Abrir menu principal

Manuel Gonçalves de Miranda

Manuel Gonçalves de Miranda
Nascimento 30 de novembro de 1780
Bragança
Morte 5 de abril de 1841 (60 anos)
Mercês
Cidadania Portugal
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação agricultor, político

Manuel Gonçalves de Miranda (Bragança, Outeiro, Paradinha do Outeiro, 30 de novembro de 1780Mercês, Lisboa, 5 de abril de 1841) foi um militar, político e maçon português.[1]

FamíliaEditar

Filho de Martinho Carlos Gonçalves de Miranda e de sua mulher, Perpétua Maria Giraldes.

BiografiaEditar

Bacharel em Matemática pela Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra e grande proprietário, foi Oficial de Cavalaria do Exército Capitão na Guerra Peninsular, desempenhou funções públicas e foi Sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa[1] Liberal,[1] foi Presidente da Comissão dos Emigrados em Londres. Foi Deputado Efectivo às Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa Constituintes e Deputado pelo Círculo Eleitoral de Trás os Montes e Alto Douro em 1820-1822, Deputado Substituto pelos Círculos Eleitorais de Bragança e Vila Real em 1822-1823, novamente Deputado Efectivo pelo Círculo Eleitoral de Trás-os-Montes e Alto Douro em 1826-1828 e em 1834-1835/6, exerceu as funções de Prefeito do Douro, Ministro da Guerra em 1822-1823. Esteve exilado na Grã-Bretanha e Irlanda de 1823 a 1826 e de 1828 a 1833, desempenhando, quando no exílio, funções relevantes na organização das forças anti-Absolutistas. Foi Ministro da Marinha e Ultramar no Governo do Duque da Terceira, de 20 de Abril a 10 de Setembro de 1836, Par do Reino desde 1835/6 até à sua morte em 1841, e Membro da Associação Eleitoral do Centro que concorreu às eleições de 1838. Volta a ser Ministro a 28 de Janeiro de 1841, no governo do 1.º Conde do Bonfim, primeiro na pasta da Fazenda, sucedendo a Pereira Forjaz, e depois, a 12 de Março, na da Marinha e Ultramar, falecendo no exercício de funções parlamentares e ministeriais.[1][2][3][4]

Foi Fidalgo da Casa Real. Iniciado na Maçonaria em data e Loja desconhecidas com o nome simbólico de Senacherib, pertenceu à Loja 24 de Julho, N.° 500, de Lisboa, de obediência do Grande Oriente Lusitano. Foi eleito 9.º Grão-Mestre desta obediência, exercendo o cargo de 1839 a 1841, onde sucedeu a José da Silva Carvalho, e falecendo durante o mandato.[1] Teve como Grande Inspector Rodrigo da Fonseca Magalhães.[2][5]

Recusou por várias vezes títulos de nobreza, em virtude de ser Maçon. O seu filho, todavia, aceitou o título de Visconde.

Faleceu aos 60 anos de idade na Rua Formosa, freguesia das Mercês, Lisboa, sendo sepultado no Cemitério dos Prazeres.

Casamento e descendênciaEditar

Casou com Joana Maria Rosa Pereira de Sousa, com descendência. Foi pai de António José de Miranda, 1.º Visconde de Paradinha do Outeiro.

Referências