Miguel León-Portilla

Miguel León-Portilla (Cidade do México, 22 de fevereiro de 1926 - Cidade do México, 1 de outubro de 2019)[1] foi um antropólogo e historiador mexicano.

Miguel León-Portilla
Nascimento 22 de fevereiro de 1926
Cidade do México
Morte 1 de outubro de 2019 (93 anos)
Cidade do México
Cidadania México
Cônjuge Ascensión Hernández Triviño
Alma mater
Ocupação antropólogo, historiador, diplomata, linguista, filósofo, docente
Prêmios
Empregador Universidade Nacional Autônoma do México
Obras destacadas The Broken Spears

León-Portilla foi uma das autoridades mais respeitáveis e comumente citadas nas referências sobre cultura e literatura astecas nas eras pré-colombianas e coloniais entre a academia mexicana. Muitas de suas obras foram traduzidas para o inglês e são amplamente lidas. Em 2013, a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos concedeu-lhe o Prêmio Lenda Viva.[2]

Infância e educaçãoEditar

Nascido na Cidade do México, Miguel León-Portilla se interessou pelos povos originários do México desde cedo, incentivado por seu tio Manuel Gamio, um ilustre arqueólogo. Gamio teve uma influência duradoura em sua vida e carreira, inicialmente levando-o quando menino em viagens a importantes sítios arqueológicos no México.[3] León-Portilla frequentou o Instituto de Ciências em Guadalajara e depois obteve um B. A. (1948) e M. A. (1951) na Jesuit Loyola University, em Los Angeles. Retornando ao México em 1952, ele mostrou a Gamio uma peça que havia escrito sobre Quetzalcoatl, o que resultou em Gamio apresentando seu sobrinho a Ángel Garibay K., cujas publicações nas décadas de 1930 e 1940 trouxeram a literatura náuatle à ampla atenção do público no México. León-Portilla começou a frequentar a faculdade de direito e trabalhar em uma empresa financeira. Ao mesmo tempo, lecionava no Mexico City College, uma escola de língua inglesa no bairro de Condesa. Outros instrutores incluíram importantes estudiosos da história e cultura indígena mexicana, Wigberto Jiménez Moreno, Fernando Horcasitas e Eduardo Noguera. Gamio persuadiu León-Portilla a abandonar seus estudos de direito e seu trabalho no setor financeiro para trabalhar no Instituto Indígena Interamericano, uma organização especializada da Organização dos Estados Americanos,[4] que Gamio dirigia.[5] León-Portilla iniciou seus estudos de pós-graduação na UNAM, concluindo sua tese de doutorado, La Filosofía Náhuatl estudiada en sus fuentes, em 1956, que lançou sua carreira acadêmica.[6]

CarreiraEditar

Sua dissertação sobre a filosofia Nahua foi publicada no México e depois traduzida para o inglês como Aztec Thought and Culture: A Study of the Ancient Nahuatl Mind (1967) e depois em muitas outras línguas.[7] Foi a primeira de suas muitas obras a ser traduzida para o inglês. Suas traduções de textos em náuatle e espanhol sobre a conquista do México, publicados pela primeira vez no México como Visión de los vencidos, traduzidos para o inglês como The Broken Spears, são a maneira como muitos estudantes de graduação nos Estados Unidos são apresentados a relatos de participantes indígenas e não conquistadores espanhóis.[8]

León-Portilla liderou um movimento para entender e reavaliar a literatura e a religião náuatle, não apenas da era pré-colombiana, mas também da atual, especialmente porque o náuatle ainda é falado por 1,5 milhões de pessoas.[2] Seus trabalhos em inglês sobre literatura incluem Pre-Columbian Literatures of Mexico (1986),[9] Fifteen Poets of the Aztec World (2000),[10] e com Earl Shorris, In the Language of Kings: An Anthology of Mesoamerican Literature, Pré-colombiana ao Presente (2002).[11] Ele também comparou a literatura dos Nahuas com a do Inca.[12] Outra área de pesquisa foi sobre religião e espiritualidade indígenas, com trabalhos como Native Meso-American Spirituality (1980),[13] e South and Meso-American Native Spirituality: From the Cult of the Feathered Serpent to the Theology of Liberation (1997).[14] Ele também publicou um trabalho sobre os maias, tempo e realidade no pensamento dos maias (1990).[15]

