhado no portal sul do Mosteiro dos Jerónimos (1518).[2][3]

Assinale-se a complexidade do programa iconográfico do cadeiral do Mosteiro de Santa Cruz: "o bestiário variado, no qual há referências a fábulas greco-latinas e ao «simbolismo disfarçado», típico da mentalidade artística do norte da Europa desta época; as alegorias morais; as figuras humanas de difícil decifração e que deverão representar tipos da sociedade do seu tempo (como no teatro vicentino); finalmente, a sequência de quadros guerreiros e marítimos, com fundos urbanos de recorte nórdico, que coroam toda a composição, que Pedro Dias sugeriu serem livremente inspiradas nas gravuras de cidades da Crónica de Nuremberga".[3]

Referências

  1. «A Virgem Mutilada». Portucale: Revista de Cultura. 1946 
  2. Serrão, Vítor (2001). História da arte em Portugal: o renascimento e o maneirismo. Lisboa: Editorial Presença. p. 132-134 
  3. a b Pereira, Fernando António Baptista (2005). «Mestre Machim». In: Pereira, José Fernandes. Dicionário de Escultura Portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, SA. pp. 371—373 

BibliografiaEditar