Abrir menu principal

Wikipédia β

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Miguel José Ribeiro Cadilhe GCM (Barcelos, 10 de Novembro de 1944) é um político e economista português.

Miguel José Ribeiro Cadilhe
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período X Governo Constitucional
  • Ministro das Finanças

XI Governo Constitucional

  • Ministro das Finanças
Dados pessoais
Nascimento 10 de novembro de 1944 (73 anos)
Barcelos
Partido Partido Social Democrata
Profissão Economista

BiografiaEditar

Miguel Cadilhe nasceu em Barcelos, fez a escola e o liceu na Póvoa de Varzim, vive no Porto.

Licenciou-se na Faculdade de Economia da Universidade do Porto com a melhor classificação de 1968, aqui leccionou macroeconomia, estatística, econometria, matemática financeira, investigação operacional, etc, publicou lições, integrou a Comissão de Reestruturação de 1977.

Investigou política macroeconómica na LSE, London School of Economics, em 1981-82.

Foi professor catedrático convidado da Universidade Católica, no Porto, onde leccionou economia pública e políticas públicas, em 2006 a 2011.

Cumpriu serviço militar de Outubro 1969 a Março 1973.

Integrou e dirigiu o gabinete de estudos económicos e financeiros de um dos maiores bancos portugueses, no Porto, entre 1973 e 1985, abrangendo as áreas de economia portuguesa, análise da conjuntura, análise de empresas e central de balanços.

Foi administrador e presidente de empresas, bancos, fundações, associações e diversas outras instituições.

Actualmente colabora pro bono com entidades ligadas à cultura ou à economia, como membro de conselhos consultivos e conselhos fiscais.

Integra igualmente conselhos editoriais de revistas, especialmente de análise económica e política.

Foi e é consultor de empresas e associações, nomeadamente em avaliações de projectos e partes sociais.

É presidente do Conselho de Curadores da Universidade do Porto, desde 2015.

Foi secretário de Estado do Planeamento em 1980 e ministro das Finanças por quatro anos, entre fins de 1985 e inícios de 1990.

Debruça-se sobre temas da realidade nacional, matérias de docência e outros assuntos, em livros, artigos e relatórios, de onde se destacam: Teoria dos conjuntos (co-autoria, 1964), Investigação operacional (co-autoria, 1968, prémio UP), Lições de matemática Financeira (co-autoria, 1969, reedições até 1988), Financiamento obrigacionista da empresa portuguesa (1970), Arranque da inflação portuguesa (1972), Acordo comercial Portugal Mercado Comum (co-autoria,1973), Plano de aulas de Estatística (1974), Regeneração da economia portuguesa (1984), Matemática financeira aplicada (1984, reedições até 1998), Portuguese external deficit and strategy of the humps (1984), Estratégia macroeconómica para Portugal (1985), Ao sabor da estratégia (1987), Factos e enredos, quatro anos no Ministério das Finanças (1990), Luzes e sombras da UEM (1990), Tempos e modos de Portugal na UEM (1991), Matematismos na economia e na gestão (1991), Política de dividendos e dupla tributação (1991), Eficiência empresarial dos têxteis portugueses (1992), Controlo parlamentar das finanças públicas (1996), Recessão e défices públicos (1997), Ministério das Finanças e Tribunal de Contas (2000), Fronteiras das funções do Estado (2005), Enquadramento político da reforma fiscal de 1988/89 (2005), Poemas da minha vida (antologia, 2005), Portugal e o novo Pacto de Estabilidade e Crescimento (2006), Finanças da descentralização politica (2006), Reforma conceitual e administrativa do Estado (2007), Razões da descentralização política (2011), Políticas contra o desmazelo florestal (2012), Sobrepeso do Estado em Portugal (2005, 2013), Prémio de hostilidade coactiva - artigo 490.º do CSC (2015)

Em jornais: Escudo precoce (1992), Série de 25 artigos no Expresso (2007), Razões da descentralização política (2010), PEC 2010/2013 em doze breves notas (2010), Resgatar a honra e o futuro (2011), Imposto patrimonial solidário (2012), Reforma do centralismo (2013), Contra-guião da reforma do Estado (2013), Série de 23 artigos no JN (2014).

Recebeu diversos prémios escolares e profissionais. Foram-lhe atribuídas as grãs-cruzes das ordens do Mérito (Portugal) e do Cruzeiro do Sul (Brasil).

Foi distinguido com a Medalha de Ouro do Município do Porto, o Prémio Carreira da Ordem dos Economistas e o Prémio Carreira FEP, Faculdade de Economia do Porto, 2015.

Ligações externasEditar