Margarida de Luxemburgo

aristocrata luxemburguesa

Margarida de Liechtenstein (nascida Margaretha Antonia Marie Félicité de Luxemburgo; 15 de maio de 1957, no Castelo de Betzdorf) é a segunda filha do grão-duque João de Luxemburgo, e de sua esposa, a princesa Josefina Carlota da Bélgica. Seus padrinhos são: o príncipe Felix de Bourbon-Parma e a princesa Margarida da Suécia, neta de Óscar II.[nota 1]

Margarida
Princesa de Luxemburgo
Prinsesa de Nassau e Bourbon-Parma
Princesa de Liechtenstein
Condessa de Rietberg
Nascimento 15 de maio de 1957 (65 anos)
  Castelo de Betzdorf, Luxemburgo
Nome completo  
Margarida Antônia Maria Felicidade de Luxemburgo
Marido Nicolau de Liechtenstein
Descendência Leopoldo Emanuel
Maria-Anunciata
Maria-Astride
José Emanuel
Casa Nassau-Weilburg (por nascimento)
Bourbon-Parma (agnática)
Liechtenstein (por casamento)
Pai João, Grão-Duque de Luxemburgo
Mãe Josefina Carlota da Bélgica
Religião Catolicismo
Brasão

A princesa Margarida estudou em Luxemburgo, na Bélgica, no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Casamento e DescendênciaEditar

Em 20 de março de 1982, casou-se com o príncipe Nicolau de Liechtenstein, na Catedral de Notre-Dame em Luxemburgo. Eles tiveram quatro filhos:

  • Leopoldo Emanuel Jean de Liechtenstein, nascido e morto em 20 de maio de 1984 em Bruxelas.
  • Maria-Anunciata Astrid Joséphine Veronica de Liechtenstein, nascida em 12 de maio de 1985 (37 anos), em Bruxelas.
  • Maria-Astride Nora Margarita Veronica de Liechtenstein, nascida em 26 de junho de 1987 (35 anos), em Bruxelas.
  • José Emanuel Leopold Marie de Liechtenstein, nascido em 7 de maio de 1989 (33 anos).

TítulosEditar

  • 15 de maio de 1957 - 20 de março de 1982; Sua Alteza Real a Princesa Margarida de Luxemburgo, Princesa de Nassau, Princesa de Bourbon-Parma
  • 20 de março de 1982 - até o momento; Sua Alteza Real e Serena a Princesa Margarida de Liechtenstein, Princesa de Luxemburgo, Princesa de Nassau, Princesa de Bourbon-Parma, Condessa de Rietberg

Notas

  1. Em 5 de março de 1860 o Ducado de Parma e Placência passou, mediante plebiscito, ao Reino da Sardenha. Portanto pessoas nascidas a partir de 1860 não possuem formalmente títulos relacionados ao ducado. A constituição da República Italiana promulgada em 27 de dezembro de 1947 aboliu definitivamente todos os títulos de nobreza.[1]

Referências

  1. «La Costituzione della Repubblica Italiana - con note» (PDF). Presidenza della Repubblica (www.quirinale.it). 27 de dezembro de 1947. Consultado em 15 de janeiro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 15 de junho de 2016. I titoli nobiliari non sono riconosciuti. I predicati di quelli esistenti prima del 28 ottobre 1922 valgono come parte del nome.