Abrir menu principal

Carmine Pecorelli (14 de setembro de 1928 - 20 de março de 1979), conhecido como Mino, era um jornalista italiano, morto em Roma, um ano após sequestro e subsequente morte do ex-primeiro-ministro Aldo Moro em 1978. Ele foi descrito como um "jornalista independente, com excelentes contatos nos serviços secretos."[1] De acordo com Pecorelli, o sequestro de Aldo Moro havia sido organizado por uma "superpotência lúcida" e foi inspirada na "lógica de Yalta". O nome de Pecorelli constava na lista de membros de Licio Gelli da loja maçônica Propaganda Due descoberta em 1980 pela polícia italiana.[2] Em 2002, o ex-primeiro-ministro Giulio Andreotti foi condenado, juntamente com Gaetano Badalamenti, o chefe da máfia, a 24 anos de prisão pelo assassinato de Pecorelli. A sentença foi expelida pelo Supremo Tribunal Italiano em 2003.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Philip Willan (9 de maio de 2003). «Moro's ghost haunts political life» (em inglês). The Guardian 
  2. List of P2 affiliated