Abrir menu principal
Matthew Flinders
Nascimento 16 de março de 1774
Donington
Morte 19 de julho de 1814 (40 anos)
Londres
Sepultamento Euston
Cidadania Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda, Reino da Grã-Bretanha
Filho(s) Anne Flinders
Ocupação explorador, cartógrafo, botânico, navegador
Magnum opus A Voyage to Terra Australis

Matthew Flinders (Donington, 16 de Março de 1774Londres, 19 de Julho de 1814) foi um reputado navegador e cartógrafo britânico. Nos seus vinte e poucos anos de carreira na Marinha Britânica, navegou com o capitão William Bligh, circum-navegou a Austrália, sobreviveu a um naufrágio e foi prisioneiro dos franceses na ilha Maurícia durante quase sete anos.

BiografiaEditar

 
As viagens de Matthew Flinders à volta da Austrália
 
Vista de Port Jackson no livro A Voyage to Terra Australis, por Matthew Flinders

Embora Flinders não tenha sido o primeiro a empregar a palavra Austrália para denominar a ilha-continente, foi um firme defensor do seu uso, e a sua obra Uma viagem à Terra Australis (1814) popularizou o topónimo Austrália, o qual acabaria por se impor como oficial em 1824. No entanto, Flinders nunca testemunharia este acontecimento, pois faleceu no dia seguinte ao da publicação do seu livro, aos 40 anos de idade.

Flinders tinha uma cópia da obra de Alexander Dalrymple, de 1771, intitulada An Historical Collection of Voyages and Discoveries in the South Pacific Ocean, e parece ter usado o nome Austrália a partir daqui, mas exclusivamente para a ilha-continente, não para toda a região do Pacífico Sul. Em 1804 escreveu a seu irmão: "Chamo a toda a ilha Austrália, ou Terra Australis" e mais tarde enviou uma carta a Sir Joseph Banks onde mencionava "o meu mapa geral da Austrália."

O Lago Hillier foi descoberto durante uma expedição comandada por Matthew Flinders, em 1802.

Restos mortaisEditar

Em Janeiro de 2019, os restos mortais do explorador Matthew Flinders foram encontrados no cemitério St. James, adjacente à estação ferroviária de Euston, em Londres. Os restos mortais foram identificados por arqueólogos, que encontraram um escudo de chumbo bem preservado no caixão do navegador.

Esta descoberta acontece no meio do trabalho de exumação de mais de 40 mil corpos que repousam naquele cemitério, para dar lugar à construção de uma linha férrea de alta velocidade que ligará Londres a Birmingham.

Embora se soubesse que o navegador estava enterrado naquele cemitério, a sua sepultura foi perdida de vista em meados do século XIX após a expansão da estação ferroviária. Esta semana, a empresa anunciou que o seu caixão foi identificado graças a um chumbo colocado no topo[1].

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Matthew Flinders