León-Portilla foi fundamental para trazer à luz as obras do franciscano pe. Bernardino de Sahagún, uma fonte primária do século XVI sobre a civilização asteca, cujos doze volumes de História Geral das Coisas da Nova Espanha, muitas vezes referido como o Códice Florentino, são cruciais para a compreensão da religião, sociedade e cultura Nahua, bem como quanto a fornecer um relato da conquista do México do ponto de vista mexica. León-Portilla foi o primeiro a designar Sahagún como o "Pai da Antropologia no Novo Mundo".[16]

Contribuiu para a compreensão do desenvolvimento do campo da história mesoamericana no México. Com Garibay, León-Portilla fez contribuições ao estudo do historiador mesoamericano do século XIX Manuel Orozco y Berra.[17][18] León-Portilla também publicou dois volumes sobre o trabalho de humanistas mesoamericanos, incluindo seu mentor Garibay.[19]

No campo dos estudos coloniais náuatles, particularmente a Nova Filologia, o trabalho de León-Portilla em uma coleção de testamentos do final do século XVI em náuatle, Os Testamentos de Culhuacan, contribuiu para a compreensão das interações em nível local dentro de uma cidade nahua.[20][21]

Um interesse subordinado mas importante de León-Portilla foi a história inicial e etnografia da Península de Baja California. Ele abordou essa região em mais de 30 livros e artigos, incluindo um volume de 1995 reunindo várias de suas publicações anteriores.[22]

No início de sua carreira acadêmica em 1969, ele foi premiado com uma bolsa Guggenheim.[23] Esse foi o primeiro de muitos prêmios e reconhecimentos acadêmicos, incluindo a Medalha de Honra Belisario Domínguez, a mais alta condecoração concedida pelo Senado mexicano. Em 1970, foi eleito membro do Colégio Nacional[24] e, em 1995, membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.[25] De 1987 a 1992, ele atuou como delegado permanente de seu país na UNESCO, período durante o qual ele nomeou com sucesso cinco sítios pré-colombianos no México para inclusão na Lista do Patrimônio Mundial.[26] Em 12 de dezembro de 2013, León-Portilla recebeu o Prêmio Lenda Viva da Biblioteca do Congresso dos EUA.[2] Ele também foi membro da Academia Mexicana de Línguas e da Academia Mexicana de História.[27]

Vida pessoalEditar

León-Portilla casou-se com Ascensión Hernández Triviño, um linguista e acadêmico espanhol, em 1965. A filha deles, Marisa León-Portilla, também é historiadora.[28]

León-Portilla morreu na Cidade do México em 1º de outubro de 2019 depois de ter sido hospitalizado durante grande parte do ano.[29]

Trabalhos notáveisEditar

León-Portilla escreveu mais de uma centena e meia de artigos para várias instituições e mais de quarenta livros dos quais os seguintes títulos estão entre os mais conhecidos:

