Abrir menu principal

A Fé Bahá'í refere-se aos que são normalmente chamados de profetas como Manifestantes de Deus, ou simplesmente Manifestantes (mazhar) que está diretamente relacionado ao conceito de revelação progressiva.

DefiniçãoEditar

Os Bahá'ís acreditam em um único e incognoscível Deus, criador de todas as coisas. Os Bahá'ís acreditam que Deus expressa Sua vontade de diversos modos, e um deles é através dos Mensageiros de Deus, como um meio de educar a humanidade.

Os Manifestantes de Deus não são definidos como sendo a encarnação de Deus, e nem como seres humanos comuns. O conceito Bahá'í de Manifestantes de Deus reforça a idéia de que Eles possuem duas naturezas ou realidades: a humana e a divina. É um conceito parecido com a dos Cristãos em relação a Cristo, bem como os xiitas em relação aos Imãs. Os Manifestantes de Deus, em analogia, seriam como espelhos puros que refletem os atributos de Deus no mundo material.

De acordo com `Abdu'l-Bahá, os santos Manifestantes de Deus se distinguem das outras pessoas em todos os aspectos e qualificações, pois são Eles que irão educar a humanidade.

Em essência, os Manifestantes de Deus são vistos como Educadores Divinos ou Universais, que se manifestam pela vontade de Deus com o propósito de guiar a humanidade e expressar Sua vontade. Em cada Manifestação, é reconhecido que os Manifestantes estabelecem uma religião no mundo e cada um traz um novo livro, revelando ensinamentos e leis de acordo com o tempo e lugar em que aparecem.

Bahá'u'lláh refere-se a diversas figuras históricas como Manifestantes. Ele inclui Adão, Noé, Zoroastro, Krishna, Abraão, Moisés, Buda, Jesus, e Maomé. O Báb, como também Ele próprio, foi incluído nesta definição. Assim, a história da religião é interpretada como uma série de dispensações, no qual cada Manifestante traz conceitos mais abrangentes e uma revelação mais avançada, servindo no tempo e lugar onde foram expressos.

  Este artigo sobre fé bahá'í é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.