Abrir menu principal
Margarida
Princesa de Luxemburgo
Princesa de Liechtenstein
Marido Nicolau de Liechtenstein
Descendência Leopoldo
Maria-Anunciata
Maria-Astride
José Emanuel
Casa Nassau-Weilburg (por nascimento)
Bourbon-Parma (por casamento)
Liechtenstein (por casamento)
Nome completo
Margarida Antônia Maria Felicidade de Luxemburgo
Nascimento 15 de maio de 1957 (62 anos)
  Castelo de Betzdorf, Luxemburgo
Pai João, Grão-Duque de Luxemburgo
Mãe Josefina Carlota da Bélgica
Religião Catolicismo
Brasão
Família principesca do Liechtenstein
Casa de Liechtenstein
Staatswappen-Liechtensteins.svg

SAS o Príncipe soberano
SAS a Princesa consorte


Margarida de Liechtenstein (nascida Margaretha Antonia Marie Félicité de Luxemburgo; 15 de maio de 1957, no Castelo de Betzdorf) é a segunda filha do grão-duque João de Luxemburgo, e de sua esposa, a princesa Josefina Carlota da Bélgica. Seus padrinhos são: o príncipe Felix de Bourbon-Parma e a princesa Margarida da Suécia, neta de Óscar II.

Ela detém os seguintes títulos:

  • Princesa de Luxemburgo
  • Princesa de Nassau
  • Princesa de Parma[nota 1]
  • Princesa de Liechtenstein

A princesa Margarida estudou em Luxemburgo, na Bélgica, no Reino Unido e nos Estados Unidos. Em 20 de março de 1982, casou-se com o príncipe Nicolau de Liechtenstein, na Catedral de Notre-Dame em Luxemburgo. Eles tiveram quatro filhos:

  • Leopoldo Emanuel Jean de Liechtenstein, nascido e morto em 20 de maio de 1984.
  • Maria-Anunciata Astrid Joséphine Veronica de Liechtenstein, nascida em 12 de maio de 1985 (34 anos), em Bruxelas.
  • Maria-Astride Nora Margarita Veronica de Liechtenstein, nascida em 26 de junho de 1987 (32 anos), em Bruxelas.
  • José Emanuel Leopold Marie de Liechtenstein, nascido em 7 de maio de 1989 (30 anos).

Notas

  1. Em 5 de março de 1860 o Ducado de Parma e Placência passou, mediante plebiscito, ao Reino da Sardenha. Portanto pessoas nascidas a partir de 1860 não possuem formalmente títulos relacionados ao ducado. A constituição da República Italiana promulgada em 27 de dezembro de 1947 aboliu definitivamente todos os títulos de nobreza.[1]

Referências

  1. «La Costituzione della Repubblica Italiana - con note» (PDF). Presidenza della Repubblica (www.quirinale.it). 27 de dezembro de 1947. Consultado em 15 de janeiro de 2016. I titoli nobiliari non sono riconosciuti. I predicati di quelli esistenti prima del 28 ottobre 1922 valgono come parte del nome.