ReferênciasEditar

  1. «Miguel León Portilla murió a los 93 años». www.milenio.com 
  2. a b c «Miguel León-Portilla to Receive Living Legend Award at Celebration of Mexico». Cataloging Service Bulletin. US Library of Congress. 20 de novembro de 2013. ISSN 0731-3527. LOC-PR 13-206. Consultado em 20 de novembro de 2013 
  3. «10 datos para saber quién fue Miguel León-Portilla». Cultura UNAM. 3 de outubro de 2019 
  4. «Inter-American Indian Institute (IAII)». UIA Yearbook of International Organizations 
  5. «Dr. Miguel León-Portilla: Semblanza». Revista Digital Universitaria. UNAM. 1 de janeiro de 2001 
  6. Miguel León-Portilla, Jean Meyer, and Asa Zatz. “Miguel León-Portilla.” BOMB, No. 78, The Americas Issue (Winter, 2001/2002), pp. 66-71 Stable URL: https://www.jstor.org/stable/40426796 Retrieved 5 de julho de 2018
  7. Miguel León-Portilla, Aztec Thought and Culture: A Study of the Ancient Nahuatl Mind. University of Oklahoma Press 1967.
  8. Miguel León-Portilla, The Broken Spears: The Aztec Account of the Conquest of Mexico. Beacon Press; 2nd edition (2006) ISBN 978-0807055007 Ranked on Amazon as #3 best seller on Latin American history as of 4 July 2018.
  9. Miguel León-Portilla, Pre-Columbian Literatures of Mexico University of Oklahoma Press ISBN 978-0806119748
  10. Miguel León-Portilla. Fifteen Poets of the Aztec World. University of Oklahoma Press 2000 ISBN 978-0806132914
  11. Miguel León-Portilla, In the Language of Kings: An Anthology of Mesoamerican Literature, Pre-Columbian to the Present (with Earl Shorris). W. W. Norton & Company (2002) ISBN 978-0393324075
  12. Miguel León-Portilla, Literaturas de Anahuac y del Incario (América Nuestra / Our America). Siglo XXI (1 January 2003) ISBN 978-9682326400
  13. Miguel León-Portilla, Native Meso-American Spirituality. Paulist Press; 1st edition 1980 ISBN 978-0809122318
  14. Miguel León-Portilla, South and Meso-American Native Spirituality: From the Cult of the Feathered Serpent to the Theology of Liberation (editor, with Gary Gossen). The Crossroad Publishing Company (1 May 1997) ISBN 978-0824516628
  15. Miguel León-Portilla, Time and Reality in the Thought of the Maya. University of Oklahoma Press; Second edition (15 September 1990) ISBN 978-0806123080
  16. Bernardino de Sahagun: First Anthropologist. University of Oklahoma Press; Reprint edition 2012) ISBN 978-0806142715
  17. Miguel León-Portilla, "Orozco y Berra: investigador del pensamiento náhuatl" in La filosofía náhuatl estudiada en sus fuentes. Mexico, UNAM 1959, ppp. 32–33.
  18. Miguel León-Portilla. "Bibliografía de don Manuel Orozco y Berra.". In Historia antigua y de la conquista de México by Manuel Orozco y Berra. Nueva edición preparada por A.M. Garibay K. y Miguel León-Portilla. 4 vols. Mexico: Porrúa, 1960.
  19. Humanistas de Mesoamérica. Fondo de Cultura Económica 2017 ISBN 978-6071653840 and Humanistas de Mesoamérica, II, Fondo de Cultura Económica 1986 ISBN 978-9681653675
  20. León-Portilla, Miguel. "El libro inédito de los testamentos indígenas de Culhuacán: su significación como testimonio histórico." Estudios de cultura nahuátl 12 (1976): 164.
  21. S.L. Cline and Miguel León-Portilla, translators and editors, The Testaments of Culhuacan. UCLA Latin American Center Publications, University of California, Los Angeles; 1st edition (1984) ISBN 978-0879035020; An analysis of the wills is found in S.L. Cline, Colonial Culhuacan: A Social History of an Aztec Town. University of New Mexico Press ACLS ISBN 978-1597-40664-2.
  22. León-Portilla, Miguel. 1995. La California mexicana: ensayos acerca de su historia. Universidad Nacional Autónoma de México, Mexico City.
  23. «John Simon Guggenheim Foundation | Miguel León-Portilla» (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2022 
  24. «Miguel León-Portilla». El Colegio Nacional 
  25. «Member Search». www.nasonline.org 
  26. «Miguel León-Portilla y La Arqueología». Arqueología Mexicana. 2 de agosto de 2017 
  27. «Fallece Miguel León-Portilla a la edad de 93 años». El Universal. 1 de outubro de 2019 
  28. «Miguel León-Portilla: El invencible historiador dice adiós». El Universal. 2 de outubro de 2019 
  29. «León-Portilla recibirá homenaje en Bellas Artes». El Universal. 2 de outubro de 2019